Cookie

O Gamereactor utiliza cookies para assegurar que lhe proporciona a melhor experiência possível no nosso site. Se continuar, vamos presumir que está satisfeito com a nossa política relativa a cookies.

Português
Início
análises
MediEvil

MediEvil

Não é Natal, mas o Espírito do Halloween Passado trouxe mais um exclusivo para a PS4.

A assistir

Preview 10s
Next 10s
Publicidade

Os re-lançamentos de jogos antigos normalmente dividem-se entre duas categorias: remaster, e remake. O remaster é algo como Resident Evil 4: HD Remaster, ou seja, o jogo original com uma resolução superior e alguns melhoramentos pontuais. Um remake, por outro lado, é um jogo criado totalmente de raiz, embora inspirado por outro jogo já existente, como Resident Evil 2. Ultimamente, contudo, começamos a ver alguns re-lançamentos que estão a meio caminho entre ambos, como os jogos de Spyro e Crash Bandicoot, e Shadow of the Colossus: Remake.

Por fora parecem jogos modernos, com grafismo totalmente renovado e afinamentos na jogabilidade, mas por dentro, são ainda os jogos antigos. É o caso deste novo MediEvil, que é um "semi-remake" do MediEvil lançado a 9 de outubro de 1998. O jogo foi construído de novo, mas segue um formato praticamente idêntico ao original, em termos de jogabilidade e design, e agora procura recuperar velhos fãs e atrair novos interessados num lançamento exclusivo para a PS4.

Se não jogou o original, fique a saber que MediEvil segue a história de um cavaleiro chamado Sir Daniel Fortesque, que outrora liderou o exército do rei e alcançou vitória contra o malvado feiticeiro Zarok. Parece um feito heróico, mas a verdade é que Sir Daniel foi atingido mortalmente por uma flecha logo no início da batalha, e não teve realmente participação no conflito.

Infelizmente, Zarok não foi totalmente eliminado, e agora - 100 anos depois da última batalha - está de volta para erguer novo exército de mortos-vivos. Sem perceber, contudo, Zarok também ressuscitou Sir Daniel, que agora tem nova hipótese de tentar ser um herói. Um século morto tem no entanto impacto no aspeto de uma pessoa, o que significa que Sir Daniel é pouco mais do que um esqueleto dentro da armadura que equipava quando morreu. Pior, falta-lhe um olho, que perdeu ao ser atingido pela flecha.

É uma premissa simples, mas divertida e bem humorada, que nos causou alguns sorrisos. O facto de termos jogado o original também ajuda, já que a essa disposição aliou-se também o sentimento de nostalgia.

MediEvil é um jogo de ação e aventura na terceira pessoa, que mistura combate simples, puzzles, e plataformas. Terá acesso a várias armas durante o jogo, desde arcos e adagas para atacar à distância, a espadas e bastões para golpear os inimigos mais próximos. A maioria destas armas tem um ataque secundário mais poderoso, ativado depois de ficar a carregar alguns segundos no botão correspondente. As armas não servem apenas para atacar inimigos, já que permitem também aceder a outras áreas de jogo, como o bastão, que pode partir rochas rachadas.

MediEvil

Ah, e já dissemos que Sir Daniel pode arrancar o seu próprio braço e usá-lo como arma? Sim, é verdade. O jogador tem ainda acesso a escudos para se proteger, mas estes escudos só conseguem suportar determinado número de golpes, pelo que têm de ser usados de forma inteligente. De forma geral, a jogabilidade é bastante sólida, seja em combate ou em secções de plataformas. Claro que mostra a idade comparando com títulos modernos, mas continua a ser divertido.

Ao longo dos níveis pode também encontrar gárgulas que oferecem vantagens ao jogador, ou reabastecem a munição, e ainda cálices, que são desbloqueados depois de eliminar um determinado número de inimigos. Estes cálices dão depois acesso a armas ou itens especiais.O design dos níveis é simples, mas tens os seus pontos de interesse e segredos.

MediEvil tem, contudo, alguns pontos negativos, como a câmara de jogo que não se decide entre ser manual ou fixa, e a dificuldade, que pode ser demasiado fácil depois da primeira hora de jogo. Desafio não é contudo o principal atrativo de MediEvil, logo não se trata de uma falha grave.

Para terminar numa nota mais positiva, vale a pena falar do grafismo e do som. Visualmente, esta versão de MediEvil é muito superior à original, já que tudo foi feito de raiz. Os modelos 3D estão detalhados, as texturas têm boa qualidade, as animações são mais complexas, e a iluminação ajuda a criar uma atmosfera adequada ao tom macabro (mas divertido) do jogo. O mesmo é verdade para a música e os efeitos sonoros, que enaltecem ainda mais essa atmosfera.

MediEvil é um jogo divertido, com bom humor, e um preço a condizer com o seu estatuto de remaster/remake - € 29,99. Para jogadores novos, talvez seja demasiado antiquado, mas para quem tem curiosidade sobre os jogos que encantaram a geração anterior de jogadores, ou para quem adorou o original e gostava de receber uma boa dose de nostalgia, é uma boa proposta.

A assistir

Preview 10s
Next 10s
Publicidade
MediEvilMediEvil
MediEvilMediEvilMediEvil
08 Gamereactor Portugal
8 / 10
+
Graficamente é muito superior ao original. Factor de nostalgia levado ao máximo.
-
A câmara nem sempre funciona bem. É demasiado fácil.
overall score
Esta é a média do GR para este jogo. Qual é a tua nota? A média é obtida através de todas as pontuações diferentes (repetidas não contam) da rede Gamereactor

Textos relacionados

MediEvilScore

MediEvil

ANÁLISE. Escrito por Roy Woodhouse

Não é Natal, mas o Espírito do Halloween Passado trouxe mais um exclusivo para a PS4.



A carregar o conteúdo seguinte