Gamereactor follow Gamereactor / Dansk / Svenska / Norsk / Suomi / English / Deutsch / Italiano / Español / Français / Nederlands / 中國
Gamereactor Close White
Iniciar sessão






Esqueceu-se da password?
Não estou registado mas quero registar-me

Prefiro iniciar sessão com a conta de Facebook
especiais

TOP 5: Melhor Jogo de Terror 2017

Jogos de terror não costumam ser abundantes, mas este ano foi rico em opções de qualidade.


Facebook
TwitterRedditGoogle-Plus

Nota de redação: As classificações nas categorias indicam a qualidade dos jogos somente nesse campo específico, e não como um todo. O facto de um jogo estar acima de outro numa categoria específica não significa que seja globalmente melhor ou pior.

Observer
Plataformas: PC, PS4, Xbox One

"O enredo em si é bastante cativante, e a experiência é enriquecida por um design competente de níveis e missões. À semelhança de Layers of Fear, vão navegar os mesmos corredores e salas durante toda a aventura, com exceção de sequências intercalares de psicose. A saúde mental (ou falta dela) da personagem influenciou imenso o design do jogo, e os seus níveis de stress e ansiedade são representados por filtros de "glitches" que cobrem o ecrã. É uma mecânica eficaz, ainda que eventualmente se torne repetitiva e cansativa. Chega a ser particularmente irritante quando acontece durante a leitura de um texto."

Ler análise completa.

Darkwood
Plataformas: PC

"Logo a partir do início do jogo, os jogadores são colocados numa narrativa complexa onde vão desempenhar vários papéis, gerar percursos alternativos para a estória, e desbloquear um de múltiplos finais. Por isso tudo, a narrativa de Darkwood pode ser muito única ao jogador. É uma estória com o tipo de melancolia surreal que tornou Twin Peaks popular, mas é o seu design bizarro que torna Darkwood tão convincente como jogo de terror. Não é um jogo que vai atrás de sustos falsos, mas de uma experiência tensa e enervante - não é para saltar, é para roer as unhas."

Ler análise completa.

Outlast 2
Plataformas: PC, PS4, Xbox One

"À semelhança de Alien: Isolation, a mecânica de fuga e esconderijo é algo que confere uma grande sensação de impotência ao jogador. Entre os vários tipos de cenários que vão experimentar, vão encontrar muitos locais que podem servir de esconderijo, e bem serão necessários, enquanto fogem em pânico de doidos varidos equipados com facas enorme. O ambiente e o design ajudam a uma tensão superior que a do jogo anterior, mas a inteligência artificial melhorada também tem mérito."

Ler análise completa.

The Evil Within 2
Plataformas: PC, PS4, Xbox One

"Os controlos em si funcionam bem para os dois lados da jogabilidade, embora Sebástian tenha um movimento algo desengonçado. A sua pontaria também está longe de ser ideal, mas é algo natural quando o objetivo é causar tensão no jogador - não seria grande desafio se estivessem a atirar disparos na cabeça a torto e a direito. Considerando as limitações auto-impostas do género de terror, a jogabilidade de The Evil Within 2 funciona bastante bem."

Ler análise completa.

Resident Evil 7: Biohazard
Plataformas: ?????????

"Os eventos de Resident Evil 7 passam-se ao longo de uma noite, a desculpa perfeita para a Capcom brincar com várias técnicas de iluminação e sombra. Este é um jogo escuro, sombrio, e opressivo, que consegue criar tensão graças ao excelente design visual e sonoro, mas mais importante que isso, não tenta assustar o jogador com saltos baratos. Os sustos que o jogo tenta criar são muito espaçados e eficazes, de tal forma que não conseguimos conter algumas reações genuinamente assustadas. O som é também muito importante, já que a maioria do que vão ouvir ao longo do jogo são os passos de Ethan - e quando ouvem algo mais, é assustador."

Ler análise completa.