Português
Gamereactor
análises
Outcast: A New Beginning

Outcast: A New Beginning

A aventura retorna nesta sequência notável que é mais do que apenas um revival do grande jogo cult do final dos anos 90. Este retorno a Adelpha é uma carta de amor que complementa o original e o expande em todos os níveis.

HQ

Outcast, o pioneiro dos jogos tridimensionais de mundo aberto como os conhecemos hoje, retorna nos dias atuais na forma de uma sequência: uma viagem de volta ao Planeta Adelpha que, apesar da aclamação crítica do original, nunca pareceu provável que se materializasse.

Nunca escondi meu amor inquestionável pelo título de 1999, um jogo que me cativou lá atrás e, com sua abordagem cinematográfica, me abriu as portas para o mundo dos videogames de vez, colocando-o no mesmo patamar de outra das minhas grandes paixões: a sétima arte.
Depois de escrever minhas impressões sobre a demo, durante os últimos dias tive a oportunidade de jogar, antecipadamente, a versão completa de Outcast: A New Beginning para PS5, terminando completamente a história, completando todas as missões secundárias e parte das tarefas menos marcantes do mundo aberto em cerca de 30 horas. Você provavelmente pode imaginar a mistura de emoção e apreensão que senti quando lancei o jogo pela primeira vez para viajar para Adelpha e descobrir como uma história que começou há um quarto de século continua.

Outcast: A New Beginning

No final de Outcast, Cutter Slade se despediu de Adelpha para retornar à Terra, embora nunca tenhamos testemunhado sua chegada ao planeta ou sabido o que havia acontecido lá durante sua ausência. No início de Outcast: A New Beginning, Cutter Slade é ressuscitado pelos poderosos Yods, divindades de Adelpha, para salvar seus habitantes, os Talan, de uma força invasora altamente tecnológica: a WFA. Um amnésico Slade descobre que mais uma vez o destino de Adelpha está ligado ao da Terra e, à medida que a história avança, ele começa a se lembrar... fornecendo aos jogadores informações vitais até então desconhecidas sobre seu passado. É uma estratégia narrativa que, embora seja totalmente respeitosa com o jogo original, nos permite reescrever e expandir o que pensávamos que sabíamos, ao mesmo tempo em que introduz gentilmente novos jogadores (não familiarizados, talvez, com o Outcast original) ao imenso lore da saga.

Publicidade:

Assim, encontramos referências diretas a vários personagens importantes do original, como Zokrim (líder do Dolotai Guardians ), seu filho Jan ou Kroax (general das tropas de Fae Rhan) enquanto outros, que não vou mencionar para evitar spoilers, retornam diretamente de corpo e alma para esta sequência. Assim, as conexões com o título anterior (e, claro, seu remake Outcast: Second Contact ) estão bem presentes ao longo do jogo, como é de se esperar em uma verdadeira sequência, mas não são alienantes para novos jogadores. O humor também é felizmente consistente com o jogo anterior, muito anos 80 e 90, com múltiplas referências a filmes (Back to the Future, Braveheart, Jaws...) que conseguiram trazer um sorriso ao meu rosto a cada esquina.

Outcast: A New BeginningOutcast: A New Beginning
Outcast: A New BeginningOutcast: A New Beginning

Considerando as tendências atuais na imprensa de videogames, muitos provavelmente rotularão Outcast: A New Beginning como um título AA, sendo criado por um estúdio relativamente pequeno, Appeal. Apesar disso, este é um título de grande escala com um talento artístico inegável, que chama a sua atenção e o seu ouvido como poucos.

Publicidade:

A trilha sonora original de Lennie Moore mostra uma enorme quantidade de novas composições, ao mesmo tempo em que traz de volta outras do jogo original, comandando o mesmo nível de atenção de 1999 e estabelecendo-o, na minha opinião, como uma das principais figuras da indústria. Há um tema para cada momento e circunstância, acompanhando e elevando perfeitamente a narrativa e o visual do jogo.

Destaque também para o trabalho da equipe de design de arte: Adelpha, o verdadeiro protagonista do jogo com a permissão de Cutter Slade, continua sendo um lugar de tirar o fôlego, uma ecosfera com ecossistemas, ambientes, fauna e flora organicamente associados a territórios distintos. Isso se traduz em uma paleta visual que oscila de uma vibração cromática impressionante, inspirada em parte no cinema e nos quadrinhos dos anos 80 e 90, para as cores suaves de um dia nublado e chuvoso. O hemisfério sul de Adelpha é lindo e cheio de cantos que parecem ser tirados de um cartão postal. Durante o jogo, eu me surpreendi fazendo capturas de tela a cada poucos minutos, acumulando cerca de 400 até o final da minha jornada.

Outcast: A New BeginningOutcast: A New Beginning

O esforço colocado na construção do mundo é notável e bastante notável para um pequeno estúdio. Como o jogo original, Outcast: A New Beginning apresenta missões não lineares, mas as leva um passo adiante, com um registro de missões útil que nos mostra, gráfica e esquematicamente, como elas estão relacionadas entre si, quais objetivos precisamos completar, onde e em que ponto do processo estamos, tudo para que nunca nos sintamos perdidos. As missões principal e secundária estão intimamente interligadas neste título, de modo que a maioria das missões secundárias são essenciais para avançar na história. A maior conquista deste design é que a narrativa é tecida de uma forma orgânica que parece muito natural.

Os principais centros em torno dos quais essas missões se situam são as aldeias (Emea, Bidaa, Sappa, Palana, Prokriana, Desan e Kizaar), o que faz todo o sentido, pois devemos ajudar seus habitantes, que estão sob o jugo opressor da força invasora. Essas aldeias são conectadas por daokas (portais semelhantes a Stargate), mas, ao contrário do jogo original, aqui podemos percorrer a vasta distância entre elas a pé ou de planar, descobrindo muitos elementos interessantes ao longo do caminho.

Outcast: A New BeginningOutcast: A New Beginning

O nível de atenção dado ao lore é avassalador e certamente um dos aspectos que se destacou para mim em comparação com jogos AAA famosos semelhantes com orçamentos mais altos (também sou um fã confesso de muitos deles) que, no entanto, não se destacam nesta área ao nível de Outcast: A New Beginning. Um exemplo disso é a linguagem Talan, Agazork, que mostra uma profundidade e atenção aos detalhes condizentes com um blockbuster de Hollywood.

O hemisfério sul de Adelpha é um mundo enorme que parece vivo, cheio de cantos e recantos interessantes, sem espaços vazios e um terreno que se traduz em verticalidade e incentiva a exploração. Em meu playthrough, eu queria continuamente verificar o que estava por trás daquela colina e do outro lado daquele corpo de água, obtendo aquela sensação gratificante de descoberta que eu amo em meus jogos favoritos de mundo aberto.

É justamente o tamanho do mundo que me leva a discutir outra mecânica de jogabilidade marcante que já mencionei em minhas impressões da demo: a forma como percorremos os ambientes usando o jetpack do protagonista, transformando um processo que poderia ser tedioso em um recurso divertido quando dominamos seu funcionamento e, principalmente, depois de termos desbloqueado todo o seu potencial por meio das 14 atualizações disponíveis.

Outcast: A New BeginningOutcast: A New Beginning

O combate é dinâmico e inclui o desbloqueio de 18 habilidades. Além de um escudo de energia que também pode ser usado para ataque, existem duas armas que podem ser personalizadas ao nosso gosto com 32 módulos diferentes espalhados pelo mundo do jogo. No revólver podemos combinar 4 módulos e no rifle, 6; Desta forma, a sensação proporcionada pelas armas é totalmente diferente dependendo das escolhas de design que fazemos. Esta é definitivamente uma grande melhoria em relação ao sistema de armas do original Outcast.

Além disso, poderemos desbloquear 8 habilidades especiais muito poderosas à medida que progredimos na história principal. Uma delas leva o jogo a uma nova escala e, embora possa ser extrapolada das imagens mostradas por THQ Nordic até agora, não vou falar sobre isso aqui para evitar spoilers.
Outcast: A New Beginning usa o motor gráfico Unreal Engine 4 comprovado pela indústria e altamente competitivo. À nossa disposição encontramos dois modos gráficos: qualidade (de acordo com informações fornecidas pelo estúdio, bloqueado a 30 fps) e desempenho (com taxa de quadros desbloqueada), como de costume nos títulos atuais. É importante diferenciar o aspecto artístico, do qual já falei, do aspecto gráfico: estou me referindo aqui a algo puramente tecnológico e, como já indiquei em minhas impressões da demo, os gráficos de Outcast: A New Beginning não impactam no mesmo nível dos originais, que eram revolucionários na época.

Outcast: A New BeginningOutcast: A New Beginning

Ao longo da minha aventura em Adelpha encontrei vários bugs, muitos deles relativamente menores (problemas de recorte isolados com alguns inimigos e cenários, bem como elementos interativos flutuantes que deveriam estar no nível do solo); Também sofri alguns problemas de desempenho muito pontuais, onde a taxa de quadros caiu para níveis que impediam uma jogabilidade adequada. Isso costumava acontecer após sessões de jogo muito longas e reiniciar o console geralmente resolvia ou minimizava o problema. Quatro dias atrás recebi um patch de atualização que melhorou consideravelmente o desempenho e espera-se que nos próximos dias o jogo seja atualizado novamente. Em nenhum momento eu experimentei algum bug que me impedisse de terminar uma missão ou me expulsasse do jogo.

Com uma história interessante, bem contada e respeitosa do original, embora com uma reta final apressada e algumas pontas soltas que nos fazem pensar em uma possível expansão ou sequência, Outcast: A New Beginning é um rara avis, um jogo especial feito com amor por um pequeno estúdio que reverencia a obra original e é um sucessor digno que às vezes surpreende pela escala de suas aspirações. É um prazer ter voltado para Adelpha.

Outcast: A New BeginningOutcast: A New Beginning
09 Gamereactor Portugal
9 / 10
+
Um mundo lindo e uma grande história. Excelente trilha sonora. Narrativa complexa, mas fácil de acompanhar.
-
O final não é tão arredondado quanto o resto da aventura. Alguma aspereza técnica.
overall score
Esta é a média do GR para este jogo. Qual é a tua nota? A média é obtida através de todas as pontuações diferentes (repetidas não contam) da rede Gamereactor

Textos relacionados

0
Outcast: A New Beginning Score

Outcast: A New Beginning

ANÁLISE. Escrito por Gabriel Meizoso

A aventura retorna nesta sequência notável que é mais do que apenas um revival do grande jogo cult do final dos anos 90. Este retorno a Adelpha é uma carta de amor que complementa o original e o expande em todos os níveis.



A carregar o conteúdo seguinte