Cookie

O Gamereactor utiliza cookies para assegurar que lhe proporciona a melhor experiência possível no nosso site. Se continuar, vamos presumir que está satisfeito com a nossa política relativa a cookies.

Português
Início
análises
Blasphemous

Blasphemous

Viajámos até ao mundo terrível de Cvstodia, num jogo de ação e plataformas sem medo de violência.

A assistir

Preview 10s
Next 10s
Publicidade

Blasphemous era um jogo que tínhamos debaixo de olho há já algum tempo, sobretudo pelo impressionante visual 2D pixelizado que mostrava nos trailers. Desenvolvido pela The Game Kitchen e publicado pela Team 17, Blasphemous apresenta-se como um jogo singleplayer de ação e plataformas, onde os jogadores recebem a missão de viajar para Cvstodia, um mundo corrompido e maldito, obra de uma terrível maldição referida apenas como O Milagre.

O jogador assume o papel de O Penitente, um ser incapaz de desfrutar o abraço confortante da morte. Isto obriga-o a ter de navegar este mundo 2D não-linear, com a esperança de conseguir livrá-lo de O Milagre. Pelo caminho vai encontrar segredos, enfrentar bestas terríveis, e participar em cenas de extrema violência, tudo embrulhado numa estrutura semelhante à do género "metroidvania".

Grande parte da experiência de jogo concentra-se no combate, que utiliza mecânicas típicas de "hack'n'slash". Além de ataques com armas, o jogador pode usar habilidades à distância e beneficiar de Prezes, poderosas capacidades que podem melhorar consideravelmente o desempenho do jogador ou causar grande dano ao inimigo. Existem melhoramentos para desbloquear durante a aventura, mas são caros, e exigem o mesmo tipo de moeda que os itens, o que significa que tem de escolher com cuidado onde e como evoluir a personagem.

Também existem acessórios para desbloquear, na forma de relíquias, terços, e outros itens com conotação religiosa. Estes itens servem normalmente para evoluir certos aspetos da personagem, como melhorar o dano de uma habilidade ou aumentar a saúde, por exemplo. Parece um sistema expansivo, mas a verdade é que nunca reparámos em grandes mudanças na eficácia do combate ou na profundidade do combate. Isto levou a que as batalhas se tornassem repetitivas passadas algumas horas.

Se o sistema de combate não é particularmente variado, o mesmo não pode ser dito do elenco de inimigos. Vai encontrar várias categorias de oponentes, incluindo criaturas que são específicas a cada zona. Por exemplo, na zona O Convento da Nossa Senhora, parte dos inimigos serão freiras assassinas, enquanto que nas Montanhas da Madrugada Interminável, irá encontrar Minotauros. São dois exemplos, mas existem muitos mais.

A assistir

Preview 10s
Next 10s
Publicidade

Esse cuidado no design dos inimigos estende-se aos bosses, não só a nível visual, mas mais importante que isso, em termos de comportamento. Cada boss obriga a uma abordagem diferente, normalmente com acesso a técnicas que pouco ou nunca viu até aquele momento. São, no entanto, inimigos que seguem padrões, o que significa que se tornam gradualmente mais fáceis conforme aprende as suas manhas e características.

Como qualquer metroidvania que se preze, Blasphemous envolve a exploração de cenários já visitados para desbloquear novas áreas. Não é, contudo, um mundo de fácil navegação, e em várias ocasiões ficámos sem saber para onde ir a seguir, olhando para o mapa à procura de uma possível hipótese. Isto não é necessariamente mau, até será bastante positivo para alguns jogadores, mas convém ficar claro que o processo de navegar os níveis e o mapa pode ser frustrante e confuso se isso é algo que não procuram.

Algo que pode ajudar a essa sensação de frustração é a ausência de opções de viagem instantânea pelo mapa - que é grande, por sinal. Isto significa que terá de passar por muitas áreas que já visitou e sem grande motivo para isso, mas por vezes lá encontrámos algo que tínhamos deixado passar à primeira, o que ajudou a tornar o processo menos penoso.

Um dos elementos mais fortes de Blasphemous é o estilos visual, um trabalho de arte pixelizado em 2D, que foi usado para criar imagens de grande tormenta e violência. É um jogo que apresenta muita arquitetura medieval e gótica, mas deturpados com algumas ideias tão interessantes quanto macabras. Esse ambiente é reforçado pela banda sonora e os efeitos sonoros, que deixam marca no jogador.

Em resumo, Blasphemous é um jogo de ação e plataformas passado num mundo não-linear, distinguido por um fantástico estilo visual 2D, uma enorme variedade de inimigos e cenários, um sistema de combate competente, e uma apetência especial para cenas sangrentas e violentas. O jogo começa a perder gás depois de algumas horas, sobretudo por entrar numa rotina excessivamente repetitiva, e isso impede-o de lutar taco-a-taco com os melhores jogos do género. Mas se este tipo de ambiente for o que procura, então é mais fácil recomendar Blasphemous.

A assistir

Preview 10s
Next 10s
Publicidade
BlasphemousBlasphemousBlasphemous
BlasphemousBlasphemousBlasphemous
07 Gamereactor Portugal
7 / 10
+
Boa variedade de inimigos. Design inspirado dos bosses. Excelente visual 2D.
-
Passadas algumas horas começa a tornar-se muito repetitivo. História e o próprio jogo perdem foco eventualmente.
overall score
Esta é a média do GR para este jogo. Qual é a tua nota? A média é obtida através de todas as pontuações diferentes (repetidas não contam) da rede Gamereactor

Textos relacionados

BlasphemousScore

Blasphemous

ANÁLISE. Escrito por Ben Lyons

Viajámos até ao mundo terrível de Cvstodia, num jogo de ação e plataformas sem medo de violência.

A carregar o conteúdo seguinte