Cookie

O Gamereactor utiliza cookies para assegurar que lhe proporciona a melhor experiência possível no nosso site. Se continuar, vamos presumir que está satisfeito com a nossa política relativa a cookies.

Português
Início
análises
Yoshi's Crafted World

Yoshi's Crafted World

Yoshi estreia-se na Switch com várias ideias novas e uma experiência de plataformas - literalmente - mais profunda.

A assistir

Preview 10s
Next 10s
Publicidade

Se há género que a Nintendo domina por completo, são jogos de plataformas, não só 3D, mas em 2D. Ao longo dos últimos anos, contudo, foi feito um esforço para proporcionar experiências de plataformas distintas com cada personagem. New Super Mario está mais virado para saltos precisos, Donkey Kong Country oferece algo mais pesado e físico, e Kirby está direcionado para os mais novos com um desafio reduzido. Então, em que campo fica Yoshi?

Com o excelente Woolly World de Wii U, a Nintendo mostrou uma experiência com um ritmo mais pausado, direcionada para mecânicas próprias de Yoshi, e um forte incentivo para a exploração e a recolha de itens e segredos. Tudo isso foi agora consolidado com o lançamento de Yoshi's Crafted World, aumentando o impressionante leque de escolhas disponível para fãs do género na Nintendo Switch.

É um jogo que faz jus ao nome, com um mundo que parece ter sido construído por crianças utilizando materiais do mundo real. Ímans, garrafas, palhinhas, rolhas... são apenas exemplos dos materiais que vão encontrar em Yoshi's Crafted World. Também existe uma clara influência de Yoshi's Story, de Nintendo 64, sobretudo na forma como os níveis são apresentados, e como oferecem profundidade ao nível.

Embora funcione de forma lateral, os níveis de Yoshi's Crafted World estão divididos em três planos - um mais próximo do ecrã, um intermédio, e outro mais afastado. Yoshi pode atirar ovos aos inimigos, não só para os que estão no seu plano, mas também para os outros. Esta profundidade dos níveis é algo que faz parte de toda a experiência, e irá obrigar-vos a pensar nos três planos em termos de áreas secretas e caminhos a seguir. O mesmo pode ser dito dos inimigos, que foram desenhados e programados para usarem toda a profundidade do jogo, e não apenas o plano em que se encontram.

Esta profundidade tem no entanto um problema, que é a nossa maior queixa em relação ao jogo. Para atirarem ovos aos inimigos, têm de usar um sistema de mira fixa, que nem sempre funciona bem. É fácil falhar o alvo, ou atirar ao oponente errado, o que pode ser particularmente frustrante nos momentos mais difíceis, quando têm de evitar vários projéteis, ou estão a lutar contra o tempo. Felizmente, são mais as vezes em que funciona do que as vezes em que não funciona, e conseguir arrumar um conjunto de inimigo de seguida pode ser particularmente satisfatório.

A assistir

Preview 10s
Next 10s
Publicidade

Também é necessário avisar para o arranque excessivamente lento do jogo e para o péssimo posicionamento de alguns checkpoints. Se o início da aventura pode oferecer uma ideia errada do que se segue nas horas seguintes, alguns checkpoints obrigam a repetir vários minutos de jogabilidade desnecessariamente. Uma coisa é tornar o jogo desafiante, outra é torná-lo aborrecido e frustrante, e ter de repetir a mesma secção várias vezes entra definitivamente na segunda categoria - sobretudo porque é necessário voltar a apanhar todos os colecionáveis.

Felizmente, Yoshi's Crafted World não é um jogo particularmente difícil, logo, não vão encontrar muitos momentos destes. Como é típico em Yoshi, a base da experiência está na recolha de moedas vermelhas e flores sorridentes, e a verdadeira dificuldade surge de as encontrar as todas. Aliás, se não fossem os tais problemas com os checkpoints que referimos, podíamos dizer que é um jogo excessivamente fácil. Até podem desbloquear fatos novos com capacidades protetoras, que tornam o jogo ainda mais fácil.

Outro reparo a apontar está relacionado com o modo cooperativo, que não funciona tão bem como em Woolly World. Em Crafted World, os jogadores tendem a atropelar-se com maior frequência, o que acaba por provocar o roubo não intencional de ovos, e ainda dificulta mais a pontaria. Também é preciso referir que a versão portátil nos pareceu excessivamente desfocada, ao contrário da versão TV, que felizmente, mostra todo o detalhe excelente do jogo a nível da recriação dos materiais e das animações das personagens.

Yoshi's Crafted World tem uma série de defeitos, mas a maioria são falhas menores que, embora tenham o seu impacto, não são suficientes para estragarem o jogo. Pelo contrário, recomendamos vivamente Yoshi's Crafted World a qualquer fã do género e em particular, de Yoshi. Apesar do início lento, vão encontrar momentos fantásticos de grande design, sobretudo na segunda metade do jogo, com mecânicas e níveis dotados de criatividade e inspiração.

Com mais de 40 níveis, Yoshi's Crafted World vai ocupar-vos durante 15 horas - se tentarem apanhar tudo - e depois disso, podem repetir os níveis em versão inversa e com novos colecionáveis. Esses níveis dividem-se em 16 áreas temáticas e variadas, com alguns bosses fantásticos, e tudo considerando, parece-nos mais do que suficiente para compensar o investimento. Yoshi's Crafted World não nos impressionou como Woolly World na Wii U, e tem os seus defeitos, mas no geral, é uma experiência de plataformas recomendável, que oferece algo diferente de Mario, Donkey Kong, e Kirby.

A assistir

Preview 10s
Next 10s
Publicidade
Yoshi's Crafted WorldYoshi's Crafted World
Yoshi's Crafted WorldYoshi's Crafted WorldYoshi's Crafted World
08 Gamereactor Portugal
8 / 10
+
Boas ideias novas a nível de design e mecânicas. Boa estrutura do mundo. Está recheado de conteúdo e colecionáveis.
-
A mira pode ser frustrante. Co-op não funciona tão bem quanto desejado. Arranque lento. Banda sonora não se destaca.
overall score
Esta é a média do GR para este jogo. Qual é a tua nota? A média é obtida através de todas as pontuações diferentes (repetidas não contam) da rede Gamereactor

Textos relacionados

Yoshi's Crafted WorldScore

Yoshi's Crafted World

ANÁLISE. Escrito por David Caballero

Yoshi estreia-se na Switch com várias ideias novas e uma experiência de plataformas - literalmente - mais profunda.



A carregar o conteúdo seguinte