Cookie

O Gamereactor utiliza cookies para assegurar que lhe proporciona a melhor experiência possível no nosso site. Se continuar, vamos presumir que está satisfeito com a nossa política relativa a cookies.

Português
Gamereactor
análises
Tales of Arise

Tales of Arise

Muito provavelmente o melhor jogo de Tales of.

HQ
HQ

A série Tales of nunca atingiu o nível de popularidade de outros RPG japoneses como Final Fantasy ou Dragon Quest, mas tem apresentando ainda assim vários títulos de qualidade elevada, como Tales of Vesperia e Tales of Xillia. Mas apesar da qualidade, já era por demais evidente que a série estava presa no tempo, tanto em termos técnicos, como a nível de mecânicas. Tales of Arise é uma resposta direta a isso mesmo, um projeto que esteve cinco anos em produção, e que marca a elevação da série a um patamar superior. Em muitos aspetos, Tales of Arise é o melhor jogo da série.

Mas antes de detalharmos os elementos técnicos e mecânicos, falemos um pouco da história. Tales of Arise passa-se no mundo de Dahna, um planeta tranquilo e pacífico que se viu envolto em violência quando o seu planeta gémeo, Rena, o invadiu. Rena é tecnicamente mais avançado, e usou os seus recursos para escravizar a população de Dahna, distribuindo lordes seus por várias zonas do planeta escravizado Sendo uma sociedade que respeita o poder acima de tudo, os lordes de Renan decidiram dar início um Concurso da Coroa, em que o lorde que colher mais recursos elementais do seu território em Dahnan será coroado soberano de Rena.

A história que irá acompanhar começa trezentos depois da invasão de Rena a Dahna, e irá seguir Alphen, um homem que usa uma máscara de ferro na cara, que sofre de amnésica, e que aparentemente não sente dor. A vida de Alphen enquanto escravo muda para sempre quando conhece Shionne, uma Renan que é perseguida pelo senhor local, e que involuntariamente envia um choque de eletricidade a quem lhe tocar. Shionne deseja derrubar os senhores Renan e, embora sejam personagens opostas em quase todos os sentidos, Alphen e Shionne unem forças para libertar Dahna e acabar com a opressão de uma vez por todas.

HQ

O que torna a história em Tales of Arise tão cativante não é sua premissa, mas a sua execução. Os elementos centrais da história serão sobejamente familiares para fãs do género JRPG, mas a narrativa é partilhada de forma envolvente, com muitas reviravoltas ao longo do caminho que a tornam interessante e imprevisível. O jogo anterior da série, Tales of Berseria, não hesitou em contar uma história mais sombria, e este é também o caso de Tales of Arise, que por vezes chega a ser assustador e até brutal. No final, podemos dizer que é uma das nossas histórias favoritas da saga Tales of.

Essa história é também reforçada por um excelente elenco de personagens. Em vez de personagens secundárias irritantes com vozes choronas e piadas de mau gosto, conhecemos seis personagens interessantes e com bons arcos narrativos próprios. Cada uma destas personagens carrega o seu próprio fardo, que poderá conhecer e desenvolver ao longo da aventura. Pode participar em diálogos opcionais com estas personagens, apresentados num formato parecido com banda desenhada. Certamente que alguns fãs prefeririam algo mais cinemático, mas parece-nos que estas sequências funcionam bem dentro desse quadro secundário. Também aqui temos de classificar o elenco de Tales of Arise como um dos melhores que conhecemos na série.

A história e as personagens, como tudo o resto, beneficia também de um tremendo melhoramento gráfico em relação aos títulos anteriores. O motor gráfico usado nesses títulos já demonstrava há muito sinais de envelhecimento, pelo que a mudança para o Unreal Engine 4 implica uma tremenda evolução a nível técnico e gráfico. Embora o estúdio se mantenha fiel ao estilo característico de Tales of, a qualidade das texturas, dos modelos gráficos, e das animações, é tremendamente superior. A diferença será ainda maior se estiver a jogar no PC ou nas novas consolas, onde o jogo pode correr a 4K/30 frames por segundo, ou 4K dinâmico/60 frames por segundo, apresentando um nível de fluidez delicioso.

Essa fluidez acrescida do modo desempenho das versões PS5 e Xbox Series X|S será particularmente evidente durante os combates. As batalhas acontecem novamente no seu próprio ecrã de combate, mas desta vez só estará a controlar uma das personagens em tempo real. Pode, contudo, alternar entre todas as personagens a qualquer momento, e ainda pode definir certos comportamentos para quando as personagens estiverem a ser controladas pela inteligência artificial. Pode mover-se livremente pelo campo de batalhar circular, executando ataques base, ou utilizando as suas Artes, que é o nome das habilidades especiais. Cada personagem tem os seus pontos fortes, que deve tentar aproveitar de acordo com os inimigos.~

Tales of AriseTales of Arise

Shionne, equipada com uma espingarda, é particularmente forte contra inimigos voadores, enquanto que Law é capaz de atacar para lá da armadura do oponente graças às suas capacidades de artes marciais. O combate promove também desvios e contra-ataques em tempo real, e apresenta-se como uma variação bem mais acessível - mas ainda mais profunda e entusiasmante - do combate dos jogos anteriores. Como referimos em cima, ver tudo isto a correr a 60 frames por segundo marca logo uma tremenda diferença para os Tales of anteriores.

Adorámos a história, as personagens, o sistema de combate, e a nova capacidade técnica, bem como o lindo mundo de jogo que irá explorar, mas nem tudo é positivo. Um dos maiores defeitos prende-se com os objetivos e as missões secundárias, que são muito básicas e até enfadonhas, muito abaixo da qualidade das missões principais. Nos últimos anos temos visto outros RPG apresentarem conteúdo secundário de grande qualidade, mas Tales of Arise ainda não está a esse nível. Dito isto, essas missões secundárias continuam a ser úteis para ganhar mais recursos. A banda sonora é outro ponto que nos desapontou ligeiramente. No geral, é boa, mas falta-lhe algo especial para realmente se destacar ou ser memorável.

Os fãs de Tales of esperaram pacientemente por este jogo, mas agora que o terminámos, estamos convencidos que não ficarão desiludidos por terem esperado cinco anos. Mais, o salto evidente a nível técnico, a história, e o combate, são suficientes para até convencerem jogadores que nunca jogaram Tales of, e mesmo que tenha experimentado um desses jogos no passado, e não tenha jogado, Tales of Arise é uma evolução suficiente para merecer uma oportunidade. Um dos melhores RPG de 2021, e um jogo obrigatório para fãs da série. Se Tales of Arise serve de exemplo, o futuro desta saga é muito risonho.

HQ
Tales of AriseTales of Arise
Tales of AriseTales of AriseTales of Arise
09 Gamereactor Portugal
9 / 10
+
Grande melhoria gráfica em relação aos antecessores. História envolvente com excelente elenco. Sistema de combate melhorado.
-
As atividades secundárias podiam ser melhores. Banda sonora não é a melhor que já ouvimos na saga.
overall score
Esta é a média do GR para este jogo. Qual é a tua nota? A média é obtida através de todas as pontuações diferentes (repetidas não contam) da rede Gamereactor

Textos relacionados



A carregar o conteúdo seguinte