Português
Gamereactor
análises
Ghost of Tsushima: Director's Cut

Ghost of Tsushima: Director's Cut Versão PC

O magnífico mundo aberto de Sucker Punch chegou ao PC, e Claus deu uma olhada mais de perto.

HQ
HQ

Como professor de história, adoro jogos que nos levam de volta no tempo. Kingdom Come: Deliverance e os jogos Sherlock Holmes são excelentes exemplos de títulos que acertam no tom histórico. Embora a série Sherlock Holmes se baseie nas obras de H.P. Lovecraft, ela captura perfeitamente o espírito da época no início dos anos 1900. No entanto, por alguma razão, nunca fui atraído pela história japonesa, muito menos pelo período feudal. Ghost of Tsushima: Director's Cut para PC mudou isso completamente quando eu comecei a mergulhar nele no meu computador. Ghost of Tsushima: Director's Cut já está disponível para PlayStation 5 e PC, desenvolvido pela Sucker Punch e Nixxes.

O ano é 1274 e Khotun Khan invadiu a ilha japonesa de Tsushima. Jin Sakai, um bravo samurai, falha em proteger a ilha e é então liberado como um guerreiro solitário para libertar Tsushima dos brutais mongóis. Ele ajuda o povo da ilha e reúne uma série de aliados para apoiá-lo na batalha final contra o poderoso Khotun Khan. Essa premissa clássica do herói solitário desencadeado em um mundo aberto é familiar no gênero, e Ghost of Tsushima: Director's Cut não se destaca muito aqui. Tudo parece um pouco visto antes, especialmente no PC, onde nada de novo foi adicionado. Infelizmente, os personagens aliados também parecem um pouco previsíveis. Lady Masako Adachi, por exemplo, é movida por vingança contra os assassinos de sua família - um tropo clássico. Kenji é o ganancioso com um coração de ouro que muitas vezes arrasta Jin para problemas. Muitos outros personagens caem em estereótipos familiares, tornando a história menos envolvente. Durante meu playthrough, guardei as missões da história por último, pois a narrativa não me agarrou. Embora a história não seja ruim, é um pouco plana. No entanto, o jogo deve ser elogiado por sua precisão histórica e atmosfera autêntica, o que mostra claramente que a Sucker Punch fez uma pesquisa completa.

Ghost of Tsushima: Director's Cut
Publicidade:

Quando comparamos a versão PlayStation 5 com a versão PC, o jogo principal em si é idêntico. As diferenças estão nos detalhes técnicos. Graficamente, Ghost of Tsushima: Director's Cut é um banquete para os olhos no PC. Com o upscaling, o jogo pode rodar bem em computadores mais antigos. No entanto, eu tenho uma RTX 4090, então não penso nisso, mas no meu Steam Deck o jogo roda bem em configurações médias. Isso significa que o jogo provavelmente funcionará na maioria dos sistemas mais antigos. Com a última geração de placas RTX, você também pode usar o Frame Generation para ainda mais quadros por segundo. No entanto, eu geralmente evito esse recurso, pois a IA nem sempre renderiza os gráficos corretamente. É uma opção para quem quer, mas uma placa gráfica semi-moderna é de sobra, pois o jogo roda perfeitamente. Surpreendentemente, Ghost of Tsushima: Director's Cut não tem Ray Tracing, uma decisão estranha. Dito isso, sabemos o que esperar da Nixxes e eles entregam isso novamente aqui.

A beleza visual do jogo é impressionante. Uma sequência de abertura onde Jin passeia por um campo de flores brancas, deslizando a mão pelas plantas enquanto a trilha sonora suporta o momento, é nada menos que mágica. Com todas as configurações no máximo e 60fps, é uma das experiências mais bonitas de um jogo. Mesmo no Steam Deck, o jogo consegue manter essa magia. Eu claramente prefiro o estilo à tecnologia, e Ghost of Tsushima: Director's Cut entrega. O sistema de sinalização onde o vento, pássaros e raposas guiam Jin é brilhante e deve inspirar outros desenvolvedores de jogos.

Outra diferença entre a versão para PC e PlayStation 5 é a capacidade de usar mouse e teclado, que funciona surpreendentemente bem. As sequências Quicktime, que geralmente são um desafio no teclado e no mouse, funcionam bem. Usar o mouse para tiro com arco é particularmente satisfatório. No geral, os controles são bons, mas podem parecer um pouco imprecisos, como em The Witcher 3: Wild Hunt, onde Geralt às vezes é difícil de controlar. Felizmente, podes utilizar o teu comando PlayStation através do Steam sem problemas.

Ghost of Tsushima: Director's Cut
Publicidade:

O sistema de combate é a carta mais forte de Ghost of Tsushima: Director's Cut. Se você está se esgueirando ou invadindo uma base, é sempre divertido. A liberdade de atacar de muitas maneiras diferentes é fantástica e ainda melhor no PC. O sistema de habilidades do jogo adiciona mais profundidade ao desenvolvimento do personagem. Há uma árvore de habilidades para quem gosta de se esgueirar, com várias bombas e outros brinquedos mortais. Se você preferir ser mais direto em sua abordagem para libertar os camponeses japoneses pobres, há um ramo específico na árvore de habilidades acima mencionada que fornece muitos movimentos legais que você pode usar contra seus inimigos. Além disso, você também pode atualizar armas e armaduras para fazer os pássaros cantarem. É super profundo, mas também gerenciável. Bem feito, Sucker Punch.

Ghost of Tsushima: Director's Cut é uma ótima conversão do jogo PlayStation e deve ser experimentado por sua atmosfera mágica e sistema de combate. Embora a história e as missões já tenham sido vistas antes, o jogo está repleto de opções de design inovadoras que eu recomendo.

08 Gamereactor Portugal
8 / 10
+
Lindos gráficos (especialmente no PC), várias funções de guia, mecanicamente bem montadas, focam na precisão histórica.
-
Histórias um tanto chatas, controle impreciso aqui e ali, design de missão mista.
overall score
Esta é a média do GR para este jogo. Qual é a tua nota? A média é obtida através de todas as pontuações diferentes (repetidas não contam) da rede Gamereactor

Textos relacionados



A carregar o conteúdo seguinte