Cookie

O Gamereactor utiliza cookies para assegurar que lhe proporciona a melhor experiência possível no nosso site. Se continuar, vamos presumir que está satisfeito com a nossa política relativa a cookies.

Português
análises
Doom Eternal

Doom Eternal

Gostou de Doom 2016? Então vai adorar a sequela.

A assistir

Preview 10s
Next 10s
Publicidade

Quando Doom reapareceu em 2016, muitos desconfiavam da qualidade do jogo, até porque a Bethesda ordenou um embargo de análises equivalente ao dia de lançamento, o que normalmente é mau sinal. Felizmente verificou-se o oposto, e Doom tornou-se num dos jogos de ação de referência desta geração. Agora, com a confiança de que tomaram as decisões certas no reboot de 2016, com tecnologia superior, e com um orçamento mais alto, a id Software apresenta uma sequela ambiciosa que eleva ainda mais a intensidade da ação.

Vamos já deixarmos-nos de rodeios: Doom Eternal é soberbo, mas antes de continuarmos, temos de referir uma das poucas falhas do jogo.

Doom Eternal presume que o jogador vem fresquinho de Doom, já completamente habituado ao ritmo e à intensidade de jogo, o que significa que quem não o estiver, pode passar por alguns momentos de maior frustração e confusão durante as primeiras horas. Isso deve-se em parte a uma grande variedade de sistemas e mecânicas que é preciso aprender, ou re-aprender, em pouco tempo. A interface está mais preenchida e exige maior atenção, o que aliado a tudo o que está a acontecer no ecrã e a 60 frames por segundo, pode assustar um pouco um jogador menos preparado.

Alguns vão certamente apreciar a maior profundidade que Doom Eternal oferece, enquanto que outros vão torcer o nariz a todos estes elementos que roubam alguma da simplicidade do jogo. Estamos a falar de várias armas com capacidades secundárias, estatísticas, armadura, saúde, colecionáveis, desafios, arenas, segredos, e até uma base central para o jogador explorar. Tudo isto em cima da micro-gestão dos recursos durante a jogabilidade, já que as Glory Kills dão saúde, a moto-serra garante munições, e os inimigos queimados deixam armadura. O facto de alguns inimigos agora incluírem diferentes elementos destruíveis acrescenta ainda mais um factor a considerar durante a jogabilidade, e tudo isto pode atrapalhar as primeiras horas de jogo.

Mas quando dominar tudo isto... torna-se glorioso.

O que torna Doom Eternal tão fantástico é a própria satisfação inerente aos controlos e à jogabilidade, que estão entre os melhores do género, não só em termos de tiroteios, mas também de movimento. Vai deslocar-se a grande velocidade pelos mapas, o que é facilitado pela excelência do design desses níveis, com vários pormenores visuais que indicam o caminho ao jogador de forma subtil. Doom Eternal, tal como o primeiro, é construído com áreas de confronto em cada nível, onde terá de enfrentar um grande número de oponentes, e nessas áreas, tudo parece ter sido colocado com grande atenção e cuidado. Rampas, plataformas, pilares, itens, objetos... tudo tem um propósito, e cabe ao jogador saber utilizar tudo isso para sua vantagem. Não basta aparecer com a maior arma do jogo (e existem várias armas enormes) e desatar aos tiros, por que isso não chega, é preciso saber ler o cenário, o posicionamento dos inimigos, e 'dançar' entre todos estes elementos, porque o movimento em Doom Eternal tem de ser constante.

A assistir

Preview 10s
Next 10s
Publicidade

É também importante que dedique algum tempo ao sistema de melhoramentos, já que permitem especializar a jogabilidade em diferentes estilos de jogo. Por exemplo, nós optámos por um melhoramento que permitia executar as Glory Kills um pouco mais longe, o que na prática teletransporta o Doom Slayer para junto do inimigo atordoado. Isto abriu-nos uma série de opções táticas, como usar as Glory Kills para chegarmos a plataformas mais distantes, além de que as Glory Kills tornam o Doom Slayer invulnerável enquanto as está a executar, o que pode garantir segundos preciosos.

Durante a aventura irá encontrar um plantel de demónios com várias caras conhecidas, mas também algumas novidades, embora o jogo os apresente de forma faseada para garantir uma boa adaptação do jogador ao diferentes elementos que os inimigos acrescentam ao combate. Por outro lado terá também acesso a um vasto arsenal de armas, provavelmente um dos melhores que já encontrámos num videojogo. Cada arma pode ser modificada com vários disparos secundários, e melhorada conforme cumpre certos desafios específicos. Por outras palavras, quanto mais se dedicar a uma arma, melhor ela será. Foi particularmente satisfatório evoluir a Super Shotgun, até que chegou a um ponto em que nos permitia ir até aos inimigos através de um gancho (basicamente o Get Over Here do Scorpion, mas ao contrário).

Doom Eternal vive para a ação, mas também sabe intervalar a jogabilidade com outros momentos de jogo. Este tipo de design é imprescindível para que o jogador possa acalmar, recuperar forças, e preparar-se para a próxima batalha. Isso é feito através de um misto de plataformas com exploração, já que existem inúmeros segredos à espera do jogador mais atento. Vários jogos têm dificuldades para atingir esse equilíbrio, mas Doom Eternal consegue-o de forma exímia.

Um fator determinante para a qualidade de jogo de Doom Eternal é a sua fluidez, que tenta correr nuns constantes 60 frames por segundo. A jogar num laptop com uma RTX 2070, não tivemos qualquer problema em manter uma fluidez constante, mesmo com definições gráficas altas, mas não conseguimos testar as versões de consolas. A id Software promete 60 frames por segundo em PS4, PS4 Pro, Xbox One, e Xbox One X (30 frames na Switch), e considerando que era essa a fluidez de jogo do Doom 2016, não temos razões para desconfiar. De qualquer forma, não foi uma experiência isenta de problemas.

Em algumas ocasiões o jogo atirou-nos para o ambiente de trabalho sem motivo aparente (ainda que continuasse a correr no fundo), mas mais grave foi a situação de um colega nosso, que perdeu o progresso depois do save ter ficado corrompido. Esperemos que tenha sido caso único, porque nada é mais frustrante do que perder horas de jogo desta forma.

Doom EternalDoom Eternal

Quanto à campanha em si, continua os eventos deixados em aberto em Doom de 2016, embora revele mais pormenores acerca do Doom Slayer e o seu passado. Como no anterior, cabe ao jogador decidir quanto tempo quer dedicar a aprofundar o conhecimento da personagem e da história, através de documentos e ficheiros de áudio que encontra. Talvez mais importante que isso são as localizações que irá visitar durante a campanha, com um detalhe gráfico fantástico e uma atmosfera soberba. Desde as ruas devastadas da Terra, a masmorras demoníacas em chamas, passando por algumas localizações estonteantes que não nos atrevemos a revelar, Doom Eternal é uma impressionante montanha-russa que merece ser desfrutada.

Além da campanha, vai também encontrar um modo online, que infelizmente não tivemos a oportunidade de experimentar nesta versão. Testámos, contudo, o modo Battlemode, durante uma visita à id Software. Neste modo, um Doom Slayer enfrenta dois demónios, numa dinâmica que vai mudando ao longo da partida. É uma proposta interessante, que pode conhecer com mais detalhe na nossa antevisão.

Os problemas técnicos que encontrámos - em particular a questão do save - e as primeiras horas algo confusas, impedem-nos de dar nota máxima a Doom Eternal, mas que fique bem claro que estamos a falar de um jogo estupendo, que é facilmente um dos melhores títulos de ação na primeira pessoa desta geração. Com uma campanha espantosa que ultrapassa as 20 horas de jogo, e uma jogabilidade deliciosamente visceral, Doom Eternal é obrigatório para todos os que apreciam o género.

A assistir

Preview 10s
Next 10s
Publicidade
Doom EternalDoom Eternal
Doom EternalDoom Eternal
09 Gamereactor Portugal
9 / 10
+
Jogabilidade fantástica. Arsenal estupendo. Grafismo de luxo sem prejudicar fluidez. Campanha entusiasmante.
-
Excesso de mecânicas e funções. Tivemos um grave problema com saves no PC.
overall score
Esta é a média do GR para este jogo. Qual é a tua nota? A média é obtida através de todas as pontuações diferentes (repetidas não contam) da rede Gamereactor

Textos relacionados

Doom EternalScore

Doom Eternal

ANÁLISE. Escrito por Mike Holmes

Gostou de Doom 2016? Então vai adorar a sequela.



A carregar o conteúdo seguinte