Português
Gamereactor
análises
Persona 3 Reload

Persona 3 Reload

Anders lutou pelo Tártaro e está pronto com um veredicto sobre este último remake de Persona.

HQ
HQ

A série Persona existe desde os anos 90, mas é uma das franquias de jogos mais bizarras que estranhamente agrada muitos jogadores. A série japonesa realmente estourou no Ocidente com Persona 5, onde conhecemos a combinação da série de vida no ensino médio e dungeon crawling sobrenatural. Os heróis do jogo, The Phantom Thieves of Hearts, roubaram o carinho de muitos. No entanto, depois de completar as 100+ horas de Persona 5, é natural olhar para os capítulos anteriores da série.

Até esta versão recarregada de Persona 3, você enfrentou um desafio. Persona 3, que remonta a 2006, foi onde a Atlus estabeleceu a fórmula Persona atual, mas nas plataformas modernas o jogo só está disponível na chamada forma "portátil", que vem do PSP. Dessa forma, o jogo original de PS2 foi transformado em um design 2D, em uma espécie de visual novel. Com Persona 3 Reload, temos um remake que foi recriado do zero na Unreal Engine e finalmente se sente ótimo em plataformas modernas. Mas a grande questão é: Persona 3 vai aguentar até hoje?

Vamos esclarecer uma coisa: sou um grande fã de Persona 5 Royal, que comeu os primeiros 4 meses do meu 2023 devido à sua incrível duração. Mas eu não joguei Persona 3 até agora. Portanto, esta revisão é uma expressão da minha experiência com ele como um "novo" jogo, e principalmente não uma comparação com qualquer uma das versões anteriores.

Publicidade:
Persona 3 Reload
Persona 3 Reload

Persona 3 Reload (doravante P3R) começa brilhantemente, jogando-o em um mistério ao chegar na ilha onde sua nova escola de ensino médio está localizada. Você desce do trem e imediatamente há uma atmosfera realmente estranha. Há caixões espalhados, vermelhos brilhantes, e as estações de trem estão agora desertas. Você navega até o seu dormitório e é recebido por um garotinho sinistro que diz todos os tipos de coisas enigmáticas sobre perigo e potencial.

Acontece que, em sua primeira noite, você entrou direto na chamada Hora das Trevas, uma hora extra todas as noites quando criaturas sombrias emergem de uma torre gigante no centro da ilha para sequestrar pessoas. Apenas alguns indivíduos podem estar acordados durante esta hora, incluindo você e os outros em seu dormitório. O dormitório é, na verdade, uma espécie de força-tarefa chamada SEES (Specialized Extracurricular Execution Squad), que entra na torre chamada Tártaro e luta contra as sombras e tenta acabar com a Hora das Trevas. Eles fazem isso usando Personas, que são espíritos ou aspectos de si mesmo que têm habilidades especiais. Você pode ter várias personas que você pega no Tártaro, e estas podem ser combinadas em personas ainda mais poderosas.

Publicidade:

Como você sabe pela série, o tempo está constantemente progredindo, então você precisa pensar em como usá-lo. Você deve conversar com os moradores locais e desenvolver seu vínculo com eles (isso lhe dará vantagens ao criar novas personas mais tarde)? Ou você deve se envolver em atividades que o tornem mais acadêmico, charmoso ou corajoso? Estas últimas são três habilidades-chave que determinam o que você tem acesso no jogo. Ao mesmo tempo, as atividades seguem o Tártaro. Tártaro, e assim a trama central, segue as fases da lua, de modo que grandes sombras "chefes" se movem para fora do Tártaro para causar estragos quando a lua está cheia. Assim, hora e data são centrais para o jogo.

Tudo isso é uma configuração bastante empolgante e, à medida que a história progride, funciona muito bem. A atmosfera às vezes gótica e um pouco mais sombria do jogo também é de louvar. No entanto, há algumas coisas importantes pelas quais é justo criticar o jogo. Uma delas é simplesmente que o jogo leva um tempo insanamente longo para começar. Não há muita história real nas primeiras 20 horas. Você passa a maior parte do seu tempo conhecendo pessoas e, ao contrário de Persona 5, onde você rapidamente tem algumas conversas interessantes com outras pessoas, os "links sociais" do Persona 3, ou seja, as histórias paralelas de pessoas ao redor da cidade, são apenas bastante chatos no início. Isso faz com que o jogo pareça bastante lento nas primeiras horas após o excelente início.

Isso é agravado ainda mais pelo fato de que Tartarus é o único lugar onde há alguma jogabilidade real. Se você não está no Tártaro, você está fazendo as coisas acima, onde você está apenas assistindo cenas se desenrolam sem que você como jogador faça muito. Por exemplo, se você for um guarda no café local, você simplesmente assistirá às mesmas versões 2-3 da cena se desenrolarem. O Tártaro é dividido em mais de 200 andares, o que significa que, uma vez que você tenha concluído um andar, não é tão emocionante passar por ele novamente. Ao contrário de Persona 5, onde você tinha um motivo para retornar aos chamados castelos, não faz muito sentido "triturar" o Tártaro. Eu ainda não fiquei preso e, como o jogo simplesmente coloca um bloqueio em sua progressão até a próxima lua cheia, não há razão para voltar, já que você já completou o chão. O problema é que eu normalmente consegui completar a torre até o bloco de parada em uma única noite, e isso deixa um mês inteiro onde é apenas conversa chata e os mesmos guardas no mesmo café. É uma pena.

Persona 3 Reload
Persona 3 Reload

No entanto, as coisas ficam muito mais emocionantes quando passamos das primeiras 20 horas. Há missões de resgate repentinas no Tártaro, a torre muda de muitas maneiras, novas portas se abrem e você enfrenta desafios maiores. Você também vai em um pequeno feriado com seus amigos, onde a trama é empurrada mais para frente. Em suma, a fórmula é um pouco abalada e o jogo começa a ficar mais dinâmico. A história evolui, novos rostos aparecem e você fica mais investido. Isso é muito positivo, porque o jogo realmente deixa de ser borderline chato para ser bem legal. Se você já jogou a série antes, não deve ser novidade que a série leva seu tempo, então paciência também faz parte do design.

A galeria de personagens é exclusiva de Persona 3 e consiste em uma equipe muito charmosa em seu dormitório, bem como uma equipe solta de personagens extras. Os personagens do dormitório são aqueles em que você se torna investido, e os que você vê crescer. Para mim, Mitsuru Kirijo, que é a "mãe misteriosa" da equipe, se destaca, junto com Akihiko Sanada, que é uma espécie de irmão mais velho da equipe. Seu colega Junpei também é muito engraçado e tem um desenvolvimento fantástico ao longo do jogo.

Se nos aprofundarmos um pouco mais no sistema de combate, é muito como o conhecemos de Persona 5. Combate rápido e delicioso baseado em turnos que, na verdade, é tão fluido que quase não parece baseado em turnos. Trata-se de executar uma espécie de "pedra, papel, tesoura" com fraquezas inimigas. Por exemplo, se o inimigo tem habilidades de fogo, eles podem ser resistentes ao fogo, mas podem ser fracos ao gelo. Depois de derrubar todos os inimigos, você pode executar um ataque total, assim como em Persona 5. Toda a sua equipe também tem habilidades finais especiais que eles podem usar. Essas habilidades são recarregadas quando realizam determinadas ações. Por exemplo, sua curandeira/arqueira Yukari Takeba pode causar danos enormes ao vento que ignoram a resistência aos ataques do vento depois que ela se cura. Em termos de combate, Persona 3 parece tão moderno e elegante quanto você poderia esperar. Eu só queria mais disso espalhado ao longo dos meses do jogo.

Passando para a trilha sonora, também estamos em território familiar de Persona. É uma trilha sonora banger que tem seu próprio gênero misterioso, desta vez lançando um pouco de rap que parece fora dos anos 0 ao lado da música funky e otimista. O que quer que seja que eles fizeram, funciona, mas é um coquetel especial.

Eu brinquei com vozes em inglês, pois elas geralmente são de alta qualidade na série Persona. Aqui, Persona 3 Reload não decepciona de forma alguma, com excelentes vozes em toda a linha. Zeno Robinson como Junpei Iori em particular tem uma entrega fantástica e divertida. Ao contrário do original, todas as cenas com links sociais são dubladas por toda parte, o que realmente acrescenta à experiência.

Persona 3 Reload
Persona 3 Reload

Em suma, devo dizer que Persona 3 Reload é um trabalho técnico realmente impressionante. Não há nada aqui que pareça ultrapassado tecnicamente ou se você pegar a experiência de jogo individual e examiná-la. No entanto, são as decisões gerais de ritmo que o Reload herda do original que simplesmente não podem ser ignoradas. Há muitos elementos de ritmo que simplesmente não fazem sentido, onde você fica com meses em que não experimenta muita jogabilidade real e, de repente, todo o combate é condensado em dois dias. Há grandes partes aqui que a Atlus deveria ter considerado e pensado agora que o jogo foi atualizado. Claro, eu não sei se eles realmente olharam para isso e simplesmente não fizeram o suficiente, mas se você olhar para os debates sobre o original e a edição FES do original. Mas olhando para os debates sobre o original e a edição de 2007 da FES, geralmente tenho os mesmos pensamentos sobre Reload.

Apesar do ritmo estranho, tenho que dizer que Persona 3 tem seu próprio charme e é 100% um jogo recomendável. É um excelente lugar para começar com a série, talvez porque o início lento lhe dê muitas oportunidades de conhecer tudo antes de seguir em frente na série. Mas se você está vindo de Persona 5, você terá que estar preparado para Reload para levar seu tempo começando. Caso contrário, estamos lidando com um remake sublime que faz um jogo de 18 anos parecer novo.

HQ
Persona 3 Reload
Persona 3 Reload
Persona 3 Reload
08 Gamereactor Portugal
8 / 10
+
Remake tecnicamente excelente, excelentes batalhas, ótimos personagens e vozes, trilha sonora legal e bizarra.
-
Ritmo estranho, muito tempo perdido no início, Tártaro/Hora das Trevas não utilizado o suficiente.
overall score
Esta é a média do GR para este jogo. Qual é a tua nota? A média é obtida através de todas as pontuações diferentes (repetidas não contam) da rede Gamereactor

Textos relacionados

0
Persona 3 Reload Score

Persona 3 Reload

ANÁLISE. Escrito por Anders Fischer

Anders lutou pelo Tártaro e está pronto com um veredicto sobre este último remake de Persona.



A carregar o conteúdo seguinte