Cookie

O Gamereactor utiliza cookies para assegurar que lhe proporciona a melhor experiência possível no nosso site. Se continuar, vamos presumir que está satisfeito com a nossa política relativa a cookies.

Português
Início
especiais

Prémios Esports: de Portugal para o Mundo

João Carvalho falou da origem dos Prémios, dos planos nacionais e internacionais, e do que vem a seguir para a GOAT Pixel.

A primeira edição dos Prémios Esports aconteceu a 2 de março de 2019, uma verdadeira gala que distinguiu várias individualidades ligadas à vertente nacional dos desportos eletrónicos. Melhor Desportista, Melhor Equipa, Melhor Caster, e Melhor Criador de Conteúdo, foram apenas algumas das categorias distinguidas, num evento que foi transmitido no Twitch e no TVI Player, em direto.

Mas quem organizou os prémios? Qual é o seu objetivo? O que se segue no futuro? Estas foram algumas das dúvidas que tentámos esclarecer junto de João Carvalho, CEO da GOAT Pixel, mas antes de passarmos para essa entidade que organizou o evento, convém conhecer a Braver Media Group. Este é um grupo formado por sete unidades, que funciona sobretudo à base de marketing e comunicação, produção de conteúdos, e tecnologia ao nível de sites e aplicações. A unidade que nos interessa, contudo, é a GOAT Pixel, criada de propósito para lidar com a área dos videojogos.

"A materialização da GOAT Pixel só aconteceu nos finais de 2018, mas na verdade começamos a trabalhar com os eSports em 2017. Sabemos que os eSports são apenas uma fatia pequenina do 'gaming', mas era um nicho em que queríamos estar. Começamos por olhar para o mercado internacional, e até investimos numa equipa de eSports conhecida. Podíamos ter ficado no nosso cantinho a explorar o mercado internacional, mas não fazia sentido termos a possibilidade de fazer algo para Portugal."

"No início de 2018 começamos a tentar perceber o que podíamos fazer em Portugal, e o que fazia falta em Portugal. Identificámos uma série de iniciativas, algumas que estão para arrancar, e outras que já aconteceram, e nesse campo, identificámos a validação de qualidade em Portugal a nível dos eSports. A GOAT Pixel nasceu com a preocupação de olhar para o que mercado já tem, e percebermos como o podemos potenciar. A única forma de potenciarmos passa por dar valor ao que já foi feito, e também ao que está a ser feito."

Uma gala com a pompa e circunstância que normalmente não vemos associadas aos eSports.

Acabou por ser essa crença da GOAT Pixel, na qualidade do jogador profissional português, e nas equipas que os gerem, que resultou na criação dos Prémios Esports, como confirmou João Carvalho.

"Os portugueses são um povo que, embora pequeno, é capaz de grandes feitos, e enquanto GOAT Pixel, queremos acreditar que a nível de eSports seremos capazes de fazer o que já fizemos no futebol e noutras áreas. Somos um povo inteligente, com uma educação bastante boa (ainda que nem sempre valorizada), e termos conseguido o que já conseguimos, com os recursos limitados que temos enquanto povo, é de louvar.

Foi assim que nasceram os Prémios Esports. Tentámos olhar para aquilo que os organizadores de torneios e das ligas, os jogadores, os patrocionadores, e todas as pessoas que estão a atuar nos eSports, estão a fazer bem, e o que faz falta para que, não só consigam fazer melhor o seu trabalho, como para que no futuro estejam em melhores condições do que quando entrámos."

Mas para quem é direcionado os Prémios Esports? E como selecionaram o tipo de parceiros a associar? Segundo João Carvalho, é a comunidade que governa os Prémios.

"Os Prémios Esports são da comunidade, para a comunidade, e se conseguirmos melhorar as condições de que trabalha nos eSports, quem no fim vai beneficiar mais com isso, será precisamente a comunidade. Tivemos desde o primeiro dia a intenção de colaborarmos com quem tem experiência a trabalhar com os eSports a nível nacional, e a preocupação de deixar bem claro que os Prémios são completamente idóneos aos organizadores. Foi por isso que pedimos para a comunidade votar, e só não abrimos os prémios por completo ao público porque não queríamos que os Prémios se tornassem num concurso de popularidade. Tinha de ser meritório para quem vencesse, e a forma que encontrámos para atingir esse objetivo foi através de um misto entre a votação de um painel de especialistas e a votação do público."

Os Prémios Esports marcaram o início de uma iniciativa que ainda não tinha acontecido em Portugal, e logo com pompa e circunstância. É um evento criado cá dentro, para quem está cá dentro, mas que não fecha portas ao exterior.

"A primeira preocupação foi ver o que se faz de bom a nível de eSports em Portugal, e depois olhar para o que está a ser feito lá fora e perceber o que pode contribuir para que se torne numa iniciativa de relevo, não só nacional, mas também internacional. Queremos que os parceiros olhem para cá e admirem o trabalho que se faz em Portugal. Ficámos muito satisfeitos por termos conseguido parceiros que nunca tinham trabalhado com eSports, e isso foi conseguido até com algum prejuízo financeiro, porque acreditamos que é um investimento a longo prazo. Sabemos muito bem para onde queremos ir, e como conseguir a rentabilização do próprio evento. Era importante termos certos parceiros, mesmo que isso nos tenha custado dinheiro nesta primeira fase."

Embora muitas empresas se tenham associado aos Prémios Esports, as principais fabricantes de consolas - Sony, Nintendo, e Microsoft -, ficaram ausentes da gala. João Carvalho esclareceu porquê.

"Ainda não estava na altura, mas é um esforço que vamos ter de fazer no futuro. Outro motivo está relacionado com a nossa vontade de sermos um evento idóneo, e ter uma Sony ou uma Nintendo a patrocionar o evento, podia deixar de passar essa imagem. Não queríamos que essas parcerias passassem a ideia de que estávamos de alguma forma condicionados, e por isso decidimos abordar a questão da seguinte forma: ou tínhamos os três associados ao evento de alguma forma, e acredito que será essa a evolução natural do evento, ou não tínhamos nenhum."

"Temos a noção de que, até termos realizado o evento, tudo o que estávamos a vender era um conceito, o conceito para uma gala. A sua materialização podia ter assumido várias formas, com mais ou menos espectáculo, a correr melhor ou pior, e isso permitiu-nos perceber rapidamente de que as marcas queriam ver primeiro algo de concreto, para depois na segunda edição tomarem algumas decisões."

Primeira edição aconteceu a 2 de março, no Cinema São Jorge, em Lisboa.

A gala realizou-se nos cinemas São Jorge, em Lisboa, mas não foi aberta ao público. Foi uma decisão muito consciente, que será para manter no futuro.

"Não vendemos bilhetes para a primeira edição, e vai continuar a ser assim, muito provavelmente. Queremos que quem vá ao evento seja alguém que quis muito ir, e se for o caso, existem formas de o conseguirem, seja por exemplo seguindo os nossos parceiros, participando em passatempos, ou seguindo as nossas redes sociais. Mas acima de tudo, queremos que quem lá está, mereça lá estar, porque é uma celebração dessas pessoas. Claro que podem acompanhar a transmissão em direto do evento, e se este ano não conseguimos criar grande interação com o público, sobretudo porque foi a primeira edição, queremos criar uma transmissão mais dinâmica para o próximo evento."

"E sim, posso confirmar uma segunda edição, porque o feedback que recebemos de que foi ao evento, e de quem o acompanhou em direto, obriga-nos a isso. A ideia geral é de que os Prémios acrescentaram valor aos eSports, e nós também acreditamos nisso."

A segunda edição dos Prémios Esports está assim confirmada, mas... e até lá? Que outros planos tem a GOAT Pixel para o futuro próximo?

"Queremos ser muitos mais que uma gala. Sim, o objetivo é culminar com uma gala, mas esse é apenas uma de várias formas de que podemos acrescentar valor aos eSports em Portugal. Ao longo do ano queremos fazer uma série de iniciativas que, não só envolvam a comunidade, mas também os principais jogadores, torneios, ligas, e essencialmente, o mercado completo de eSports.

"Por exemplo, criámos uma plataforma chamada Badge Maniacs que permite às pessoas ganharem prémios. Já oferecemos uma mota, e para ganharem essa mota, tinham de estar atentos às redes sociais dos prémios e dos parceiros. É uma iniciativa que ainda está em fase beta, e que será melhorada ao longo do ano, com novos conteúdos. Em essência queremos que as pessoas percebam que, ao estarem atentos aos Prémios, aos jogadores, aos streamers, e aos criadores de conteúdo, podem ganhar alguma coisa com isso. Queremos atrair parceiros para esta iniciativa, que contribuam com prémios ou com experiências próprias para o nosso público-alvo. Os Badge Maniacs são apenas uma de várias iniciativas que temos planeadas."

"Quanto a participar numa Comic Con ou num Lisboa Games Week, é uma possibilidade que tem de ser estudada. É importante que os Prémios Esports Portugal continuem a ser idóneos. Se formos a estes eventos, queremos que seja de forma a que fique claro que isso não lhes oferece qualquer tipo de vantagem, até porque, enquanto organização, não temos poder sobre quem é nomeado, ou quem ganha. Limitamos-nos a definir as regras, em conjunto com o painel de profissionais, e depois organizamos o evento, nada mais."

Alguns clubes de futebol portugueses, como o Sporting, o Estoril, e o Boavista, já criaram as suas próprias modalidades eSports, e segundo João Carvalho, é inevitável que os outros clubes sigam o exemplo. "Se não o fizerem, arriscam-se a ficar para trás," referiu.

A TVI mostrou o seu apoio ao evento, e a RTP tem já um programa dedicado a eSports, o que implica que a televisão portuguesa está mais atenta ao evento. Segundo João Carvalho, esse apoio tem tudo para crescer a curto ou médio prazo.

"Penso que num ano e meio já teremos jogos portugueses transmitidos na televisão, talvez até mais cedo. Tivemos a oportunidade de conversar com vários indivíduos das televisões nacionais, e percebemos que existe claramente uma vontade dos canais em entrarem ainda mais nos eSports."

Antes de terminar, João Carvalho deixou claro que a GOAT Pixel tem a perfeita noção que os eSports são apenas uma fatia do 'gaming', e que tem planos para fazerem algo também fora dos eSports. Estamos curiosos para ver o que vem a seguir, antes da realização da segunda gala. Se também têm essa curiosidade, podem acompanhar os Prémios Esports através do site oficial, Facebook, Twitter, Youtube, Instagram, ou Twitch.

João Carvalho, à esquerda nas duas fotos.