Português
Gamereactor
Videos
HQ

Freshly Squeezed - Juice Entrevista

Conversamos com a ColorFiction, uma desenvolvedora solo que está nos dando um terror único em primeira pessoa, onde jogamos como um monstro e uma testemunha de seus terríveis feitos.

Audio transcriptions

"Olá amigos, estamos no The Mix a apresentar Guerrilla Collective e eu estou a ver o que me faz lembrar o Mad World, que era um jogo que eu adorava.
Mas desta vez não é feito pela Sega, é feito por um único criador que se chama Color Fiction."

"Este jogo não tem praticamente nenhuma cor, apenas vermelho?
Só vermelho, preto e branco, sim.
Sou daltónico, daí o nome Ficção a Cores.
O que nos podes dizer? É como um jogo de terror, na primeira pessoa, o que fazes aqui?
Então é um jogo na primeira pessoa, tipo corpo a corpo, em que jogas como um monstro que toma conta de uma cidade e depois também como um humano a ver tudo a acontecer."

"Então é esta narrativa dupla, para trás e para a frente, onde jogas como um monstro a destruir tudo e depois jogas como humano e vês os efeitos do mundo, do que está a acontecer e eventualmente os dois caminhos encontram-se e tens de escolher se queres continuar a jogar como um monstro ou se queres continuar a jogar como um humano."

"Portanto, é como se decidisses o que queres ser.
E então isso faz com que haja finais diferentes?
Isso dá-te dois finais diferentes, sim.
E depois o jogo também tem o modo arcada, onde podes jogar as tuas fantasias de poder de comeres toda a gente."

"E aí és apenas um monstro humano e estás a comer o máximo de humanos que podes e há diferentes formas de jogar.
Tempo limite, fiesta, cooperativo, sim.
Mencionei o Mad World porque, claro, foi platina Sega."

"Foi inspirado na banda desenhada e era basicamente a preto e branco e vermelho, se não me engano, um pouco de amarelo, não sei.
Foi essa a tua principal inspiração ou os livros de banda desenhada?
Não, na verdade, ouvi falar do Mad World hoje, que foi hilariante e parece-se mesmo com ele."

"Mas sim, são livros de banda desenhada.
É como Frank Miller, Sin City, toda essa arte.
Eu adorei-o mesmo.
E depois faço toda a arte e tudo."

"Os meus outros jogos eram muito brilhantes e coloridos, por isso comecei a limitar a minha paleta jogo a jogo e acabei por ficar com oito cores e quero passar para duas cores.
É como se eu adorasse preto e branco porque é como se quanto mais limitações, mais tu podes criar com ele."

"É apenas uma coisa estranha, sim.
Chamam-lhe sumo por causa do sangue?
Só porque os humanos estão cheios de sumo, sabes, e como o monstro quer beber sumo.
Podes crer."

"Estás bem? Sim.
O que é que fazes como monstro?
Disseste que ligas os caminhos a certa altura da história.
Eles encontram-se."

"Encontram-se.
Assim, começam em diferentes pontos da cidade e depois, como monstro, provocas o caos.
Matas pessoas, massacras.
Sim, avanças lentamente pela cidade em direção ao jogador, como o apartamento do cidadão."

"E depois tu, como monstro, começas a reconhecer os lugares que visitaste como cidadão.
Porque o cidadão é apenas, é como um jogo em que estás a fazer a tua vida normal.
Vais para o trabalho, voltas do trabalho, limpas o teu apartamento, vais dormir.
E nesse ciclo, já não podes fazer esse ciclo porque o comboio foi destruído pelo monstro."

"E depois, como se estivesses a ajudar os teus vizinhos, mas depois há uma ordem de quarentena.
Então não podes sair do teu apartamento e vês nas notícias, como os bairros estão a aproximar-se de ti.
E depois, eventualmente, jogas como um monstro e ficas tipo, oh, espera, estou na casa do jogador e tu pensas: "Espera, estou no bairro do jogador."

"Oh, este é o apartamento.
E depois vais pelo corredor e é aí que os dois se encontram.
Uma grande coisa é que nunca verás o monstro.
E estou a tentar descobrir isso para o encontro, o que é difícil."

"Mas sim.
Até que tu sejas o humano e os vejas a chegar.
Talvez não vejas.
Podes não o fazer.
Sinto que quero mesmo fazer com que não consigas ver o monstro."

"Mas quando és o monstro, és mais alto ou mais poderoso?
Na verdade, a cada capítulo ficas lentamente maior.
Tipo, eu adorava fazer uma coisa tipo Mary.
Estás a gozar com a Mary."

"Isso é demasiado trabalho.
Por isso agora é capítulo a capítulo.
Só tens de aumentar um pouco.
Mantém-no simples.
Falaste em ciclos."

"Tem algum elemento de roguelite?
Ou estão todos preparados e com um guião e, sabes, cada nível está concebido para acontecer como...
Ou tens algum tipo de elemento aleatório?
Não."

"Quero dizer, a maneira como eles...
A maneira como todos os humanos são gerados e todas essas coisas.
Estou a usar muita geração processual para isso.
Mas o atual..."

"O modo história é apenas uma história linear.
Estás bem? Sim.
A história é linear.
A sala de jogos é onde todas as coisas processuais acontecem."

"Mas mais no caminho...
Por exemplo, quero que os jogadores definam a velocidade...
Porque a forma como a IA se move, tudo isso pode ser editado.
Mas a história é totalmente linear e tu saberás."

"Vais voltar a jogá-la.
Salpica muito.
E qual é o estado do projeto neste momento?
Estou a trabalhar nele a tempo parcial há cerca de um ano."

"E acabei de o pôr no Steam.
Podes colocá-lo na lista de desejos.
E, sinceramente, não sei se vou fazer o acesso antecipado daqui a uns meses ou se vou esperar até..."

"Já falaste em jogos anteriores.
Sim.
Quais são os teus jogos anteriores e como é que os construíste?
É Unity ou...?
Então, sim."

"É feito em Unity.
E todo o meu trabalho anterior é totalmente diferente.
São simuladores de caminhada pacífica.
Jogos muito relaxantes e com boas vibrações."

"E isto veio de um projeto.
Eu estava a fazer um jogo de arrepiar fantástico.
E foi cancelado por causa desta coisa económica.
Por isso, esta é a minha forma de lidar com a minha frustração e como..."

"Podes confessar.
Exatamente.
Fartaste-te de tanta cor, de tanta paz.
Vamos destruir o Splatter.
Basicamente, sim."

"Mas, sim.
Podes crer.
Mais alguma coisa que queiras mencionar sobre o Juice e que possas ter esquecido?
Parece-te bem?
Não."

"Quero dizer, apenas, sim, vai à lista de desejos.
E, em breve, terás uma demo.
Podes crer.
Estou mesmo ansioso por o jogar."

"Muito obrigado a ti.
Quando chegarmos à paragem, vou tocar isto.
Muito obrigado a ti.
Muito obrigado a ti."

Summer Events

Mais

Videos

Mais

Trailers de filmes

Mais

Trailers

Mais

Eventos

Mais