Português
Gamereactor
análises
Skull Island: Rise of Kong

Skull Island: Rise of Kong

O pior jogo do ano está aqui e inclui mais bugs do que Cyberpunk 2077 e o único macaco mais feio que já vimos...

HQ

Como Kong se tornou aquele macaco gigante furioso? Como isso aconteceu, quais são suas origens e antecedentes? Essas são perguntas que eu, pessoalmente, nunca na minha vida ouvi ninguém fazer. É um grande macaco. Que é capturado e depois encantado por uma mulher em miniatura que ele carrega consigo para um telhado alto. Ter que explicar de onde vem sua "raiva" parece ridículo, mas ainda é a melhor, ou menos ruim, coisa sobre essa terrível perversão de licença.

Skull Island: Rise of Kong

Os pais de King Kong foram impiedosamente assassinados por um lagarto de horror roxo particularmente cruel e brilhante. Deixado sozinho, o primata molhado, jovem e sem noção sentou-se sob um arbusto e se perguntou o que fazer com sua vida sem sentido? Antes que o mato pudesse se assustar com o motor de jogo incompletamente inútil e cheio de bugs, Kong decidiu que o único caminho a seguir era vingar seu pai e sua mãe. Os lagartos do terror devem morrer. Todos eles. Todos devem morrer. Como fazer isso? Eles devem ser derrubados no topo da cabeça com um típico "Hulk Smash", vez após vez, vez após vez. Não há outro caminho e não há outro futuro para o descascador de banana mais temido do mundo do cinema.

Skull Island: Rise of Kong é um espetáculo a se contemplar. Esse tipo de jogo licenciado frouxo, preguiçoso e mal desenvolvido afogado em bugs e mecânicas de jogo ruins inundou as prateleiras há 20 anos, mas não tanto hoje. Muitas pessoas se lembram de Superman 64, Robocop: The Game, Rambo: The Game, Fight Club, Transformers: The Game, Iron Man ou por que não o péssimo jogo baseado na Mulher-Gato? Lixo, tudo isso. Mega lixo. E a história recém-lançada de King Kong da GameMill Entertainment se encaixa melhor com essa empresa, porque é genuinamente horrível. Incrivelmente ruim.

Publicidade:
Skull Island: Rise of Kong

Skull Island inicialmente parece ser da era PlayStation 3. Um mundo plano, mal detalhado e feio afogado em problemas de textura e a iluminação mais feia desde King Kong: O Jogo Oficial do Filme, de Peter Jackson. Você assume o papel de Kong, cuja única missão é ir do ponto A ao ponto B, navegando por cinco níveis e matando todos os lagartos que vê pelo caminho. Em termos de mecânica de jogo, trata-se de martelar o mesmo botão por cerca de quatro horas antes que a miséria acabe e o único desafio que existe aqui é tentar chegar ao final sem excluir o arquivo salvo ou cair em um buraco de textura, onde você fica preso (salvo automaticamente e bem).

Skull Island: Rise of Kong

A quantidade de bugs que encontrei durante minhas quatro horas com este jogo miserável não é nada para zombar, ou brincar. Cair no chão ou encontrar 1200 civis sem rosto em Cyberpunk 2077 parece uma lua de mel em comparação com isso, enquanto Kong e seus inimigos piscam como se estivessem presos em algum tipo de simulador de falhas. Em várias ocasiões tive que reiniciar o console que estava usando, meu arquivo salvo foi excluído e as "habilidades" que atualizei na árvore de habilidades extraordinariamente inútil foram esvaziadas. Há montanhas na Ilha da Caveira que pairam a 30 cm do chão, há arbustos colocados em cima de outros arbustos e há muitas texturas que não carregam junto com todos os outros problemas que vivem dentro de Skull Island: Rise of Kong.

Publicidade:

Além disso, pular junto com Kong é horrivelmente, incrivelmente, excruciantemente chato e seus ataques unilaterais são tão sem imaginação inúteis que parece uma verdadeira tortura ter que passar meio sábado com ele. Os cinco níveis são grandes e todos contêm chefes, o que certamente seria desafiador se não fosse pelo fato de que três deles ficaram presos nas texturas do chão e apenas piscaram enquanto eu jogava, permitindo que o pequeno Kong andasse por aí e Hulk os martelasse no arse.

Skull Island: Rise of Kong

Os gráficos, como já descrevi, são horríveis, e também não estamos falando apenas de toneladas de bugs e má otimização. O design é ainda pior do que todos os bugs. Os desenvolvedores Iguana Bee escolheram algum tipo de estilo de programa infantil gorduroso aqui, que parece super estranho e não tem nada a ver com King Kong ou o filme Ilha da Caveira, e ainda por cima King Kong e seus inimigos lagartos de terror parecem tão ameaçadores quanto um urso de pelúcia. Kong também é minúsculo e a escala é tão distorcida e mal feita aqui que a sensação de ser grande, nunca ocorre. Pelo contrário, como jogador, sinto-me um mini macaco.

Skull Island: Rise of Kong

Não ajuda o fato de que a narrativa é abismal, assim como a música e a apresentação. É simplesmente impossível encontrar uma única parte de Skull Island: Rise of Kong que não beira a quebra de recordes, e é por isso que sou forçado a distribuir nossa classificação mais baixa. Este é, de longe, o pior jogo do ano, sem qualquer dúvida.

01 Gamereactor Portugal
1 / 10
+
Apenas quatro horas de duração
-
Terrivelmente feio, toneladas de bugs ridículos, mecânicas de jogo inúteis, layout terrível, inimigos inúteis, narrativa pobre, batalhas risíveis etc.
overall score
Esta é a média do GR para este jogo. Qual é a tua nota? A média é obtida através de todas as pontuações diferentes (repetidas não contam) da rede Gamereactor

Textos relacionados

0
Skull Island: Rise of KongScore

Skull Island: Rise of Kong

ANÁLISE. Escrito por Petter Hegevall

O pior jogo do ano está aqui e inclui mais bugs do que Cyberpunk 2077 e o único macaco mais feio que já vimos...



A carregar o conteúdo seguinte