Português
Gamereactor
análises
Watch Dogs: Legion

Watch Dogs: Legion - Bloodline

Serão Aiden Pearce e Wrench capazes de salvar a crise de identidade de Watch Dogs: Legion?

HQ
HQ

Watch Dogs é uma série com uma gritante crise de identidade. Embora hacking e vigilância abusiva do governo sejam sempre temas presentes, os três jogos da série não podiam ser mais diferentes em tom e abordagem. Primeiro tivemos Aiden Pearce em Chicago, com o seu drama familiar, um jogo bastante sério e sombrio. Depois disso passámos para São Francisco e Marcus Holloway, na nossa opinião o melhor jogo da série, com muitas atividades divertidas e um foco em grande variedade de tarefas. Por fim, Watch Dogs: Legion em Londres, um jogo que dispensou protagonistas a troco de um sistema em que qualquer NPC pode ser a personagem jogável.

Eis que entra em cena Bloodline, uma nova expansão single-player que é focada em Aiden Pearce e em Wrench, uma das personagens principais de Watch Dogs 2. Aiden Pearce viajou até Londre para roubar uma nova tecnologia importante, da companhia Broca Tech, mas a missão dá uma volta inesperada quando é Wrench que rouba a tecnologia. Depois de investigarem um pouco e colocarem as diferenças de lado, a dupla decide trabalhar em conjunto para derrubar Thomas Rempart - imagine uma fusão diabólica de Elon Musk com Jeff Bezos.

Watch Dogs: Legion

Tanto Aiden quanto Wrench preferem uma abordagem mais direta e física do que o operador comum de Legion. Wrench é um hacker extravagante que pode lançar granadas de atordoamento e invocar drones, e também usa munições especiais que fazem hack aos inimigos próximos do alvo. Aiden tem a sua habilidade característica "Blackout", que desliga todos os dispositivos eletrônicos próximos, e é um atirador por excelência. Até existe uma mecânica 'roubada' a Gears of War, que permite que Aiden cause dano extra se recarregar a arma dentro do tempo indicado. Se preferir uma abordagem mais silenciosa, existe o sempre útil Spider Bot, que foi melhorado com a capacidade de voo. Em contrapartida, o Spider Bot já não pode ser usado para derrubar inimigos.

Além desses truques também pode desbloquear novas habilidades e armas completando missões secundárias para várias personagens. Estas missões são bastante variadas e apresentam os seus próprios pequenos arcos de história, que se ligam de uma forma ou outra ao enredo do jogo. Na verdade, as tarefas secundárias são quase tão interessantes quanto a campanha principal... embora isso tenha tanto de elogio ao conteúdo secundário, quanto de crítica à campanha. Como no jogo base, quase todas as missões consistem em infiltrar um prédio, hackear um ou dois terminais e, em seguida, sair da cena. Nenhuma missão é especialmente memorável ou apresenta quaisquer objetivos surpreendentes, além de uma condução ocasional mais emocionantes, ou atividades com drones. Além disso, já terá visitado a maioria destes ambientes no jogo principal.

Watch Dogs: Legion

A história ser tão desinteressante também não ajuda. A premissa em si é decente, pois envolve as experimentações de Skye Larsen (um Dr. Frankenstein moderno), que é o melhor vilão do jogo base. A história também aborda temas como arrependimento e perda e até tenta fazer alguns comentários sobre como o ato de lobo solitário de Aiden entrar em conflito com um mundo cada vez mais interligado, mas é tudo muito enfadonho. As sequências de história não têm vida, a história é previsível, e a maioria das personagens não desperta interesse, nem mesmo os protagonistas.

O DLC pode ser concluído em cerca de cinco horas, mas completar todas as missões secundárias quase dobrará esse tempo. É bastante bom para uma expansão, mas gostaríamos que a qualidade estivesse ao nível da quantidade, e infelizmente não é o caso. Nem sequer existem tarefas extra ou atividades engraçadas para descobrir. Não eram os pontos altos da campanha principal, mas pelo menos ofereciam boa distração para intervalar as missões. Valha o facto de ser possível jogar com os dois heróis para ter uma ideia exata da história. Infelizmente parece que a Ubisoft não sabe o que fazer com Watch Dogs, e esta expansão não veio de todo resolver esse problema.

HQ
Watch Dogs: Legion
05 Gamereactor Portugal
5 / 10
+
Foi bom rever Aiden e Wrench. Explora alguns temas interessantes. Missões secundárias têm qualidade.
-
Estrutura de missões é a mesma que a do jogo base. Acrescenta pouco de substancial. Faltam atividades extra á cidade.
overall score
Esta é a média do GR para este jogo. Qual é a tua nota? A média é obtida através de todas as pontuações diferentes (repetidas não contam) da rede Gamereactor

Textos relacionados

Watch Dogs: LegionScore

Watch Dogs: Legion

ANÁLISE. Escrito por Sebastian Lundin

Lutámos contra o sistema - e contra a condução pela esquerda - numa Londres futurista onde cada cidadão pode ser jogável.



A carregar o conteúdo seguinte


Cookie

O Gamereactor utiliza cookies para assegurar que lhe proporciona a melhor experiência possível no nosso site. Se continuar, vamos presumir que está satisfeito com a nossa política relativa a cookies.