Cookie

O Gamereactor utiliza cookies para assegurar que lhe proporciona a melhor experiência possível no nosso site. Se continuar, vamos presumir que está satisfeito com a nossa política relativa a cookies.

Português
Gamereactor Portugal
especiais
Borderlands

Jogos que Marcaram Gerações: Borderlands

O jogo que mais tarde inspiraria títulos como Destiny e The Division.

Estas últimas semanas foram fantásticas para fãs de Borderlands. Depois de muitos anos de antecipação, Borderlands 3 foi anunciado para PC, PS4, e Xbox One, a Gearbox lançou uma versão remasterizada de Borderlands, e ainda disponibilizou um pacote de 4K para Borderlands: The Handsome Collection. Ao todo, são agora cinco os jogos baseados na saga: Borderlands, Borderlands 2, Borderlands: The Pre-Sequel, Borderlands 3, e Tales from the Borderlands (excelente jogo narrativo da Telltale Games).

Mas porque é Borderlands um jogo tão adorado? E de que forma influenciou a indústria de videojogos? É a isso que pretendemos responder com este artigo, mas a resposta mais simples, é o facto de Borderlands ter sido um jogo à frente do seu tempo. Em parte, isso deveu-se ao facto de permitir que os jogadores desfrutassem do mundo de Borderlands de forma cooperativa, e embora não fosse o primeiro a fazê-lo, funcionava melhor que a maioria.

Mais importante ainda, Borderlands é essencialmente o pai do género "looter/shooter", servindo como o modelo que inspirou jogos como Destiny, The Division, e Anthem. Na altura o a expressão "looter/shooter" ainda não existia, e assim, muitos classificaram Borderlands como um jogo de ação na primeira pessoa, com um sistema de loot a lembrar Diablo. O jogo está carregado de armas divertidas e originais, largadas de forma constante pelos inimigos e por tesouros, e essa revelou ser uma "cenoura" deliciosa para os jogadores seguirem. Estávamos sempre à procura de uma arma melhor, e sempre que isso acontecia, era uma sensação fantástica, sobretudo porque os atributos das armas eram gerados de forma aleatória, o que significa que, por vezes, parecia que tínhamos ganho a lotaria das armas quando saia uma arma particularmente fantástica.

Esse conceito regressou ainda melhor nos Borderlands seguintes, e é a base que continua a manter jogadores em Destiny e semelhantes. A procura pelas melhores armas e equipamento é um poderoso elemento motivador, que já vem desde o primeiro Diablo, mas foi Borderlands que se lembrou de unir esse aspeto a um jogo de ação na primeira pessoa.

Borderlands não era, contudo, apenas loot. Os jogadores tinham acesso a leque de personagens jogáveis, cada uma com os seus próprios atributos, e como num RPG, podiam evoluir essas personagens conforme avançavam no jogo. Isto tornava a experiência altamente pessoal, e num grupo de vários jogadores, dificilmente seriam dois idênticos, ou porque tinham personagens diferente, ou evoluções diferentes, ou até, armas diferentes.

Se o loot pode ser responsável por ter mantido os jogadores imenso tempo, terá sido a personalidade e o carisma do jogo a atraí-los numa primeira fase. Borderlands é uma abordagem complemente louca ao género pós-apocalíptico, apresentando um mundo e personagens que está a meio caminho entre o excêntrico e o totalmente louco, mas sempre engraçado e divertido. Desde o Psycho que se tornou figura de capa, ao irritante Claptrap, Borderlands está recheado de um elenco memorável, que só se tornou melhor com os jogos seguintes (Handsome Jack é um óbvio destaque).

O estilo visual foi outro elemento que ajudou a distinguir Borderlands, utilizando a técnica Cel-Shadings para apresentar cores vivas e traços muito fortes em torno das personagens, quase lembrando as artes de bandas desenhadas. O mesmo pode ser dito do aspeto auditivo, que além de contar com uma excelente faixa sonora, incluída também interpretações fantásticas e memoráveis dos atores.

É por tudo isto que Borderlands, além de ser um jogo de grande qualidade por direito próprio, serviu também de inspiração para vários títulos que se seguiram. Gostámos do anúncio de Borderlands: Game of the Year Edition, porque trata-se de um jogo que merece ser experienciado por fãs do género. Com grafismo melhorado, suporte para 4K e HDR, afinações à jogabilidade, melhoramentos de qualidade de vida incluindo um mini-mapa, e novas armas, Borderlands: Game of the Year Edition é um pedaço de história que nunca esteve em melhor forma do que hoje.

BorderlandsBorderlands
BorderlandsBorderlandsBorderlands