Português
Gamereactor
análises
The Elder Scrolls Online

The Elder Scrolls Online: Tamriel Unlimited - PS4, Xbox One

Depois de muitas horas a explorar a versão de consolas de The Elder Scrolls Online, estamos finalmente impressionado com o MMORPG.

HQ

Se há um elemento que distingue a série The Elder Scrols (Morrowind, Oblivion, Skyrim...), é a imersão dos seus massivos mundos de jogo. É fácil para um jogador, sobretudo adepto do género RPG, perder-se da história principal, vasculhando templos e túmulos, caçando nas florestas ou roubando casas ricas na cidades. É essa liberdade, aliada a uma fantástica representação de fantasia, que distingue a série The Elder Scrolls.

Esse mesmo sentimento absorveu-nos nesta versão de consolas de Tamriel Unlimited. É o tipo de experiência em que partem rumo a um objetivo, apenas para perceberem, três horas depois, que face às aventuras que encontraram pelo caminho, estão mais longe do objetivo principal do que quando começaram. Está sempre algo novo a aparecer, sempre algo que implora para ser investigado ou explorado.

Já explorámos o mundo de TESO durante largas horas, e ainda não nos fartámos. Existe muito que fazer nesta versão de Tamriel, seja matar demónios, construir armaduras ou ajudar uma das pequenas aldeias que encontraram por acaso. Conteúdo e tarefas não faltam. Também existe, como seria de esperar, um arco narrativo central que se estende durante toda a aventura e que envolve as três alianças - Daggerfall Covenant, Aldmeri Dominion e Ebonheart Pack. Cada aliança reúne três fações, e todas pretendem reclamar o trono de uma Tamriel sem líder.

Além de tudo isso, o jogo também tem uma mitologia muito detalhada e profunda, enriquecida por tudo o que foi feito nos jogos anteriores. Podem ignorar essa história, ou podem aprofundá-la enquanto conversam com outras personagens ou exploram os muitos pontos de interesse no mundo. Dito isto, é fácil deixar o conteúdo acumular, de forma a que percam um pouco o fio à meada e fiquem completamente confusos com o que se passa.

HQ

O arco principal ainda não foi explorado totalmente pelo jogo, em parte porque a Bethesda pretende fazer render o peixe, à falta de melhor expressão. A ideia é manter os jogadores interessados durante muito tempo, mas a narrativa começa a tornar-se mais envolvente com o passar das horas. É o tipo de história que demora a arrancar devidamente, mas felizmente existe muito que fazer entretanto.

Podem escolher entre nove raças - Dark Elf, Wood Elf, High Elf, Argonian, Orc, Redguard, Breton, Khajiit e Nord. Cada raça está aliada a uma das três fações, e isso implica que a raça escolhida vai determinar a zona em que começam a aventura. Chegámos a experimentar as três áreas iniciais, e pareceu-nos que a área de Ebonheart Pact era mais interessante que as outras duas. As missões aqui disponíveis apresentam outro tipo de variedade e qualidade.

Apesar da área em que começam a aventura, vão visitar um mundo que vive e respira The Elder Scrolls, com muitas referências e particularidades para os fãs da saga RPG. Nesse sentido, na perspetiva de um jogador que conheça e aprecie a série, TES Online é um êxito tremendo, mas será que se pode dizer o mesmo olhando puramente na perspetiva de um fã do género MMORPG? O facto de partilharmos o mundo de Tamriel com outros jogadores, acrescenta um dinamismo a Elder Scrolls que a série nunca tinha visto. É fantástico interagir com outros jogadores, poder ajudá-los, ou ser salvo por um grupo quando estão à beira da morte. É um sentimento que se transporta bem para o universo de Elder Scrolls, e a comunidade do jogo pareceu-nos muito positiva.

Dito isto, existem alguns pontos negativos no que ao aspeto online diz respeito. Como qualquer MMORPG que se preze, a comunicação acaba por ser um elemento chave da experiência, e se alguns jogos são criticados por não incluírem opção para comunicação por voz, The Elder Scrolls Online tem de ser criticado pelo oposto. Na versão de consolas não terão acesso a comunicação por texto, em vez disso terão de comunicar com outros jogadores através de voz, numa mecânica que funciona por áreas em torno do jogador.

Isto levanta alguns problemas, incluindo a formação de grupos. Em vez de procurarem num dos 'chats' por outros membros da equipa, têm de esperar que o emparelhamento automático funcione, ou terão de se deslocar até à entrada de uma masmorra enquanto esperam encontrar outros jogadores. Considerando o que se vê noutros MMORPG, este é um processo que deve ser simplificado. Dito isto, quando eventualmente conseguirem um grupo vão agradecer o serviço de comunicação por voz, que funciona muito bem nesse contexto. O mesmo se aplica o PvP, já que a capacidade de comunicar com a equipa através de voz é um bónus fantástico. Em conclusão, somos muito a favor da comunicação por voz, mas não em detrimento de mensagens de texto.

Também existe uma zona PvP para quem prefere testar as suas capacidades contra adversários humanos. É uma estrutura interessante, onde devem tentar conquistar bases inimigas e gerir recursos, que eleva o modo a mais do que matança indiscriminada, mas a zona parece-nos demasiado grande. Para o número de jogadores atualmente online, não se justifica um espaço tão amplo que espalhe os participantes.

HQ

Uma das maiores preocupações quando um MMORPG é adaptado do PC para as consolas, passa naturalmente pelos controlos. Uma experiência normalmente desenhada para se jogar com rato e teclado, pode ser complicada de ajustar à realidade do comando, mas a Bethesda fez um bom trabalho com The Elder Scrolls Online. A barra de habilidades é minimalista, mas suficiente, e tudo está atribuído aos botões. Enquanto o gatilho esquerdo protege e o gatilho direito ataca, as habilidades são acionadas com os restantes botões. Quanto ao D-pad, serve para alternar algumas funções, como o conjunto de equipamento.

Também vale a pena referir que, ao contrário do que aconteceu com a versão PC aquando do lançamento, The Elder Scrolls Online nas consolas não exige qualquer tipo de mensalidade. Só têm de pagar o preço base e jogar sem problemas. Em suma, TES: Online é uma boa adição à coleção de Elder Scrolls, e um MMORPG de consolas muito competente. Foi bom verificar que as mudanças feitas ao longo do último ano surtiram efeito, e que o jogo é agora mais imersivo nas consolas do que o foi aquando do lançamento original para PC.

HQ
The Elder Scrolls OnlineThe Elder Scrolls Online
The Elder Scrolls OnlineThe Elder Scrolls OnlineThe Elder Scrolls Online
The Elder Scrolls OnlineThe Elder Scrolls Online
08 Gamereactor Portugal
8 / 10
+
É uma genuína experiência Elder Scrolls. Jogabilidade e controlos ajustados. Muitas opções de exploração e evolução de personagem.
-
Narrativa demora a arrancar. Área para o PvP é demasiado grande. Só permite comunicação por voz.
overall score
Esta é a média do GR para este jogo. Qual é a tua nota? A média é obtida através de todas as pontuações diferentes (repetidas não contam) da rede Gamereactor

Textos relacionados

The Elder Scrolls OnlineScore

The Elder Scrolls Online

ANÁLISE. Escrito por Oskar Nyström

Depois de vários dias intensos com The Elder Scrolls Online, sentimo-nos confortáveis para classificar o primeiro MMO de Elder Scrolls.



A carregar o conteúdo seguinte


Cookie

O Gamereactor utiliza cookies para assegurar que lhe proporciona a melhor experiência possível no nosso site. Se continuar, vamos presumir que está satisfeito com a nossa política relativa a cookies.