Português
Gamereactor
análises
Lisa: The Painful

Lisa: Edição Definitiva (O Doloroso, O Alegre)

Brad e Buddy finalmente chegam aos consoles com uma versão polida e completa de sua história comovente que não deixa ninguém indiferente.

HQ

Tenho pensado muito em como começar a falar sobre Lisa: Definitive Edition. De um lado, temos um (não um, mas dois!) jogo de aventura RPG de estilo clássico, inspirado na série Mother (aqui na Europa conhecemos como EarthBound) em seus aspectos artísticos e técnicos. Por outro lado, esta é uma das histórias mais dolorosas, difíceis e desconfortáveis que já vi em um videogame. E mantendo o equilíbrio está seu único desenvolvedor, criador, compositor e desenvolvedor, Austin Jorgensen, também conhecido como Dingaling. Então, Lisa: Definitive Edition é um bom videogame? A resposta é tão variável quanto cada jogador que consegue experimentá-la.

Lisa: The Painful

Para começar, a primeira coisa que será uma surpresa é que, mesmo que esta seja uma 'edição definitiva', o jogo fundamental da série está faltando. Lisa: The First não está incluído, e a personagem que dá nome à série (e que aparece parcialmente em certos momentos com as personagens titulares aqui) também serve como um dos fios que conectam toda a sua narrativa. É uma decisão parcialmente compreensível. Primeiro, porque Lisa: The First é um jogo amador feito com RPG Maker. Segundo, porque sua história trágica pode ser extraída justamente das cenas e diálogos com os personagens de The Painful e The Joyful. Mas se você não quer perder muito, aqui está a única premissa que você precisa saber: Lisa cometeu suicídio quando criança, e sua memória continua a assombrar seu irmão mais velho, Brad.

Como já mencionei, Lisa: The Painful e Lisa: The Joyful se baseiam diretamente em EarthBound em sua jogabilidade (um dos maiores crimes dos anos 90 é que na Europa não tínhamos acesso a essa maravilha até a loja digital do Wii U, embora atualmente possa ser desfrutada através do Nintendo Switch Online). Em sua essência está um RPG com combate por turnos e um forte foco em conversas e diálogos entre personagens. Os eventos inesperados e animações simples contrastam com o profundo desenvolvimento narrativo e de personagens.

Publicidade:
Lisa: The PainfulLisa: The Painful

Mas enquanto a história de Shigesato Itoi nos anos 90 era mais colorida e infantil, aqui é um conto totalmente adulto que fala sobre as consequências de nossas ações, como encaramos o fim e qual será nosso legado. Não há como negar que seu principal apelo são suas histórias: a história de Brad e a história de Buddy.

Lisa: The PainfulLisa: The Painful

A história de Brad - O Doloroso

O fato de a sequência de abertura de Lisa: The Painful ser uma criança sendo espancada por um grupo de valentões é apenas um aperitivo para o que está por vir. Brad é um jovem atormentado que sofre com os abusos de seu pai e a ausência de sua irmã Lisa. A cena seguinte se passa muitos anos depois, quando a Terra (ou Olathe, como é chamada neste universo) sofreu um apocalipse que dizimou todas as mulheres e a ordem social, reduzindo a humanidade a clãs em guerra, maníacos e senhores da guerra disputando sucatas. Brad agora é um adulto, vivendo com seus amigos de longa data e viciado em Joy, uma droga que suprime suas visões e paranoia sobre seu pai e irmã Lisa. Um dia, enquanto vagava pelo terreno baldio, ele encontra um bebê chorando e o leva para casa. Quando ele chega lá, ele descobre que é uma garota (a última na Terra) e decide reparar seus pecados, criando-a como sua, e mantendo-a escondida do mundo. Isso pode parecer ótimo em teoria, mas a verdade é que, à medida que essa criança (Buddy) cresce, ela se vê cada vez mais como prisioneira e não como um ser humano.

Publicidade:

Depois de voltar para casa um dia, Brad descobre que todos os seus amigos estão mortos e Buddy está desaparecido, e ele parte em uma cruzada para recuperá-la, enfrentando qualquer um que esteja entre eles. Ao longo do caminho, ele encontrará amigos (até 30 personagens podem se juntar ao grupo como aliados para o combate) e inimigos, todos com um desenvolvimento e história de fundo únicos, tornando cada jogo único. Na versão final, novas sequências de diálogos e missões secundárias também foram adicionadas. Não só os amigos são únicos pela forma como nos podem ajudar, mas também pelo peso que as suas vidas assumem, com as escolhas difíceis que o jogo logo coloca em cima da mesa. Essas escolhas podem ser escolher entre a vida de um amigo ou nossos pertences, outras vezes pode ser perder um braço, e outras pode ser vender nosso corpo como um mero brinquedo sexual. Já falei sobre como a Lisa: Definitive Edition pode ser perturbadora, mas questões como estupro, abuso infantil, drogas, violência gratuita e suicídio são normalizadas neste mundo. E cada passo que damos pode ser o último para nós ou para nossos amigos.

Lisa: The PainfulLisa: The Painful

Isso também porque você raramente sabe quem ou o que está à espreita ao virar da esquina. Os encontros são roteirizados, sim, mas você nunca sabe se está pronto para derrubar o inimigo ou grupo de inimigos à frente. O gerenciamento de itens torna-se crucial, tanto em consumíveis para recuperar a vida quanto para executar ataques poderosos. Garrafas vazias podem ser usadas para armazenar sopa ou para fazer bombas incendiárias, e nunca é demais ter um bom suprimento de Joy no caso de você ter o nervosismo e seus ataques físicos perderem seu efeito (há tantas restrições e modificadores de caráter aqui que é esmagador).

Coquetéis molotov abençoados. Agora sou grato por ter gasto uma hora e meia, uma dúzia de vidas para conseguir três delas, senão não teria conseguido derrotar a primeira abominação. Estes são alguns dos adversários mais fortes do jogo, e possivelmente os que lhe darão mais agravamento e mortes permanentes. Sim, eles agora introduziram um Painless Mode (um modo mais fácil), mas isso só mitiga o que é um jogo difícil e exigente como poucos.

Se você chegou até aqui, pode parecer que sofri com cada passo do jogo, mas nada poderia estar mais longe da verdade. Lisa: Definitive Edition é dor, mas também é muita risada. Cada acontecimento ou situação tem uma ponta cômica que oscila entre a loucura deste mundo e o diálogo surreal de homens que às vezes depositam suas esperanças ou suas vidas em uma canção, ou mesmo em uma galinha. No entanto, quando a história de Brad em Lisa: The Painful chega ao fim, sentimos um vazio e desconforto que raramente é transmitido por uma obra tão visualmente simples. E depois de Brad, é a vez de Buddy.

Buddy's Story - O Alegre

Idêntico em tom e jogabilidade, Lisa: The Joyful se concentra na aventura solo de Buddy ao redor do mundo como a única mulher na Terra. Isso significa que, além do constante perigo físico e sexual, ela desenvolveu uma desconfiança psicótica limítrofe em relação ao resto do mundo, tornando isso (com poucas exceções) uma odisseia solo. The Joyful também apresenta alguns dos novos diálogos e situações mais duras, como remorso pelo final do jogo anterior.

Lisa: The PainfulLisa: The Painful

Você poderia dizer que Lisa: The Joyful é sobre redenção e autoperdão, mas isso é algo para o jogador descobrir. Além disso, se você ficou querendo um combate mais épico, The Joyful tem o mais difícil de oferecer até agora (e alguns novos finais), então você pode repetir essa história e nunca mais experimentá-la da mesma maneira.

Em suma, Lisa: Definitive Edition é a melhor maneira de aproveitar essa história difícil que envolve e julga você como jogador de uma maneira que poucos jogos poderiam oferecer, mesmo entre os de grande orçamento. Embora Dingaling tenha prometido traduções oficiais para 12 novos idiomas, esse patch pós-lançamento ainda não chegou e está disponível apenas em inglês. Talvez isso afaste algumas pessoas, talvez sua história seja demais para outras. Sua dificuldade (embora agora tenha um modo mais fácil) também deixará alguns jogadores corajosos pelo caminho. Mas aqueles que chegarem ao fim serão verdadeiramente tocados por algo especial e mudados para sempre. E não é para isso que todos jogamos?

Lisa: The PainfulLisa: The PainfulLisa: The Painful
09 Gamereactor Portugal
9 / 10
+
Uma história soberba, cheia de personagens memoráveis e momentos para recordar.
-
Difícil mesmo no Modo Indolor. Às vezes é confuso ver o próximo passo. Não é adequado para os sensíveis.
overall score
Esta é a média do GR para este jogo. Qual é a tua nota? A média é obtida através de todas as pontuações diferentes (repetidas não contam) da rede Gamereactor

Textos relacionados



A carregar o conteúdo seguinte