Cookie

O Gamereactor utiliza cookies para assegurar que lhe proporciona a melhor experiência possível no nosso site. Se continuar, vamos presumir que está satisfeito com a nossa política relativa a cookies.

Português
Início
análises
Pokémon Sword/Shield

Pokémon Sword/Shield

Como está o primeiro Pokémon verdadeiramente original de Nintendo Switch? Descubra-o na nossa análise.

A assistir

Preview 10s
Next 10s
Publicidade

Pokémon Sword/Shield não é o primeiro Pokémon de Nintendo Switch, mas é o primeiro que é totalmente original e construído de raiz para a consola, e provavelmente é também o jogo mais ambicioso que a Game Freak já produziu. Existe uma nova área para explorar, vários pokémons inéditos, novas mecânicas de jogo, e todo um novo grafismo digno da Switch, mas é isso suficiente? É o que iremos abordar na análise em baixo.

A sua 'casa' em Pokémon Sword/Shield será a região de Galar, de onde irá partir para uma grande jornada com o objetivo de ser coroado o melhor treinador. Para isso terá de completar o desafio do ginásio da região de Galar, que o colocará em confronto com oito líderes de ginásio. Ao derrotar cada um deles irá receber os respetivos emblemas, e depois de ter os oito terá de enfrentar Leon, o campeão em título. Existe, contudo, um lado pessoal nesta história, já que Leon é o irmão mais velho de Hop, um dos seus melhores amigos. Entre as batalhas terá muitas oportunidades para explorar grandes cidades, subúrbios, cavernas, florestas, vilas, e outras localizações.

Ou seja, a premissa de Pokémon Sword/Shield não é assim tão diferente do habitual para a série, mas oferece umas boas 40 (ou mais) horas de jogo de boa qualidade. Os diálogos das personagens são' engraçados e expressivos, além de serem também informativos. Nada de extraordinário, mas funciona. Quanto ao enredo geral, é simples, mas envolve o aparecimento de dois misteriosos pokémons lendários, além de várias personagens encantadoras. Ainda mais encantadores são os próprios pokémons que irá encontrar, e tudo junto criou uma experiência que nos apaixonou de princípio ao fim.

Apesar de toda a polémica em torno do National Pokédex estar ausente, Pokémon Sword/Shield inclui centenas de pokémons, incluindo formas Galarian, como Galarian Meowth e Galarian Zigzagoon, ambos completamente distintos. Para apanhar os pokémons terá de utilizar vários tipos de pokébolas, com diferentes graus de qualidades. Uma diferença deste jogo para os restantes, é que os pokémons são agora visíveis no mundo aberto, e não apenas quando é atirado para um combate. Também útil é o facto do jogo incluir um sistema partilhado de experiência, o que significa que depois de uma batalha, todos os seus pokémons recebem o mesmo número de experiência. Estes pokémons podem receber habilidades TM e RM, mas uma das novidades aqui é que não existem limites para a utilização das TM, que pode ser adquiridas em praticamente todos os centros de pokémons.

Pokémon Sword/Shield

Este Pokémon parece certamente mais amigável e prático, e isso é uma vantagem na nossa opinião. Por exemplo, para viajar já não precisava de um pokémon específico, basta apanhar um táxi voador numa das localizações. Esta maior acessibilidade não significa que o jogo tenha abdicado de profundidade, já que continuam a existir vários tipos de pokémons, estatísticas para consultar, e itens para manipular. Além disso, cada pokémon tem também as suas próprias particularidades, reforçadas quando tem artefactos especiais na sua posse. O que não mudou, contudo, foi o dinamismo dos combates, ainda que alguns elementos tenham sido introduzidos ou revistos para facilitar a jogabilidade.

Um desses novos elementos é Dynamaxing, que a Game Freak descreve como uma projeção da força interior dos pokémons. Na prática trata-se de uma função que pode ativar para aumentar o tamanho e o poder do pokémon em questão, que embora esteja acessível a todos os pokémons, só pode ser usada em determinadas batalhas. É uma função extremamente importante, que será certamente muito acedida durante os combates online, mas retira alguma profundidade ao jogo, já que algumas habilidades unem-se durante o Dynamaxing. Gostaríamos que tivesse o efeito contrário, e aumentasse as opções do jogador, mas visualmente oferece alguns dos pontos altos do jogo.

Alguns pokémons tem uma outra habilidade chamada Gigantimaxing, que aumenta o seu tamanho e lhes confere capacidade extra. É um pouco o oposto do Dynamaxing, já que aumenta as opções dos pokémons (ainda que apenas alguns), em vez de as diminuir.

Quanto ao mundo de jogo, utiliza um estranho sistema de câmara, em que algumas localizações não permitem mudar de perspetiva, e outras permitem rodar em 360 graus. Nessas áreas abertas pode encontrar um número quase infinito de pokémons, e até pode participar em batalhas Dynamaxing, desenhadas para até quatro jogadores (local ou online). São combates duros de roer, mas oferecem boas recompensas.

Será nestas áreas que irá descobrir o quão entusiasmante pode ser acampar, já que terá a oportunidade para interagir com os pokémons da sua equipa. Não é algo muito interativo, mas é divertido o suficiente para ajudar a criar uma ligação ainda maior com as suas criaturas. No acampamento também pode usar os ingredientes que apanhou para criar receitas, preparando pratos que conferem vários benefícios, incluindo aumentos de experiência.

Pokémon Sword/ShieldPokémon Sword/Shield

Um dos pontos em que os melhoramentos são óbvios em comparação com os jogos de 3DS é o grafismo. Embora não seja nenhum portento técnico, Pokémon Sword/Shield apresenta um estilo gráfico delicioso, sobretudo ao nível de ambientes, com vistas extremamente agradáveis e coloridas. O design dos pokémons é também detalhado e criativo, e mais importante que isso, mostra grande personalidade, sobretudo ao nível das novas criaturas. Gostámos também do 'espetáculo' em torno em torno das batalhas, sobretudo nos ginásios, com apoiantes dos dois lados. Tudo isto sem termos reparado em quebras evidentes de fluidez.

O nosso único problema em relação ao grafismo prende-se com as zonas abertas, que são algo vazias, sobretudo comparando com outras áreas do jogo. Considerando que é suposto passar muito tempo aqui a melhorar e a apanhar pokémons, esperávamos algo que fosse um pouco mais variado e agradável. Outra falha, pelo menos na nossa opinião, é o facto do jogo não incluir qualquer voz. É algo comum a jogos japoneses, mas começa a ser francamente cansativo ter de ler tantos diálogos sem qualquer tipo de voz a apoiar. Pelo menos existe boa variedade na banda sonora, misturando temas antigos com melodias novas.

Pokémon Sword/Shield é um jogo que consegue inovar em alguns aspetos, ainda que sem mudar demasiado, retendo alguns elementos do passado ao mesmo tempo que introduziu algumas novidades. Como RPG e jogo de Pokémon é bastante bom, e irá ocupar qualquer fã durante horas a fio. Existe a questão do Pokédex, mas não deixe que isso seja um impedimento, já que estamos a falar de um dos exclusivos da Switch para 2019.

Pokémon Sword/ShieldPokémon Sword/Shield
Pokémon Sword/ShieldPokémon Sword/Shield
08 Gamereactor Portugal
8 / 10
+
Região fantástica. Algumas batalhas fantásticas. Desafios dos ginásios. Novos pokémons. Gigantimaxing é uma boa novidade.
-
Algumas áreas do mapa pouco desenvolvidas. Dynamaxing é uma função limitada.
overall score
Esta é a média do GR para este jogo. Qual é a tua nota? A média é obtida através de todas as pontuações diferentes (repetidas não contam) da rede Gamereactor

Textos relacionados



A carregar o conteúdo seguinte