Português
Gamereactor
análises
High on Life

High on Life

Um videogame genuinamente engraçado, que infelizmente não é divertido de jogar.

HQ
HQ

Parecia muito divertido, quando um jogo de ficção científica com ação em primeira pessoa projetado por Justin Roiland, um dos criadores do já cultuado Rick and Morty, foi anunciado inicialmente. O que vimos de antemão sugeriu um jogo colorido e bastante único com uma arma falante, e eu realmente estava realmente ansioso para afundar meus dentes na aventura. Algo que finalmente tive a chance de fazer há alguns dias.

High on Life
Os gráficos e a apresentação são, em sua maior parte, muito charmosos.

Para resumir a revisão, tenho boas e más notícias, e começarei com a primeira. O fato é que Roiland conseguiu fazer algo que poucos outros fazem, que é criar um jogo genuinamente engraçado. Por alguma razão, a combinação de jogos e humor raramente funciona bem, mas qualquer um que goste do outro trabalho de Roiland sem dúvida apreciará este também. Na prática, isso significa um humor bastante inteligente e perspicaz combinado com muitos elementos menos politicamente corretos e algum romance infundido com drogas (o título também sugere isso). Definitivamente não para todos, mas como eu disse, se você gosta de Rick and Morty, você vai achar isso agradável também. Se você não fizer isso, você também não vai gostar disso. Isso facilmente fica um pouco cara duro, mas bem escrito inegavelmente é, e não há nada como isso no mundo dos jogos.

Publicidade:

Na abertura do jogo, alienígenas atacam nosso amado planeta, após o que nosso protagonista e sua irmã são transportados para o espaço por um pequeno milagre para uma cidade localizada em algum lugar em um canto distante do universo. As armas falantes desempenham um papel fundamental e atuam em grande parte como um narrador fofo ao longo da aventura, onde assumimos o papel de caçadores de recompensas e embarcamos em uma jornada para tentar voltar à Terra, tornando-se o mais poderoso possível com muitas novas habilidades ao longo do caminho. Tudo isso enquanto coisas bizarras acontecem ao nosso redor.

High on LifeHigh on Life
O sistema de atualização é legal, mas bastante inútil.

Um fator que contribui para o humor é que o design é absolutamente de primeira classe. Os mundos são agradáveis de explorar, variados e se sentem muito bem pensados. As animações também são ótimas, e várias vezes ao longo do caminho eu apenas fiquei de pé e olhei ao redor. Isso faz com que seja uma alegria progredir e sempre há novos comentários amargos de nossas armas ágeis a serem feitos sobre o que está acontecendo na tela, muitas vezes coisas que quebram a chamada quarta parede.

Mas depois há as más notícias. E diz respeito à jogabilidade em si. Porque High on Life não é um bom jogo. Na verdade, se não tivesse sido tão colorido e bem projetado, eu até o teria chamado de um jogo ruim. Os problemas são muitos, mas o pior é que os controles do jogo são realmente medíocres. É como se eu tivesse xarope na minha mira e nunca sentisse que tenho controle total sobre o que está acontecendo. Eu não exijo que tudo pareça Halo Infinite com precisão milimétrica, mas em High on Life muitas vezes é tão ruim que eu quero parar de jogar. Também é irritante que o design de nível não seja muito bom e seja difícil saber para onde ir em seguida, e não é ajudado pelo fato de que a função de ajuda que está disponível, geralmente apenas confunde você.

Publicidade:
High on LifeHigh on Life
As lutas contra chefes estão no centro do jogo. É uma pena que sejam todos terríveis.

Isso é pior em batalhas em espaços confinados, como lutas contra chefes. Na primeira batalha, eu já estou jogando o controle na parede com raiva, não porque seja particularmente desafiador, mas porque se espera que eu balance com uma função de gancho de pato sem que o controle do jogo realmente permita isso. Isso significa que eu nunca realmente tenho o controle do que estou fazendo, e quando eu consigo fazer alguma coisa, é tanta sorte quanto habilidade.

Infelizmente, as várias armas disponíveis também não são muito divertidas de usar, e os inimigos que se espera que eu lute são todos da variedade estúpida de esponja de bala. Claro, eles são bem projetados e divertidos de se olhar, mas não há nenhum desafio, nenhum comportamento distinto que os faça se destacar um do outro, e principalmente eles apenas atiram descontroladamente em mim, enquanto se espera que eu faça o mesmo em troca. Os desenvolvedores tentaram apimentar o prato com sistemas de combos e afins, mas tudo cai bastante por terra, infelizmente, como resultado dos controles do jogo serem tão pobres que não é divertido tentar mergulhar no sistema de jogo.

High on LifeHigh on Life
O mundo central e os personagens que você encontrará são facilmente os destaques do jogo.

Além disso, a apresentação de primeira linha certamente não é acompanhada por uma trilha sonora de primeira linha. Muito pelo contrário. Várias vezes enquanto jogava High on Life, peguei o controle remoto para diminuir o volume. A música é simplesmente irritante e monótona, contribuindo para aquela vontade de desligar tudo o que sinto tantas vezes durante esta aventura.

Embora a apresentação e o humor sejam consistentemente bons (novamente, desde que você goste da marca de humor de Roiland, caso contrário, você realmente odiará isso), a jogabilidade é tão fraca que não ajuda que haja um sistema bastante decente para atualização, um mundo de hub agradável e muitos segredos para percorrer. Entreter quem está segurando o controle é sempre a qualidade mais importante que um jogo tem, independentemente do gênero, e enquanto High on Life me faz rir um pouco de vez em quando, na maioria das vezes eu não senti nada além de frustração e tédio, infelizmente.

04 Gamereactor Portugal
4 / 10
+
Humor típico de Roiland. Bela apresentação
-
Controles de jogo pobres. Trilha sonora Lousy. Lutas horríveis contra chefes. Jogabilidade frustrante. Principalmente chato.
overall score
Esta é a média do GR para este jogo. Qual é a tua nota? A média é obtida através de todas as pontuações diferentes (repetidas não contam) da rede Gamereactor

Textos relacionados

0
High on LifeScore

High on Life

ANÁLISE. Escrito por Jonas Mäki

Um videogame genuinamente engraçado, que infelizmente não é divertido de jogar.



A carregar o conteúdo seguinte