Português
Gamereactor
análises
Harvest Moon: One World

Harvest Moon: One World

Algumas boas ideias não são suficientes para salvar esta 'colheita'.

Que melhor forma de celebrar os 25 anos de Harvest Moon, do que com o lançamento de um novo jogo? Bem, com um jogo melhor, possivelmente. O engraçado "simulador" de agricultura estreou-se em 1996, na Super Nintendo, e a sua inflUência na indústria de videojogos é inegável, inspirado títulos como Stardew Valley e Animal Crossing, entre muitos outros. Embora influente como série, Harvest Moon: One World em particular é também agora inspirado pelos congéneres, embora apresente algumas ideias originais.

A estrutura de One World divide-se em duas componentes: interação com os outros habitantes da aldeia, e manutenção da quinta, embora esses dois elementos se cruzem com frequência. Terá de produzir e cultivar certos produtos para ajudar os habitantes com os seus problemas, mas nunca com pressão de tempo. Apreciámos isso em Harvest Moon.: One World, o facto de permitir que o jogador aprecie a história e a o jogo ao seu próprio ritmo.

Parte do encanto de Harvest Moon: One World surge da sua simplicidade de processos e de controlos. Desde plantar sementes e regar, a acrescentar fertilizante, tudo tem uma execução simplificada, e isso estende-se a outras ações como minar recursos e derrubar árvores. Um exemplo disso é o facto de não ser necessário estar a percorrer menus à procura da ferramenta certa, já que é tudo apresentado automaticamente ao jogador.

Ao contrário do que acontece noutros jogos do género, não irá obter as suas sementes através de lojas, mas antes com exploração. Terá de encontrar as Harvest Wisps espalhadas pelo mapa, que oferecem uma semente por dia. Não ficámos totalmente satisfeitos com este sistema, já que embora seja engraçado encontrar as Wisps, torna-se inconveniente que não seja possível comprar tudo no mesmo sitio. Não ajuda que o mapa seja tão despido de vida ou entusiasmo, tornando todo o processo numa tarefa aborrecida.

Um elemento engraçado da agricultura de Harvest Moon: One World é que o resultado do que cultiva é alterado dependendo do ambiente e da estação em que crescem. Ao todo existem cinco aldeias diferentes, cada uma com a sua própria bioma e condições. Ora, como tirar proveito disto? Através de um novo sistema que permite transportar a quinta entre aldeias. Desta forma pode alterar as propriedades dos produtos e das frutas, o que acrescenta um fator extra de planeamento à experiência de jogo. Gostámos particularmente de experimentar combinações e verificar o que podíamos criar nas várias biomas.

Harvest Moon: One World

Apreciámos essa liberdade em termos de tempo, mas odiámos outras restrições impostas por escolhas de design. O inventário, por exemplo, é terrível, já que não é possível eliminar itens do inventário ou até trocá-los por outros que estejam no chão. Isto força a uma gestão aborrecida e desnecessária do inventário, mas existem escolhas de design frustrantes, como a barra de energia que se esgota a andar ao mesmo ritmo que cortar uma árvore. Percebemos que em parte isso é assim para motivar o jogador a utilizar consumíveis, mas não nos parece um sistema tão equilibrado como deveria ser, e acaba por arruinar a exploração do mapa.

Visualmente é também desapontante, com uma qualidade gráfica abaixo da média, e até alguma falta de polimento. Simplesmente 'prender' a personagem na animação que estava quando se inicia um diálogo, é algo preguiçoso, e resulta algumas situações estranhas, como ver a nossa personagem parada numa animação de corrida enquanto conversa com alguém. Harvest Moon: One World apresenta-se também algo despedido de vida e inspiração, sobretudo em termos das casas dos habitantes (algumas estão mesmo vazias).

Harvest Moon: One World tem algumas ideias interessantes, como a mutação de produtos dependendo das biomas, as quintas portáteis, e o maior foco em exploração, mas a execução do jogo em geral deixa algo a desejar. Ocasionalmente é divertido, mas pode ser desnecessariamente frustrante, e peca em termos de grafismo e apresentação geral do jogo. Se é fã do género e procura algo novo, talvez mereça uma oportunidade - sobretudo se a Natsume decidir resolver alguns dos problemas do jogo. Caso contrário, existem opções muito superiores no mercado para experimentar.

Harvest Moon: One WorldHarvest Moon: One World
Harvest Moon: One World
05 Gamereactor Portugal
5 / 10
+
Sistema de agricultura muito simples. Maior foco em exploração com quintas portáteis. Permite que os jogadores terminem tarefas ao seu ritmo.
-
Visualmente podia estar mais polido. Tem uma série de decisões de design frustrantes.
overall score
Esta é a média do GR para este jogo. Qual é a tua nota? A média é obtida através de todas as pontuações diferentes (repetidas não contam) da rede Gamereactor

Textos relacionados



A carregar o conteúdo seguinte


Cookie

O Gamereactor utiliza cookies para assegurar que lhe proporciona a melhor experiência possível no nosso site. Se continuar, vamos presumir que está satisfeito com a nossa política relativa a cookies.