Português
Gamereactor
análises
Company of Heroes 3

Company of Heroes 3 para console

A Relic se propôs a criar uma experiência RTS sólida no console, mas será que conseguiu?

HQ
HQ

O gênero RTS nunca realmente se apoderou de mim; Claro, eu tive alguns bons momentos com Command and Conquer e StarCraft, mas foi só quando Company of Heroes pousou no meu velho PC cansado em 2006 que as coisas realmente decolaram para mim e para o gênero RTS.

Company of Heroes 3 chegou ao PC no final de fevereiro e agora as edições PlayStation 5 e Xbox Series X/S chegaram. Já se passaram 10 anos desde a última vez que temos um jogo completo na série Company of Heroes e este novo jogo é de longe o maior até agora. Apresenta duas campanhas, a primeira e maior das quais se passa na Itália em 1943 e trata da invasão que levou à queda dos fascistas e à morte de Mussolini.

Tudo começa na Sicília e através de várias grandes batalhas contra os nazistas, você luta seu caminho para o norte em direção a Roma. A história é contada através de algumas sequências estáticas e cartas de soldados para familiares e amigos, dando uma visão de como a guerra era brutal na época.

Publicidade:
Company of Heroes 3
Company of Heroes 3Company of Heroes 3

A jogabilidade em Company of Heroes 3 é dupla. Parte do jogo é baseado em turnos e se passa em um mapa estratégico, onde você move suas unidades, que podem ser unidades com tanques, unidades a pé, aviões e navios ao longo da costa que podem bombardear o litoral e as cidades que você deseja tomar. As cidades portuárias, vilas e aeródromos que você captura oferecem diferentes opções, como enviar aviões de aeródromos, cidades com hospitais podem curar seus soldados feridos e cidades portuárias fornecem acesso a mais tropas.

Você recebe regularmente recomendações estratégicas do general britânico Norton, do general americano Buckram ou do líder partidário italiano Valenti. Eles raramente concordam e, dependendo de quais recomendações você escolhe seguir, você construirá um relacionamento com o comandante em questão, o que desencadeia vários bônus que vão desde paraquedistas e apoio terra-ar até poder de fogo extra do mar. Depois de fazer suas escolhas, você termina seu turno e é a vez do seu oponente se movimentar.

Publicidade:

Muito parecido com um RPG baseado em turnos, o jogo muda de personagem quando você entra em batalha. Neste ponto, o jogo se torna um RTS tradicional onde você participa de uma batalha muito específica. Aqui você tem que estabelecer seu centro de comando, estruturas de apoio e bases avançadas, mover companhias, dar ordens aos seus soldados para se mover, atacar ou plantar minas e afins.

Vale a pena mencionar um recurso muito útil chamado Pausa Tática. Isso significa que você pode pausar o jogo e, enquanto ele está pausado, você pode emitir uma série de ordens para suas tropas, que são então enfileiradas e quando você retoma o jogo, essas ordens são executadas ao mesmo tempo. Então, se você ficar um pouco estressado no calor da batalha, você sempre pode usar essa opção para pensar com calma em seu próximo movimento, dar suas ordens e, em seguida, reiniciar o jogo. Para um jogador RTS não tão hardcore como eu, esta é uma opção muito boa que eu acho que os jogadores RTS hardcore não vão gostar, mas felizmente você pode optar por não usá-lo.

A segunda campanha do jogo chama-se North African Operation e esta campanha é um pouco menor do que a italiana. Há oito missões que levam você para o outro lado da guerra enquanto assume o controle das unidades de tanques DAK (Deutsches Afrikakorps) no deserto africano sob o comando do estrategista Rommel. Esta campanha parece mais aberta, pois acontece no deserto e não é tão tática quanto se mover pelas ruas estreitas das aldeias italianas. Mas é ótimo poder controlar unidades de tanques pelo deserto.

Além das duas campanhas, você também pode jogar Skirmish, onde você pode escolher o modo Ponto de Vitória ou Aniquilação lutando contra unidades controladas por computador e com diferentes conjuntos de regras que você mesmo define. Em seguida, há multiplayer competitivo e cooperativo para até 8 jogadores, onde você pode jogar como Forças dos EUA, Forças Britânicas, mas também como Wehrmacht e Deutsches Afrikakorps. Acho que está claro que o foco tem sido nas duas campanhas, já que nem Skirmish nem a seção multiplayer oferecem muito em termos de novos recursos, mas ambos funcionam como deveriam.

Jogos desse tipo funcionam melhor com teclado e mouse, e o mesmo acontece com Company of Heroes 3. No entanto, os desenvolvedores criaram um esquema de controle razoável que funciona bem com um controlador, mas é preciso um pouco de se acostumar e, em situações agitadas, pode ser um pouco complicado demais para trabalhar. Mas funciona bem e você tem que perceber que o controle com um controle em um jogo desse tipo nunca será tão bom quanto com um mouse e teclado.

Company of Heroes 3
Company of Heroes 3Company of Heroes 3

Os gráficos em Company of Heroes 3 são uma mistura estranha. A Itália é um lugar bonito e as aldeias estão cheias de belas e detalhadas casas e outras estruturas. Tudo pode ser esmagado irreconhecível quando, por exemplo, alguns tanques inimigos se chocam uns com os outros nas ruas estreitas. O mapa estratégico, no entanto, é um tanto simples e não muito bonito. Company of Heroes 3 oferece duas configurações gráficas: Performance (1080p a 60fps) e Resolução (4K a 30fps). Estou um pouco surpreso que um jogo com gráficos tão relativamente simples não seja otimizado para rodar em 4K a 60fps. Se você for de Resolução para Desempenho, os gráficos têm um claro impacto visual, então você deve se perguntar se você precisa de 60fps em um jogo desse tipo. Por outro lado, o áudio é bastante excelente, com algumas explosões pesadas e boas vozes de suas unidades enquanto você as move.

Com Company of Heroes 3, a Relic Entertainment prova que a série ainda não morreu. As duas campanhas oferecem muitas horas de jogabilidade e eles se sentem frescos e emocionantes. A combinação de RTS e estratégia baseada em turnos funciona bem e proporciona uma boa mudança de ritmo. Os controles são razoáveis, mas demoram um pouco para se acostumar, enquanto os gráficos são atmosféricos e detalhados por um lado, mas parecem estranhamente não otimizados por outro.

Uma coisa é certa, e é que o jogador com mentalidade estratégica encontrará muitas horas de jogabilidade em Company of Heroes 3, e se você não tiver acesso a um PC para jogar, a versão de console é uma boa segunda escolha.

HQ
Company of Heroes 3
08 Gamereactor Portugal
8 / 10
+
Boa trilha sonora, pausa tática, duas campanhas bem diferentes, muitas horas de gameplay.
-
Os gráficos são uma mistura estranha não otimizada, os controles são um pouco nodosos às vezes.
overall score
Esta é a média do GR para este jogo. Qual é a tua nota? A média é obtida através de todas as pontuações diferentes (repetidas não contam) da rede Gamereactor

Textos relacionados

Company of Heroes 3Score

Company of Heroes 3

ANÁLISE. Escrito por Marco Vrolijk

Um ótimo jogo RTS que melhora o que já funcionou bem, mesmo que tenha suas desvantagens.



A carregar o conteúdo seguinte