Cookie

O Gamereactor utiliza cookies para assegurar que lhe proporciona a melhor experiência possível no nosso site. Se continuar, vamos presumir que está satisfeito com a nossa política relativa a cookies.

Português
Gamereactor Portugal
análises
Batman: The Enemy Within

Batman: The Enemy Within - Temporada Completa

Emocionalmente esgotante, The Enemy Within coloca Bruce Wayne em algumas das decisões mais difíceis que já teve de tomar.

Não fomos os maiores fãs de Batman: The Telltale Series. Além de inúmeros problemas técnicos, o primeiro jogo da Telltale no universo de Batman apresentou uma série de liberdades criativas que não nos agradaram. A forma como representaram Thomas Wayne e Vicki Vale, por exemplo, foi tão fora de carácter, tão longe do material de origem e das ideias por trás das personagens, que simplesmente não conseguimos aceitá-las. Em cima disso, a estória nem sempre teve o melhor ritmo, e alguns acontecimentos pareceram forçados. Ainda assim, apreciámos a forma como representaram Bruce Wayne e algumas das suas relações, em específico com Selina Kyle/Catwoman.

Esta segunda temporada é definitivamente melhor.

A Telltale voltou a tomar grandes liberdades criativas com várias personagens, mas de forma interessante e sem deturpar por completo o seu legado na banda desenhada. É uma estória diferente, que não está diretamente ligada ao primeiro jogo, mas existem muitas referências, e várias escolhas são transportadas para a sequela. Ou seja, não é obrigatório ter jogado o primeiro jogo, mas é altamente recomendado. A Telltale até permite transportar os saves de dispositivo para dispositivo, através do site oficial, e até podem criar o vosso 'save' tomando algumas das decisões mais importantes num resumo do primeiro jogo. Se não escolherem nenhuma dessas opções, vão começar Batman: The Enemy Within com decisões base tomadas pela Telltale.

Batman: The Enemy Within é um jogo da Telltale em todos os sentidos. Tem um formato episódico de cinco capítulos (todos já disponíveis), é parco em jogabilidade direta, e vive sobretudo de decisões narrativas que têm de tomar e várias sequências de botões indicadas no ecrã. É também um jogo tecnicamente inferior ao que é a norma atual, apesar de se notarem pequenas melhorias gráficas. Quanto a problemas técnicos e bugs, só encontrámos um mais sério. A certo ponto no segundo episódio partilhámos uma viagem de elevador com várias personagens, e aqui acontecem vários diálogos. Nessa sequência a câmara ficou presa e todas as personagens ficaram imóveis, embora os diálogos tenham continuado. Quando a cena no elevador terminou, o jogo retomou a ação normalmente, e não tivemos mais nenhum problemas deste género.

Ouvimos estórias de terror em relação ao primeiro jogo, incluindo 'bugs' que impediram o progresso dos jogadores, entre muitos outros. Considerando o passado da Telltale, não podemos pôr as mãos no fogo pela produtora e assegurar que algo do género não vos acontecerá nesta sequela, mas a verdade é que só reparámos mesmo nesse problema no elevador. De resto a experiência de jogo decorreu sem ocasiões dignas de registo, e esperamos que se passe o mesmo convosco.

O grande vilão em destaque no primeiro episódio é Riddler, e tem de facto um papel importante a desempenhar ao longo do jogo, mas vão interagir com vários vilões da extensa galeria de Batman. Não vamos entrar em pormenores sobre quem aparece no jogo, mas podemos pelo menos destacar "John Doe" (Joker), Harley Quinn, e Amanda Waller, chefe da Agência e eventual criadora do Esquadrão Suicida. Estas três personagens são responsáveis por alguns momentos de grande intensidade e dúvida, em particular para Bruce Wayne.

Batman: The Enemy Within

Tal como no primeiro jogo, Bruce Wayne acaba por ter um papel mais preponderante que o próprio Batman, e equilibrar os dois mundos da personagem é extremamente difícil. Se acreditam na versão do Batman "que nunca compromete, independentemente da situação", bem, vão ter de lidar com algumas sequências extremamente difíceis. É sem dúvida possível manter essa perspetiva, mas é muito discutível se manter essa atitude é a ação mais correta ou justa. Também existem situações em que terão de optar entre o bem maior, e o bem estar de personagens importantes, e a questão é que nem sempre existe uma escolha "certa", já que podem existir sempre consequências graves, embora diferentes.

Também gostámos mais do ritmo desta segunda temporada. Existem mais cenas de ação, e embora a interação do jogador se limite a tomar pequenas escolhas durante o combate, e cumprir com a sequência de botões que aparecem no ecrã, a sua produção e realização mantém a ação entusiasmante. Ao contrário do anterior, também já não existe tanta política envolvida. O jogo foca antes os vilões, obrigando a criar uma relação entre Bruce e algumas personagens que vão testar os seus princípios e a sua moralidade.

Cada episódio tem uma duração entre a hora e meia e as duas horas, sensivelmente, mas mais importante do que estar a contar os minutos, é que sentimos que o jogo teve a duração certa. No fim das contas, sentimos que Batman: The Enemy Within justifica os € 29.99 que a temporada completa exige. Também vale a pena referir que, dependendo das decisões que tomam, podem ver sequências e eventos completamente diferentes. Já encontrámos jogos da Telltale em que, independentemente das decisões, a narrativa encontrava sempre forma de seguir um percurso parecido. Não é o caso aqui. Jogadores que tomem decisões diferentes vão ter uma experiência bastante distinta, e isso também acrescenta à longevidade do jogo, caso queiram ver os resultados de escolhas diferentes.

Batman: The Enemy Within é uma estória memorável de Bruce Wayne e Batman, e também uma das mais difíceis que tivemos de passar. Isso depende claro da vossa ligação a este universo e personagens, mas se são fãs do Cavaleiro das Trevas, vale bem a pena apostar nesta estória da Telltale. Sofre de muitos dos problemas comuns a outros jogos da Telltale, mas tal como esses, também tem a capacidade para surpreender e até certo ponto drenar emocionalmente o jogador.

Batman: The Enemy WithinBatman: The Enemy Within
Batman: The Enemy WithinBatman: The Enemy WithinBatman: The Enemy Within
08 Gamereactor Portugal
8 / 10
+
Liberdades criativas são mais merecidas que no primeiro jogo. Bom ritmo de desenvolvimentos. Algumas decisões muito difíceis, com grandes consequências. Localizado em português.
-
Graficamente continua a estar abaixo da média. Algumas situações forçadas. Uma ou outra inconsistência.
overall score
Esta é a média do GR para este jogo. Qual é a tua nota? A média é obtida através de todas as pontuações diferentes (repetidas não contam) da rede Gamereactor