Cookie

O Gamereactor utiliza cookies para assegurar que lhe proporciona a melhor experiência possível no nosso site. Se continuar, vamos presumir que está satisfeito com a nossa política relativa a cookies.

Português
Início
antevisões
Bleeding Edge

Bleeding Edge - Impressões Finais

Os jogadores de Xbox vão encontrar aqui um jogo cheio de ação, personalidade, e excentricidade.

A assistir

Preview 10s
Next 10s
Publicidade

Bleeding Edge marca uma série de estreias: é o primeiro jogo que a Ninja Theory está a produzir enquanto estúdio da Microsoft, é o primeiro jogo online da editora que nos trouxe Heavenly Sword, Enslaved, DMC: Devil May Cry, e Hellblade: Senua's Sacrifice, e se tudo correr bem, será o início do que se espera ser uma longa série. Tínhamos curiosidade para conhecer melhor Bleeding Edge, o que inspirou a sua criação, e de que forma pretende distinguir-se entre um género que vive e respira Overwatch. Estamos afinal de contas a falar de um jogo de confrontos online à base de 'heróis', mas descobrimos que Bleeding Edge tem uma série de fatores diferenciadores.

O primeiro desses factores é a câmara, já que ao contrário da maioria dos jogos do género, que se passam na primeira pessoa, Bleeding Edge joga-se na terceira pessoa. Depois há o facto do combate dar maior primazia a confrontos corpo-a-corpo do que a tiroteios, o que lhe confere um ritmo completamente distinto. Em mais do que uma ocasião lembrámos-nos de títulos como Street Fighter e Tekken, pela forma como o combate se equilibra entre acessibilidade arcade para novatos e profundidade para quem quiser dominar o jogo.

Cada personagem de Bleeding Edge tem duas posturas de combate, o que define a habilidade ultra-especial que pode usar uma ou duas vezes por partida. Com uma estrutura de quatro contra quatro, com objetivos de equipa, é essencial que os jogadores utilizem as suas habilidades de forma adequada. Quanto ao elenco de personagens, impressionou-nos pela sua diversidade. Existem mulheres e homens de todas as raças, faixas etárias, e tamanhos (até existe um golfinho enfiado num robô!), mas todos apresentam grande personalidade.

A Ninja Theory confessou-nos que definiu bem cedo a intenção de criar um elenco equilibrado em termos de personagens masculinas e femininas, mas tudo o resto ia ser entregue à imaginação. O facto do estúdio ser formado por pessoas de vários países, raças, culturas, e passados permitiu ao jogo ganhar esta riqueza em termos de criatividade e diversidade de forma natural. Curiosamente as habilidades e os propósitos de cada personagem foram definidos antes de tudo o resto, e só depois pensaram no tipo de figura que seria capaz de cumprir esses pré-requisitos.

A assistir

Preview 10s
Next 10s
Publicidade

Ao todo existem 12 personagens no elenco original (conheça-as aqui), todas desenhadas com grande personalidade e cuidado, num processo que envolveu artistas, animadores, e técnicos de áudio. A primeira personagem realizada por completo foi Buttercup, uma "peso-pesado" que tem um mónociclo gigante em vez de pernas, duas serras giratórias como armas, e vários "melhoramentos cibernéticos" implementados depois de um grave acidente. Como todas as personagens, tem duas posturas de combate - uma em que está em pé, e outra em que coloca as serras no chão, transformando-se praticamente numa mota furiosa e pesada. Buttercup foi depois utilizada como referência por parte de toda a equipa, ainda que reconheçam inspiração em obras de animação japonesa como Akira e Ghost in the Shell. Era no entanto fundamental manter tudo num estilo cartoonesco, com um tom mais leve e excêntrico do que realista e sombrio.

Bleeding Edge é um jogo com um estilo visual muito vincado e particular, que é acompanhado por efeitos sonoros, músicas, e vozes, a condizer. A banda sonora em si lembrou-nos de algo saído dos anos 90, com batidas contagiantes de funk e hip-hop, desenhadas para aumentar a adrenalina antes de cada partida. De momento não é tocada qualquer música durante os combates em si, mas a Ninja Theory confirmou-nos que pode eventualmente mudar isso no futuro, sobretudo considerando que foi uma das várias sugestões que receberam durante a beta. Mas isso só irá acontecer se o conseguirem fazer de forma a que não seja intrusivo, já que Bleeding Edge tem já muito a ocupar o jogador, que não precisa de ser distraído pela música.

Com oito jogadores em 'campo', personagens tão excêntricas, vários tipos de habilidades, e muitos efeitos de ataques e do próprio cenário, por vezes há muita coisa a acontecer no ecrã, e um dos maiores desafios numa primeira fase será fazer sentido de tudo o que se passa durante os momentos mais caóticos. Segundo a Ninja Theory, isto acontece sobretudo quando os jogadores ainda não sabem muito bem o que andam a fazer, já que tendem a concentrar-se no meio. Com mais experiência, contudo, a tendência é para que comecem a ocupar melhor os espaços do mapa, já que o posicionamento tático será também bastante importante, sobretudo em jogos com duas equipas de jogadores organizados.

A assistir

Preview 10s
Next 10s
Publicidade

Como em qualquer título que envolva personagens com habilidades distintas em confrontos por equipas, a vitória ou a derrota começa logo a ser determinada na composição do próprio grupo de heróis. Não podem existir personagens repetidas nos grupos, mas é importante que todos os 'papéis' estejam preenchidos. Nesse aspeto Bleeding Edge não foge muito da regra, remetendo para a 'santa trindade' de classes - tanque, dano, e suporte -, embora exista variedade na forma como as personagens da mesma classe cumprem as suas funções. Ficámos particularmente impressionados com a atenção dada às classes de suporte, extremamente dinâmicas e interessantes, o que é uma forma da Ninja Theory combater o facto de normalmente serem as classes menos escolhidas. Em Bleeding Edge, suporte será essencial para a vitória, já que o jogo foi propositadamente desenhado para que as personagens não sejam auto-suficientes, obrigando a trabalho de equipa e à presença de classes de suporte.

Embora as personagens sejam definidas, ainda existe algum espaço para personalização através do sistema de modificações. Cada personagem pode equipar até três modificações, e todas custam o mesmo para serem desbloqueadas. A ideia não é ter umas modificações melhores e outras piores, mas uma variedade de opções para que o jogador encontre o estilo que mais se adequa à sua personagem e à sua equipa. Aumentos no dano e na saúde, e redução do tempo de esperar entre habilidades, são alguns exemplos de modificações.

Bleeding Edge chega a 24 de março e tem uma grande vantagem a seu favor, que é o facto de estar incluído no Game Pass de Xbox One e PC. Isto praticamente garante um elevado número de jogadores logo a partir do dia de lançamento, e se tudo correr como planeado, a presença constante de participantes permitirá à Ninja Theory apostar com maior afinco na introdução de mapas, personagens, e modos. Além disso, considerando que a Ninja Theory agora pertence à Microsoft, isso abre hipoteticamente um mar de possibilidades em termos de crossovers com outras licenças. Precisamos de mais tempo com o jogo, mas o que vimos até agora deixou-nos confiante de que Bleeding Edge pode chegar para ficar durante bastante tempo.

Bleeding EdgeBleeding Edge
Bleeding EdgeBleeding EdgeBleeding Edge
Bleeding EdgeBleeding EdgeBleeding Edge

Textos relacionados

Bleeding EdgeScore

Bleeding Edge

ANÁLISE. Escrito por Kieran Harris

Aqui está o primeiro exclusivo da Ninja Theory para Xbox One e PC, com entrada direta no Game Pass.



A carregar o conteúdo seguinte