Gamereactor PT. Vejam os últimos trailers e entrevistas a partir das maiores convenções de videojogos de todo o mundo. O Gamereactor utiliza cookies para assegurar que lhe proporciona a melhor experiência possível no nosso site. Se continuar, vamos presumir que está satisfeito com a nossa política relativa a cookies.

Português
Gamereactor
análises
The Legend of Zelda: Tears of the Kingdom

The Legend of Zelda: Tears of the Kingdom

A Nintendo sobe para atender às expectativas cada vez maiores dos fãs de Zelda nesta incrível sequência.

HQ
HQ

Aqui estamos. Mais de seis anos após o lançamento de The Legend of Zelda: Breath of the Wild, e após meses de atrasos, finalmente chegamos ao lançamento de The Legend of Zelda: Tears of the Kingdom. Houve muita pressão neste jogo. Ele está seguindo os passos de uma das experiências sandbox de mundo aberto mais elogiadas de todos os tempos, e não apenas os fãs esperam que a sequência possa igualar a qualidade de seu antecessor, mas também gostariam que ela excedesse essa qualidade.

A única questão que resta é se The Legend of Zelda: Tears of the Kingdom consegue isso. Se você está procurando a resposta curta, então é um sim retumbante. Se você gostaria de entrar na terra de Hyrule mais uma vez sem saber nada, então você pode ficar tranquilo que The Legend of Zelda: Tears of the Kingdom não só combina com a qualidade de Breath of the Wild, mas até mesmo a supera em muitos aspectos.

The Legend of Zelda: Tears of the Kingdom
Publicidade:

Não me senti tão positivamente com o jogo entrando imediatamente. Quando mais uma vez encontrei Link surrado e desprovido de toda a sua força em um local estranho, sendo guiado para santuários por uma misteriosa figura anciã, pensei que estávamos pisando águas familiares um pouco demais. Mesmo com os visuais gloriosos concedidos pelas ilhas do céu, havia preocupações de que a jogabilidade poderia ser muito semelhante ao que tivemos antes. Como minha primeira impressão se mostrou errada, quando aterrissei de volta em Hyrule, e percebi que, embora possamos reconhecer alguns de nossos arredores em Tears of the Kingdom, o jogo se baseia nos sucessos de seu antecessor em vez de apenas confiar neles para nostalgia. Há várias maneiras pelas quais vemos o quanto Tears of the Kingdom melhorou no trabalho de base definido em Breath of the Wild, mas quando você pula de um carro feito de pedra, madeira e algumas rodas gigantes para bater um Bokogoblin com um galho de árvore que tem uma pedra fundida ao final dela, Você começa a perceber o quão criativa e intuitiva é a jogabilidade desta vez.

Na maior parte, ainda dependemos de santuários para atualizações de saúde e resistência. Ainda precisamos visitar os quatro cantos do mapa para lidar com problemas surgidos devido a um grande mal que aparece na terra, mas a maneira como Lágrimas do Reino aborda os desafios que ele nos dá parece muito mais simplificada. Traversal, por exemplo, foi uma das principais mecânicas que notei uma grande mudança logo no início. Devido à habilidade Ascend, você pode disparar através do mapa, o que não remove a escalada como uma necessidade, mas pode tornar a viagem vertical muito mais fácil. Além disso, com rochas caindo do céu de vez em quando, você poderá usar o Recall para enviá-las de volta ao ar com você pendurado, o que permite que você voe de uma grande altura ao redor do mapa. Depois, há os veículos acima mencionados que você pode fazer com as peças certas. Há simplesmente tantas opções em atravessar o mapa que praticamente nenhuma das viagens por ele parecia um slog.

The Legend of Zelda: Tears of the Kingdom

As novas habilidades que você obtém em Tears of the Kingdom parecem uma atualização geral daquelas que você poderia usar em Breath of the Wild. Não só há mais liberdade neles, com o Ultrahand sendo um exemplo-chave aqui, pois permite que você pege, gire e anexe praticamente qualquer objeto que não esteja ligado ao mundo do jogo, mas eles também sentem como se cada um deles tivesse um propósito distinto para ajudá-lo a resolver os quebra-cabeças que você encontrará e o mundo que você terá que atravessar. Os dispositivos Zonai que você encontrará espalhados por aí só amplificam a utilidade dessas habilidades também, pois podem ajudá-lo a voar a grandes alturas, derrotar inimigos sem sequer tocá-los e cavalgar pelas colinas de Hyrule.

Publicidade:
The Legend of Zelda: Tears of the Kingdom

Embora estejamos lidando com um Hyrule familiar, houve algumas mudanças significativas feitas até mesmo nos lugares que conhecemos. A Vila do Rito, por exemplo, está coberta de neve, e as águas do Domínio de Zora foram infectadas com uma lama que vai atrasá-lo e torná-lo presa fácil para os inimigos. Isso significa que até mesmo o jogador mais versado de Breath of the Wild vai encontrar algumas surpresas refrescantes enquanto viaja pelo mundo. Claro, ao lado do mapa principal, você também é capaz de explorar as novas ilhas do céu acima do solo e as grandes profundezas abaixo, com muitas cavernas extras espalhadas por toda parte, também. Além disso, The Legend of Zelda: Tears of the Kingdom mostra um passo à frente em como seu mapa é povoado. Em vez de apenas os poucos resquícios de civilização que vemos após a Calamidade do primeiro jogo, aqui vemos como Hyrule foi reconstruído no tempo desde então. Você encontrará muito mais pessoas em suas viagens desta vez, e elas terão muito mais para contar sobre si mesmas e o mundo ao seu redor. É essa atenção aos detalhes que realmente permite que você saiba que está em algo especial quando está jogando Tears of the Kingdom. Não só há muito do mapa, mas também há muito o que fazer dentro dele. Mas, nem tudo é sobre o que este jogo faz para se separar de seu antecessor. É mais do que apenas um jogo que polia os poucos elementos que faltam de Breath of the Wild, e traz novos elementos que refrescam a experiência completamente. A narrativa, como mencionado, me surpreendeu completamente desta vez.

Eu não esperava muito mais do que algumas cutscenes ligadas ao grande mal e ao passado de alguns personagens. Em Tears of the Kingdom, somos brindados com duas histórias: uma é a que forjamos como Link e outra é a própria história de Zelda, contada através de memórias. Zelda tem muito mais foco em Tears of the Kingdom, e como disse o próprio David Caballero da Gamereactor: "é literalmente a lenda de Zelda desta vez". Zelda é uma personagem muito mais misteriosa em Tears of the Kingdom. À medida que nos vemos separados dela mais uma vez, tendo que persegui-la com base em avistamentos curtos que podem fazer parecer que estamos seguindo um mito.

The Legend of Zelda: Tears of the Kingdom

Provavelmente é melhor evitar falar sobre a história lá para evitar spoilers, mas a narrativa em Tears of the Kingdom fica como mais um exemplo desse jogo pegando o que já era sólido, se não ótimo, e de alguma forma tornando-o ainda melhor. A espinha dorsal que tornou Breath of the Wild tão memorável ainda está lá, mas de muitas maneiras parece que a escala está virada para onze. Os chefes, por exemplo, são muito mais numerosos e vêm em muitos sabores diferentes que mantêm o combate emocionante e as batalhas com as ameaças maiores parecem tão monumentais quanto nunca. É impossível colocar a escala e a realização deste jogo em palavras, e eu mal toquei nos visuais gloriosos e na música encantadora que se combinam para tornar o mundo aberto um espaço tão fascinante. No meu tempo com Tears of the Kingdom, achei incrivelmente difícil largar e me afastar porque sempre há um santuário que precisa ser feito ou uma missão que chama sua atenção ou algo distante que você não consegue perceber, mas quer explorar de qualquer maneira.

Talvez o feito mais impressionante de todos para Tears of the Kingdom esteja em sua performance. Além de alguns momentos nas ilhas do céu, onde tentei olhar para tudo o que o mapa abaixo tinha a oferecer, o jogo correu incrivelmente bem, novamente superando minhas expectativas. Considerando que estamos lidando com hardware que pode ser superado por alguns smartphones hoje em dia, é incrivelmente impressionante que The Legend of Zelda: Tears of the Kingdom não apenas jogue e pareça tão bom quanto ele, mas também consiga rodar sem erros na grande maioria de seu tempo.

The Legend of Zelda: Tears of the Kingdom

Se, como os rumores sugerem, o fim da era Switch está sendo anunciado por The Legend of Zelda: Tears of the Kingdom, então que fim é esse. Tears of the Kingdom não só consegue igualar a qualidade de seu antecessor, mas às vezes pode ficar de cabeça e ombros acima dele. Em seu mundo aberto, narrativa, combate e travessia, The Legend of Zelda: Tears of the Kingdom se mostra um triunfo, um jogo que será lembrado não apenas como uma experiência sandbox fenomenal, mas uma conquista excepcional como um jogo.

10 Gamereactor Portugal
10 / 10
+
Mundo aberto fascinante, história que importa desta vez, travessia incrivelmente suave, visuais de tirar o fôlego
overall score
Esta é a média do GR para este jogo. Qual é a tua nota? A média é obtida através de todas as pontuações diferentes (repetidas não contam) da rede Gamereactor

Textos relacionados



A carregar o conteúdo seguinte