Português
Gamereactor
textos dos gadgets

Xbox Series X - Análise Consola

A Microsoft arranca a nova geração com a consola mais poderosa do mercado.

HQ
HQ

Para a nova geração de consolas que se aproxima, a Microsoft optou por uma estratégia diferente do habitual, não lançando uma, mas antes duas consolas. De um lado a Xbox Series S, que é mais económica, mas também menos poderosa (algumas secções repetem-se, mas pode ler a nossa análise aqui). Do outro, a Xbox Series X, um monstro de consola que, em termos de CPU, GPU, e RAM, se assume como a consola mais poderosa do mercado, mesmo comparando com a PS5.

A Xbox Series X vai chegar a Portugal no dia 10 de novembro, por € 499,99, ou seja, o mesmo dia e preço que no resto do mundo. Isto é de imediato um grande passo em frente comparativamente ao que foi o lançamento da Xbox One, que chegou a Portugal com um ano de atraso. Isto mostra uma nova atitude por parte da Microsoft em relação à Xbox e aos videojogos, uma atitude muito mais agressiva e competitiva, mesmo em Portugal. Esperemos que seja uma atitude para manter, porque os videojogos só saem a ganhar.

Design e comando
Para a Xbox Series X a Microsoft apostou num design bastante atípico, já que a consola é basicamente um retângulo preto. Um enorme ponto a favor da Xbox Series X é o facto de incluir a fonte de alimentação dentro da própria consola, o que significa que já tem não um tijolo preto como apêndice como as anteriores. A consola em si é compacta, e pode ser facilmente colocada na horizontal ou na vertical, encaixando com relativa facilidade na maioria das configurações de uma sala de estar ou de um quarto. Infelizmente não é possível retirar a base de apoio, que fica estranha quando a consola está na horizontal, mas é uma queixa menor.

Em relação ao comando, a Microsoft optou por uma abordagem mais tradicional que a Sony. Enquanto a PS5 conta com o impressionante DualSense, que realmente acrescenta valor à experiência de jogo, o comando da Xbox Series S é essencialmente uma versão alterada do comando base da Xbox One. O comando é ligeiramente mais pequeno e mais leve, e encaixou como uma luva nas nossas mãos, além de incluir finalmente um botão específico para capturar imagens e gravar vídeos. Mas a novidade que mais apreciámos foi o novo D-Pad, inspirado pelo D-Pad do comando Elite, que é uma grande melhoria em relação ao D-Pad do comando de Xbox One. Ou seja, estamos a falar de um comando de grande qualidade, ainda que siga um formato tradicional.

Nota ainda para o facto da Microsoft continuar a apostar em pilhas para o comando. Se preferir uma bateria recarregável, terá de comprar esse acessório à parte ou usar o que já tinha para o comando de Xbox One. Dito isto, convém lembrar que a esmagadora maioria dos comandos e acessórios Xbox One são compatíveis com a Series S. Pode perfeitamente jogar com um comando Xbox One, por exemplo, algo que não é possível na PS5 com o DualShock 4.

Xbox Series X - Análise Consola

Grafismo e armazenamento
Sabemos que a Xbox Series X é uma máquina extremamente poderosa, mas como se traduz isso na prática? Bem, infelizmente não tivemos a oportunidade de testar muitos jogos realmente "next-gen" para a consola (testámos um que não podemos referir, mas impressionou-nos). Dito isto, foi naturalmente agradável experienciar jogos como Gears 5, Forza Horizon 4, e Gears Tactics, a 4K e 60 frames por segundo, com grafismos e loadings melhorados em relação à Xbox One X.

O sistema de armazenamento interno SSD talvez não seja tão rápido quanto o da PlayStation 5, mas é ainda assim extremamente veloz. Nunca tivemos de esperar mais que alguns segundos para entrar nos jogos, com ganhos consideráveis em relação à Xbox One e a Xbox One X. E isto é algo de que todos os jogos beneficiam, até os que não foram otimizados para a consola. Quanto ao tamanho do armazenamento, 1TB, parece-nos um pouco escasso considerando o tamanho dos videojogos atualmente, mas sempre é melhor que os 825GB da PS5 ou os 512GB da Xbox Series S. Nota, porém, para o facto de só incluir 802GB disponíveis, devido ao sistema operativo da consola.

Quick Resume e interface
Em termos de interface e de sistema operativo, a Xbox Series X apresenta exatamente a mesma estrutura que a Xbox One. Isto pode ser desapontante para alguns utilizadores, sobretudo considerando que a PS5 deu uma volta completa à sua interface, mas a verdade é que funciona e a experiência é muito fluída. E tem a vantagem de ser imediatamente familiar a quem está habituado à Xbox One, além de estar completamente integrada com a aplicação para plataformas Android.

Enquanto a interface e o sistema operativo são os mesmos que na geração passada, a função Quick Resume da Xbox Series X faz toda a diferença. Pode ter até cinco jogos diferentes em Quick Resume, o que basicamente lhe permite saltar de jogo em jogo sem ter de passar por menus ou ecrãs de loading. Isto também significa que pode saltar logo para a jogabilidade assim que liga a consola, e isto até é possível se retirar a Xbox da corrente, o que é impressionante. Depois de nos habituarmos ao Quick Resume é realmente difícil voltar atrás.

Xbox Series X - Análise ConsolaXbox Series X - Análise ConsolaXbox Series X - Análise Consola

Jogos, Game Pass, e retro-compatibilidade
Embora a Xbox Series X seja uma máquina fantástica, a verdade é que no lançamento não terá qualquer exclusivo que possa realmente mostrar o seu potencial. Sim, é fantástico jogar Gears 5, Gears Tactics, e Forza Horizon 4 num estado tão elevado de qualidade, mas comparando com o alinhamento da PlayStation 5 (Spider-Man: Miles Morales, Demon's Souls, Sackboy...), é evidente que a Xbox fica a perder nesse campo. Essa tem sido aliás a tendência dos últimos anos, com muitos jogadores a criticarem a ausência de mais títulos exclusivos de peso para as Xbox. O facto da Microsoft ter apostado na aquisição de muitos estúdios, incluindo os da Bethesda, pode ajudar a mudar - e muito - essa realidade no futuro, mas para já, é uma suposição.

O que não é uma suposição é o tremendo valor do Game Pass. Por € 9,99 por mês (€ 12,99 no caso do Ultimate), terá acesso a uma biblioteca de jogos que inclui todos os exclusivos Xbox, e ainda imensos títulos de outras editoras. Com o Game Pass (cuja primeira mensalidade é de € 0,99), pode instalar a sua Xbox e descarregar Gears 5, Gears Tactics, Forza Horizon 4, Resident Evil 7, Ori and the Will of the Wisp, Doom Eternal, No Man's Sky, The Outer Worlds, Wasteland 3, e muitos, muitos outros. É de facto um valor incrível. E no caso do Game Pass Ultimate, tem também acesso ao EA Play, o que garante acesso a vários jogos da EA, e a 10 horas de experimentação em qualquer lançamento da editora.

Também é preciso louvar a retro-compatibilidade da consola, que é basicamente idêntica à da Xbox One. A regra é muito simples: se algo corre na Xbox One, seja um jogo da One, da 360, ou da Xbox original, corre também na Series X, e com melhoramentos. Graças ao SSD, todos os jogos vão apresentar loadings mais rápidos, e também vão correr melhor do que na One ou até a One X, mesmo que não tenham sido optimizados. A Series X tem também a vantagem de aplicar HDR em todos os jogos, graças a software especializado, uma opção que não é possível na PS5.

Conclusão
Depois de um lançamento muito complicado na geração passada, com um foco totalmente errado e um ano de atraso em alguns territórios (incluindo Portugal), a Microsoft surge para esta geração com clara intenção de se redimir. A Xbox Series X é uma consola desenhada sobretudo para jogar, que se pode gabar de apresentar o melhor hardware do mercado e também o melhor serviço de subscrição. É verdade que não arriscou muito, e que o alinhamento de lançamento peca pela ausência de verdadeiros exclusivos novos, mas isso não nega que é uma máquina fantástica de videojogos, e que ainda vem equipada com um blu-ray 4K e aplicações para todos os serviços de streaming importantes. Se por acaso optar por uma Xbox Series X como a sua consola de próxima geração, não ficará desiludido.

HQ
Xbox Series X - Análise Consola
Xbox Series X - Análise ConsolaXbox Series X - Análise Consola
09 Gamereactor Portugal
9 / 10
+
É a consola mais poderosa do mercado. Game Pass é uma mais valia tremenda. Quick Resume é uma função fantástica. Excelente retro-compatibilidade com jogos e acessórios.
-
Exclusivos continuam a ser uma incógnita. Microsoft teve uma abordagem mais segura que a Sony. Comando é bom, mas o DualSense é melhor.
overall score
Esta é a média do GR para este jogo. Qual é a tua nota? A média é obtida através de todas as pontuações diferentes (repetidas não contam) da rede Gamereactor


A carregar o conteúdo seguinte


Cookie

O Gamereactor utiliza cookies para assegurar que lhe proporciona a melhor experiência possível no nosso site. Se continuar, vamos presumir que está satisfeito com a nossa política relativa a cookies.