Português
Gamereactor
análises
The Finals

The Finals

Os veteranos suecos de Battlefield no Embark Studios já lançaram seu concorrente de Fortnite e Petter tem trabalhado duro nos testes The Finals...

HQ

Conseguir se destacar no clima atual de FPS certamente não é tarefa fácil. Claro, é possível encher seu jogo com chavões ou esquisitices gerais, mas considerando o quão incrivelmente difícil a competição realmente é, há poucos jogadores hoje que não veriam tal coisa. Quando o veterano de Battlefield, Patrick Söderlund, e um grupo de antigos colegas fundaram o estúdio Embark, com sede em Estocolmo, a ideia era priorizar um jogo PVE baseado em história, repleto de batalhas épicas de monstros e design funky dos anos 70. Desde então, Arc Raiders passou de um conceito empolgante para um dos grandes jogos mais esperados da Gamereactor, mas antes que tenhamos a chance de nos familiarizar com esse mundo, a Embark agora aproveitou a oportunidade para lançar The Finals, que de muitas maneiras combina as coisas que fizeram de Battlefield uma das séries de jogos mais populares do mundo.

The Finals

A configuração é simples, pelo menos no papel. Três equipes de três jogadores cada participam de uma espécie de superfinal virtual onde o objetivo é encontrar, roubar e gerenciar dinheiro. As partidas são baseadas na ideia Capture the Flag, onde você localiza, pega e carrega um item específico para uma determinada posição e, em seguida, tem que defender e atacar uns aos outros. Em The Finals, é tudo sobre dinheiro virtual na forma de moedas de ouro brilhantes e, para todas as equipes, é tudo sobre pegar o máximo de saque possível e colocá-lo em uma máquina de saque. Vence a equipe com mais dinheiro no final do jogo.

Um dos grandes pontos de discussão durante o teste beta deste título, bem como o lançamento do jogo final, é a enorme destruição em tempo real permitida. Embark voltou à ideia de ser capaz de destruir tudo o que você vê no mapa, que era um aspecto fundamental de muitos dos jogos Battlefield. Se uma equipe adversária estiver sentada em um prédio, é perfeitamente possível explodir as paredes ou explodir todo o edifício, dependendo do tempo, materiais e prioridades. Como as partidas são rápidas, o ritmo é bom e você tem que acompanhar tudo o que acontece. The Finals é voador e explosivo como nada mais neste gênero e levei várias noites para entender a mecânica do jogo. Poder usar tirolesas horizontais (e verticais), utilizando a espuma protetora que é uma parte importante de quase todas as partidas, o chicote de cura suave, os explosivos e tudo o que há entre eles não é algo que veio naturalmente para mim, mas teve que ser realmente usado. No entanto, não quero tentar fazer com que soe como algo negativo, aqui. Pelo contrário. É claro que aprecio que a Embark tenha feito o possível para oferecer algo único aqui e mesmo que seja possível ver semelhanças com Battlefield, Overwatch, Fortnite e Apex Legends, entre outros, The Finals é altamente original.

Publicidade:
The Finals

Existem três classes de personagens diferentes aqui que são rotuladas como "Leve", "Médio" e "Pesado" e, dependendo de como você deseja moldar seu estilo de jogo, é claro que você escolherá um personagem que melhor se adapte a você. Eu joguei principalmente como "Heavy" porque não sou realmente um jogador de movimento e não tenho os reflexos da parte mais jovem e animada do público cada vez maior do Embarks. Durante a fase beta, mais de 7,5 milhões de jogadores experimentaram The Finals e pelo que pude ver na época, a grande maioria ficou satisfeita e impressionada, o que agora após o lançamento do produto final significa que nunca é difícil ou demorado encontrar uma partida para entrar. Pelo contrário, é extremamente rápido e eu experimentei muito poucos problemas de servidor durante as minhas noites com The Finals.

Joguei muito a versão beta (tanto a fechada quanto a aberta) e mesmo prefiro a classe "Heavy", é perceptível agora que The Finals atingiu o "status ouro" que os desenvolvedores diminuíram um pouco o ritmo, o que acho uma pena. The Finals parecia um pouco mais rápido e mais responsivo no beta, enquanto agora parece um pouco mais lento. Fortnite ultimamente seguiu o mesmo caminho em termos de "movimento", enquanto Call of Duty: Warzone se moveu na direção oposta. Acho que a ideia de movimentos e ritmos mais lentos em geral é para melhor atender novos jogadores e não criar "lacunas de habilidade" como aconteceu em Warzone (1), mas eu provavelmente diria o contrário no caso de The Finals. É por isso que espero sinceramente que o Embark acelere um pouco o ritmo, novamente, para torná-lo mais parecido com o que fez na fase beta. Também espero que eles adicionem um modo battle royale puro com espaço para, digamos, 50 ou mais jogadores. Multijogador baseado em objetos como "Cashout" ou o mais tradicional "Capture the flag" pode definitivamente ser divertido, mas eu prefiro mais partidas de morte de pista única no final, onde é principalmente apenas sobre matar e não ser morto.

The Finals
Publicidade:

Se há algo pelo qual Embark deve realmente ser elogiado, é como a destruição funciona e contribui com uma dinâmica adorável nas batalhas com as quais nem Warzone, PUBG, Fortnite ou Apex Legends podem competir. Considerando que, por exemplo, Bad Company já completou 15 anos e já em 2008 continha destruição em tempo real nos ambientes, honestamente parece bastante estranho que não seja uma parte óbvia de jogos como Call of Duty: Warzone, PUBG ou Battlefield 2042. Especialmente depois de se familiarizar com The Finals e perceber o quão extremamente satisfatório realmente é explodir toda a ala oeste do prédio onde a equipe inimiga está coletando muito dinheiro, expondo-os completamente e deixando o fogo de atirador de seus companheiros dizimá-los para confetes virtuais. Já vi partidas em que arranha-céus inteiros foram destruídos, mesmo quando o jogo é um dos jogos mais bonitos do gênero.

The FinalsThe Finals

Trabalhando na Unreal Engine 5, a Embark mergulhou The Finals em estéticas que parecem ter sido em grande parte retiradas de Mirror's Edge. Isso, claro, tem muito a ver com a equipe de arte da Embark, incluindo os veteranos da Dice Robert Sammelin e o multitalentoso Andrew Svanberg Hamilton, que fizeram um trabalho brilhante com o design. The Finals realmente parece sua própria coisa sem parecer muito estranho, e esse estilo escandinavo repousa como um belo cobertor sobre toda a produção. O som também é bom. Muito bom. O ex-diretor de som de Dice, Andreas Almström, agora está liderando a equipe de som da Embark, o que é perceptível aqui. The Finals tem aquele som detalhado, extenso e bombástico que Battlefield costumava ter, mas hoje não tem. Ele também flui bem se eu jogá-lo no meu Omen 45L ou no meu PlayStation 5 e no final é fácil gostar The Finals. Para um jogo completamente gratuito, isso é absolutamente perfeito.

08 Gamereactor Portugal
8 / 10
+
Ambientes destrutíveis muito agradáveis, design original, som fantástico, ótima acústica, boa sensação nas armas
-
O ritmo da versão beta era preferível, tende a ficar um pouco confuso
overall score
Esta é a média do GR para este jogo. Qual é a tua nota? A média é obtida através de todas as pontuações diferentes (repetidas não contam) da rede Gamereactor

Textos relacionados

The Finals Score

The Finals

ANÁLISE. Escrito por Petter Hegevall

Os veteranos suecos de Battlefield no Embark Studios já lançaram seu concorrente de Fortnite e Petter tem trabalhado duro nos testes The Finals...



A carregar o conteúdo seguinte