Cookie

O Gamereactor utiliza cookies para assegurar que lhe proporciona a melhor experiência possível no nosso site. Se continuar, vamos presumir que está satisfeito com a nossa política relativa a cookies.

Português
Início
especiais

Nintendo Switch Lite - Análise

Uma Switch que troca a capacidade para se ligar à televisão por um preço mais acessível.

Nintendo Switch Lite - Análise

A Nintendo Switch foi lançada como "a primeira consola híbrida do mundo", funcionando simultaneamente como consola caseira e consola portátil, uma estratégia que tem resultado às mil maravilhas para a Nintendo. Mas, apesar dessa natureza híbrida funcionar bem para a maioria, existem jogadores que apenas estão interessados na capacidade portátil da consola. É como resposta a esses jogadores que entra em cena esta Nintendo Switch Lite, uma versão mais pequena e compacta da Switch desenhada apenas para jogabilidade portátil.

Quando agarrámos na consola pela primeira vez, as palavras "leve" e "compacta" vieram-nos à cabeça. A Lite é bem mais confortável nas mãos que a Switch regular, resultado das suas dimensões reduzidas - 20.8 cm de largura, 9.14 cm de altura. Em termos de grossura, a Lite é idêntica à Switch, mas beneficia de um peso reduzido - 277 gramas em vez das 399 gramas da Switch regular. Em cima disto é também necessário considerar o design ligeiramente arrendado, para uma experiência ainda mais confortável para as mãos. Isto pode não fazer grande diferença em termos de sessões de jogo reduzida, mas estar a segurar na Switch durante uma hora ou na Lite durante uma hora, são coisas completamente diferentes. Por último, uma referência ao ecrã, que é de 5.5 polegadas na Lite e 6.2 na Switch regular.

Outra grande diferença está nos Joy-Con, que não existem nesta versão. Os controlos da Lite estão totalmente embutidos na consola e não podem ser retirados, ao contrários dos Joy-Con, que podem ser retirados e usados como um único controlo ou dois comandos. Isto significa que a Lite não permite partilhar um Joy-Con com um amigo, ou usar o seu sensor de movimento, o que automaticamente retira de hipótese a utilização de jogos cuja jogabilidade se concentre precisamente no sensor de movimentos. Esperamos que os próximos jogos consigam também distinguir se o jogador está na Switch ou na Lite, já que encontrámos algumas situações bizarras por faltar o sensor de movimentos. Em Super Mario Odyssey, por exemplo, o jogo continua a tentar com que o jogador use o sensor de movimentos para controlar Cappy, e até mostra o tutorial, algo absurdo considerando que isso é impossível na Lite. Mais uma vez, esperemos que a Nintendo arranje uma forma dos jogos distinguirem as duas consolas.

Nintendo Switch Lite - Análise

Existe, contudo, uma diferença positiva entre os comandos embutidos da Lite e os Joy-Con da Switch, que é o d-pad. Como a Nintendo 3DS, a Lite tem um d-pad por baixo do analógico esquerdo, uma novidade que muitos jogadores vão certamente agradecer, sobretudo os que jogam títulos 2D.

Sensor de movimentos à parte, os jogos correm na Lite como correm na Switch, e embora o ecrã seja mais pequeno, não tivemos qualquer problema de visualização, nem mesmo em jogos de ecrã dividido. Por falar em ecrã dividido, é preciso referir outra ausência da consola, que é o suporte traseiro. A Lite permite ligar Joy-Cons caso pretendam partilhar a experiência com amigos, tal como a Switch regular, mas tem um problema. Sem o suporte traseiro, a Switch tem obrigatoriamente de estar encostada a algo para não cair, o que dificulta a experiência multijogador local. Seja como for, a consola continua a suportar o mesmo tipo de ligações sem fios que a Switch, e é totalmente compatível com jogabilidade ad-hoc com outras consolas e online.

O principal atrativo da Lite é, sem dúvida, o preço. A consola está à venda nas lojas por € 219.99, enquanto que a Switch regular custa € 329,99. É uma diferença de 110 euros, o que é substancial. Outra questão é a da bateria. De forma arredondada, pode dizer-se que a Lite aguenta perto de uma hora extra de duração em comparação com a Switch original de 2017, contudo, dura quase menos uma hora que a versão da Switch que foi lançada este ano. Por outras palavras, a Switch deve durar entre as quatro horas de jogabilidade contínua, embora possa durar mais dependendo do jogo e das definições da consola.

A Switch Lite não é uma substituta para a Nintendo Switch, longe disso, é uma alternativa a quem apenas procura uma consola portátil. Isto significa que, mais do que a Switch regular, será a Nintendo 3DS a sofrer com o lançamento da Lite, porque para todos os efeitos, a Lite é a consola portátil que oferece a melhor solução de qualidade preço. A versão superior da Switch continua a ser a original, a versão híbrida que inclui Joy-Cons, mas a Lite cumpre perfeitamente o seu papel de consola portátil. É mais acessível para as carteiras, é mais confortável, mais leve, mais pequena, e a bateria dura mais tempo. Uma excelente opção para quem quer aderir à Switch por menos dinheiro, ou para quem simplesmente procura uma consola portátil.

Nintendo Switch Lite - Análise
Nintendo Switch Lite - AnáliseNintendo Switch Lite - Análise


A carregar o conteúdo seguinte