Português
análises
Godfall

Godfall

Muito brilho e gráficos bonitos, mas pouca substância.

A assistir

Preview 10s
Next 10s
Publicidade

Uma face robótica chamada The Sanctum plana perto de nós, envolta numa luz florescente azul. Aparentemente precisamos criar uma "Valorplate" chamada Archo of Rebirth para a nossa personagem, Orin, e só depois seremos capazes de nos tornarmos em Phoenix e atacar uma nova dimensão baseada nos quatro elementos. De início, Orin é um homem enfiado dentro de uma armadura brilhante, mas perto de uma hora de jogabilidade depois, tornou-se numa mulher - ainda que a sua voz continue grossa. Depois disso, Orin tornou-se novamente num homem, guiado por The Sanctum, que está para Orin como Cortana está para Master Chief.

Confuso? Nós também, porque a mitologia de Godfall não faz sentido nenhum. É um mundo cheio de nomes, raças, fações, itens, e tipos de inimigos bizarros, que o jogo atira para cima do jogador durante as primeiras horas de jogo. Quase que nos distraiu do quão monótono estava a ser Godfall. Quase.

Godfall é basicamente um RPG de ação à base de loot, uma espécie de Diablo, mas jogado com uma perspetiva na terceira pessoa em cima do ombro, e ação mais direta. A jogabilidade passa-se em corredores bastante lineares, é tudo muito focado em combates e na evolução da personagem. O grande objetivo? Ganhar poder suficiente para derrubar Macros, o irmão de Orin, que pretende tornar-se um deus a qualquer custo, mesmo que isso custe a destruição de todo o reino.

GodfallGodfall

As batalhas são bastante simples, com um esquema de jogabilidade tradicional: ataque rápido com R1, ataque forte com R2, desvio com o X, e escudo com o L1. Um elemento particularmente positivo em relação ao combate é o peso das personagens e o impacto do golpes, o que dá uma excelente sensação à jogabilidade. O movimento é menos positivo, e até algo restritivo - nem seque pode saltar -, mas funciona que baste, sobretudo considerando o quão pesada parece ser a personagem.

Embora competente, a jogabilidade não é suficiente para afastar a ideia de que estamos a jogar algo mais do que uma demo técnica para gráficos. O mundo, com todo o seu brilho e detalhe, não parece credível, a história é confusa, e as personagens não são interessantes. Em cima disso, os inimigos são incrivelmente monótonos e repetem-se vezes sem conta - nem os bosses conseguem oferecer um desafio imaginativo.

Mas, tecnicamente, é um jogo impressionante. Como quase todos os jogos na PS5, Godfall oferece um modo resolução, a 4K nativo, e um modo de desempenho, a 60 frames por segundo mas com uma resolução mais baixa. E como em praticamente todos os jogos que testámos até aqui na PS5, preferimos com alguma vantagem o modo desempenho, graças à fluidez de jogo que transmite. Nesse aspeto é realmente impressionante, embora seja tudo, infelizmente, fogo de vista sem grande substância. É o pior jogo do lançamento da PlayStation 5, na nossa opinião, e não conseguimos mesmo encontrar justificação para os € 79,99 que exige. Infelizmente parece-nos um jogo que rapidamente cairá no esquecimento dos jogadores, e que só teve alguma atenção porque é um dos títulos de lançamento da PlayStation 5.

A assistir

Preview 10s
Next 10s
Publicidade
GodfallGodfall
GodfallGodfallGodfall
05 Gamereactor Portugal
5 / 10
+
Design extravagante. Excelentes efeitos de luz. Mecânicas de combate com impacto.
-
Jogabilidade e inimigos sem grande inspiração. Sistema de loot aborrecido. Pouca variedade. Mitologia confusa.
overall score
Esta é a média do GR para este jogo. Qual é a tua nota? A média é obtida através de todas as pontuações diferentes (repetidas não contam) da rede Gamereactor

Textos relacionados

GodfallScore

Godfall

ANÁLISE. Escrito por Petter Hegevall

Muito brilho e gráficos bonitos, mas pouca substância.



A carregar o conteúdo seguinte


Cookie

O Gamereactor utiliza cookies para assegurar que lhe proporciona a melhor experiência possível no nosso site. Se continuar, vamos presumir que está satisfeito com a nossa política relativa a cookies.