Cookie

O Gamereactor utiliza cookies para assegurar que lhe proporciona a melhor experiência possível no nosso site. Se continuar, vamos presumir que está satisfeito com a nossa política relativa a cookies.

LIVE
HQ
logo hd live | Beyond a Steel Sky
See in hd icon
Português
Gamereactor
antevisões
Pokémon Brilliant Diamond/Shining Pearl

Pokémon Brilliant Diamond/Shining Pearl - 5 Coisas que aprendemos sobre os remakes

As pedras preciosas da coleção Pokémon foram polidas, mas 15 anos depois do lançamento original terão ainda brilho suficiente?

HQ
HQ

Com o estúdio habitual de Pokémon, a Game Freak, a trabalhar em Pokémon Legends: Arceys, coube à ILCA a tarefa de refazer os jogos da geração 4 para a Nintendo Switch. Considerando que é o primeiro projeto da série principal de Pokémon que não foi trabalhado pela Game Freak, é natural que exista alguma apreensão por parte dos fãs, mas é também natural que a ILCA queira desfazer essas dúvidas e cautelas. Foi por isso que nos convidou para uma apresentação dos remakes de Pokémon Diamond e Pearl, em baixo pode ver cinco pontos que aprendemos durante essa apresentação.

Estilo visual diferente
Quando Pokémon Brilliant Diamond/Shining Pearl foi anunciado em fevereiro, de imediato causou alguma divisão entre os fãs por causa do estilo visual. Em vez de utilizar o design típico da saga, a ILCA optou por algo mais próximo do estilo a que chamam de "chibi", com personagens mais simples e pequenas, mas também discutivelmente mais charmosas. O remake de The Legend of Zelda: Link's Awakening será um ponto de comparação razoável, com uma estrutura visual muito certinha em blocos e uma estrutura estilo grelha.

Embora o estilo visual seja diferente, existem óbvios melhoramentos. A definição da imagem é superior, as texturas têm melhor qualidade, e os efeitos de iluminação dão outro dinamismo à imagem. A introdução de efeitos climatéricos também garantem outra vida ao jogo, embora a ILCA não nos tenha confirmado se o clima é dinâmico ou pré-definido.

O combate também parece ter ganho outra cor e vida com as mudanças, já que os modelos dos pokémons são mais detalhados. Existe um contraste óbvio entre o detalhe do modo de exploração e o modo de batalha, embora o facto das animações não serem particularmente melhores tenha sido algo desapontante. Era no entanto expectável que assim fosse, já que criar novas animações para mais de 450 pokémons parece um trabalho Hercúleo.

Pokémon Brilliant Diamond/Shining PearlPokémon Brilliant Diamond/Shining PearlPokémon Brilliant Diamond/Shining Pearl

As novidades mais interessantes estão escondidas no subsolo
Tirando as diferenças do estilo visual, pode parecer que não existem muitas diferenças entre estes remakes e os originais, mas em parte isso acontece porque as maiores novidades esperam-no debaixo da superfície. Existe uma enorme rede de túneis subterrâneos chamada The Grand Underground que apresenta uma série de atividades, incluindo a oportunidade para criar e personalizar um esconderijo subterrâneo secreto.

Parte destas funções já existiam nos originais, mas existe algo completamente à sua espera. Trata-se dos Pokémons Hideaways, enormes cavernas com os seus próprios ecossistemas, incluindo desertos, florestas, e grutas vulcânicas. É aqui que irá encontrar alguns pokémons que não conseguirá apanhar em mais lado nenhum, e também alguns dos cenários mais interessantes do jogo, já que a disposição do mapa não obedece à regra de grelhas e blocos tradicional. Existe uma colocação mais natural e aleatória dos elementos do cenário, e os pokémons também passeiam com maior liberdade. Será certamente um dos pontos mais interessantes para quem já jogou os originais.

Será mais fácil jogar com amigos
A componente online foi melhorada e expandida, o que é normal, considerando que Pokémon Diamond/Pearl foi o primeiro jogo da saga a introduzir elementos online - na altura muito rudimentares. Através da Union Room, que é essencialmente um hub central, poderá escolher entre um looby local suportado por Bluetooth, ou um lobby mundial via internet.

Se cresceu a ver Pokémon e a jogar os seus jogos, provavelmente adora a ideia de partilhar uma destas jornadas com os seus amigos. Pokémon Shining Pearl/Brilliant Diamond torna esse sonho finalmente realidade, embora de uma forma algo limitada. O modo cooperativo só está acessível na secção dos túneis subterrâneos, e não existem realmente atividades desenhadas para potenciar a cooperação entre jogadores, além de ser algo cómico ver treinadores quase idênticos a passear pelo ecrã. Ainda assim marca uma etapa importante para a série, que queremos ver expandida no futuro.

Batalhas e exploração não é tudo
No mundo do Pokémon nem tudo gira em torno de batalhas e exploração, embora parte do jogos originais certamente façam parecer que sim. Quando Pokémon Diamond/Pearl foi lançado, atividades paralelas adicionais foram adicionadas para tornar o mundo mais vivo, e essas atividades foram agora expandidas no remake. Por exemplo, pode escolher levar até seis dos seus pokémon para um passeio pela aconchegante Praça da Amizade, onde nem a coleira, nem as Pokébolas, são necessárias.

Uma atividade paralela mais substancial envolve um concurso de beleza. Aqui, os pokémon mais adoráveis ​​mostram os seus melhores movimentos durante três rodadas em que são pontuados com base no seu vestuário, ataques, e dança - esta última funciona como um jogo de ritmo. Embora a jogabilidade não tenha mudado muito em comparação com os concursos semelhantes dos originais, visualmente está consideravelmente melhor, com muitos efeitos coloridos e animações mais vivas. Como um pequeno bónus, agora pode decorar a sua própria Pokébola com diferentes adesivos, que mostram diferentes efeitos quando as pequenas criaturas são libertadas.

Pokémon Brilliant Diamond/Shining Pearl

Existem muitos pequenos ajustes
Os remakes acrescentam também várias novidades em termos de qualidade de vida, com o objetivo de modernizar a experiência de jogo. Por exemplo, as habilidades HM, como Cut e Surf, que permitem superar obstáculos e navegar pelo mundo, estão agora sempre à disposição sem ocuparem um dos preciosos slots de movimento dos pokémon. Em vez disso são armazenados no Pokétch, um relógio digital multifuncional que anteriormente era acedido através do ecrã tátil da DS. Agora pode simplesmente exibir esse ecrã com um toque de um botão.

Uma mera adição cosmética, mas ainda assim bem-vinda, é a possibilidade de ter um dos pokémons a seguir o jogador. Esse pokémon segue um pouco atrás do jogador, copiando o seu percurso e alcançando-o quando pára. Algum conteúdo também foi removido, como o Game Corner, que nos originais permitia jogar slot machines por prémios. Isso provavelmente foi retirado por se aproximar demasiado de apostas, o que elevaria consideravelmente a classificação etária do jogo.

No geral gostámos do que vimos deste remakes, e mal podemos esperar para explorar o submundo de Pokémon Brilliant Diamond/Shining Pearl a 19 de novembro.

HQ
Pokémon Brilliant Diamond/Shining Pearl
Pokémon Brilliant Diamond/Shining PearlPokémon Brilliant Diamond/Shining Pearl

Textos relacionados



A carregar o conteúdo seguinte