Cookie

O Gamereactor utiliza cookies para assegurar que lhe proporciona a melhor experiência possível no nosso site. Se continuar, vamos presumir que está satisfeito com a nossa política relativa a cookies.

Português
análises
The Elder Scrolls Online: Greymoor

The Elder Scrolls Online: Greymoor - Review

Regressámos a Skyrim para enfrentar vampiros, lobisomens, e bruxas.

The Elder Scrolls Online: Greymoor

Embora The Elder Scrolls seja uma série que está presente há vários anos, e que já resultou em cinco títulos da saga principal, Skyrim é indiscutivelmente o jogo mais conhecido da saga, passado na região nórdica de Tamriel com o mesmo nome. Skyrim é precisamente o foco da nova expansão de The Elder Scrolls Online, Greymoor, embora se passe cerca de mil anos antes dos eventos de The Elder Scrolls V e do regresso dos dragões.

Desta vez não terá de lidar com dragões, mas antes com uma nova raça de vampiros, criados por uma estranha fonte de poder escondida na área subterrânea de Blackreach. Ao longo da aventura irá abordar uma série de temáticas sombrias, incluindo traição, morte, e escravatura, tudo envolto num tom mais gótico e macabro do que é costume em The Elder Scrolls Online.

Nem todos os vampiros de Skyrim são maléficos, e uma dessas exceções é Fennorian, de Ravenwatch, uma nova companheira que nos irá auxiliar durante a aventura. É que estes vampiros não querem ser dominados pelo novo lorde, e tudo farão para terminar o seu reinado ao longo de sete grandes missões de história. Pelo meio irá enfrentar um poderoso exército de vampiros, interagir com lobisomens, e explorar um misterioso círculo de bruxas. É uma história envolvente com vários pontos altos, embora sofra com alguns problemas de ritmo.

A expansão demora um pouco a arrancar, mastigando o início do jogo, mas felizmente começa a ganhar ritmo depois de entrar em Blackreach. A história principal deve ocupá-lo um pouco acima das dez horas, mas existe conteúdo secundário suficiente para ficar entretido durante muito mais, e em alguns casos, até gostámos mais deste conteúdo secundário do que da história principal, não só em termos do seu contexto e narrativa, mas até ao nível das atividades propostas.

No mundo de jogo irá encontrar Harrowstorms, que são novos eventos semelhantes aos Dolmens que conhecemos tão bem, mas também seis bosses de mundo, duas masmorras públicas, e uma série de outras atividades, incluindo um novo sistema de antiguidades. Para os mais corajosos existe ainda um novo Trial de doze jogadores, chamado Kynes Agis, que será tão desafiante quanto recompensador.

A assistir

Preview 10s
Next 10s
Publicidade

Este sistema de antiguidades foi particularmente interessante, por ser tão diferente, e por ser uma atividade que não envolve combate direto. Esta atividade é apresentada pelo novo Antiquarian Circle, que ao contrário de algo como as guildas de magos e guerreiros, não inclui uma série de missões para seguir. Em vez disso será presenteado com uma habilidade que permite encontrar tesouros conforme o jogo avança.

Para isso terá de usar um artefacto místico chamado The Antiquarian Eye, que ajuda a vasculhar a identificar a área onde está o tesouro que procura. Dependendo de vários fatores, pode ter de visitar várias áreas, ou receber imediatamente a localização do tesouro. Depois, quando o achar, terá de passar por um processo de escavação, que parece um mini-jogo de Minesweeper. Estes tesouros podem ser novas montadas, receitas para criar itens, animações, e uma série de outras curiosidades. Gostámos da adição do sistema de antiguidades, mas temos dúvidas que seja algo a que os jogadores se dediquem durante muito tempo. Supomos que tudo irá depender do tipo de recompensas oferecidas.

Ainda não falámos da nova região em si, Blackreach, que é impressionante em termos de estilo e design, sobretudo se apreciar um ambiente mais gótico e sombrio, como se pede de uma temática que envolve vampiros, lobisomens, e bruxas. Existe também uma agradável variedade de cenários, incluindo zonas nevadas, florestas, ruínas, masmorras, e áreas subterrâneas, tudo acompanhado por uma excelente banda sonora que ajuda a intensificar a atmosfera do jogo.

Apesar da narrativa em si apresentar alguns problemas, sobretudo em termos de ritmo e arranque, esta expansão vale bem a pena para qualquer fã de vampiros e de histórias sombrias. Se jogou The Elder Scrolls V: Skyrim, então tem também vários motivos para visitar Greymoor, pois poderá encontrar uma série de referências e visitar alguns locais conhecidos, como Solitude e Dragon Bridge. The Elder Scrolls Online: Greymoor está já disponível para PC e chega a PS4 e Xbox One a 9 de junho.

A assistir

Preview 10s
Next 10s
Publicidade
The Elder Scrolls Online: GreymoorThe Elder Scrolls Online: GreymoorThe Elder Scrolls Online: Greymoor
The Elder Scrolls Online: GreymoorThe Elder Scrolls Online: Greymoor
The Elder Scrolls Online: GreymoorThe Elder Scrolls Online: GreymoorThe Elder Scrolls Online: GreymoorThe Elder Scrolls Online: Greymoor

A assistir

Preview 10s
Next 10s
Publicidade
08 Gamereactor Portugal
8 / 10
+
Design de Blackreach é impressionante e diverso. Banda sonora adequa-se ao tem gótico. Missões secundárias alimentadas por boas histórias.
-
História principal demora a arrancar e deixa algumas pontas soltas.
overall score
Esta é a média do GR para este jogo. Qual é a tua nota? A média é obtida através de todas as pontuações diferentes (repetidas não contam) da rede Gamereactor

Textos relacionados



A carregar o conteúdo seguinte