Cookie

O Gamereactor utiliza cookies para assegurar que lhe proporciona a melhor experiência possível no nosso site. Se continuar, vamos presumir que está satisfeito com a nossa política relativa a cookies.

Português
Início
análises
Blair Witch

Blair Witch

Um dos melhores projetos baseados em Blair Witch desde o filme original.

A assistir

Preview 10s
Next 10s
Publicidade

A Bloober Team ganhou nome nos últimos anos com o lançamento de jogos como Layers of Fear e Observer, mostrando um foco muito específico em jogos de terror. Isso valeu-lhe a oportunidade de produzir um jogo baseado no universo de Blair Witch, e ainda por cima com uma história completamente original.

O estúdio parece estar mais confortável com jogos na primeira pessoa e manteve essa tendência em Blair Witch, passado na floresta de Burkittsville em Maryland. Aqui vai assumir o controlo de Ellis, um homem com um passado perturbador e um cão chamado Bullet, que decide ir para a floresta à procura de um rapaz desaparecido. Tudo se passa em 1996, ou seja, dois anos antes do evento do filme original.

Ao longo da sua busca pelo rapaz, Ellis vai partilhado flashbacks do seu passado com o jogador, revelando pouco a pouco como ele e Bullet chegarão a este ponto no tempo. Convém, contudo, não falar muito mais da história, já que esse é um dos pontos fulcrais do jogo, e com uma duração a rondar as cinco horas, não há muito por onde desenvolver sem revelarmos demasiado.

Tudo o que precisa de saber é que, além de Bullet, está completamente sozinho e vulnerável numa floresta que já reclamou várias vidas. Esta premissa é talvez o ponto mais forte de Blair Witch, perfeita para um jogo de terror. Por exemplo, em interiores sabem quais são as direções, de onde pode vir algo, mas no meio da floresta a situação é muito mais tensa, já que o espaço amplo e a escuridão são perfeitos para intensificar a paranóia do jogador.

Embora a floresta seja um espaço aberto, o jogo consegue guiar o jogador de forma algo subtil e eficaz. Não usa setas ou algo do género para indicar o caminho, mas antes pormenores de cenário que atraem a atenção do jogador para o percurso a seguir. Isto não significa que não existam momentos em que pode andar perdido, mas pela maior parte do tempo não nos sentidos frustrados, e ainda conseguimos descobrir alguns segredos quando saímos do percurso mais óbvio.

A assistir

Preview 10s
Next 10s
Publicidade

Como deve calcular, Blair Witch é um jogo muito escuro, e apenas uma tocha e a visão noturna da câmara ajudam a ver com alguma claridade. Isto cria uma experiência muito tensa, já que existe mesmo algo perigoso na floresta, o que nos leva a um dos defeitos do jogo - os monstros.

Estas criaturas não são totalmente visíveis, e manifestam-se sobretudo na forma de silhuetas e sombras, mas um dos grandes segredos do filme Blair Witch foi precisamente o facto de não mostrar qualquer tipo de criatura. Sabíamos que estava algo lá fora, mas não sabíamos o quê. A boa notícia é que estes monstros são usados de forma espaçada, e não são agressivos ao ponto de se tornarem irritantes. Mesmo quando aparecem, existe Bullet para avisar o jogador da sua presença e posição. Um dos momentos mais eficazes envolve momentos em que os monstros estão invisíveis, e o jogador tem de usar a câmara para tentar perceber a sua posição e evitá-los.

Isto, infelizmente, leva-nos a falar de um dos pontos mais irritantes da experiência - secções furtivas onde o jogador perde de imediato assim que é visto. Neste caso é necessário seguir um trilho traçado pela câmara, mas o facto dos inimigos estarem tão próximos desse trilho acaba por tornar estes momentos num exercício de frustração. Ver um monstro saltar para a nossa personagem pela quinta vez é receita certa para que a tensão e o nervosismo seja substituídos por irritação e aborrecimento.

Bullet é outra peça vital do jogo, e uma das maiores formas de interação que o jogador tem. Terá acesso a uma roda de comandos que permite ralhar com Bullet, pedir para que sente, para que siga, ou para que procure. Por vezes apareceu junto de nós com objetivos que tinha descoberto, incluindo alguns itens vitais para a história. E sim, também pode fazer festinhas ao cão e oferecer-lhe biscoitos.

Blair Witch tem também algumas mecânicas escondidas que vão determinando o avançar da história e a sua conclusão. A forma como tratam Bullet, as decisões que tomam, a regularidade com que usam o telemóvel, e o número de totens destruídos, são tudo fatores que contribuem para o desenrolar da história.

Outra componente da jogabilidade são os puzzles que vai encontrar pelo caminho, alguns físicos e práticos, outros um pouco mais sobrenaturais, como usar uma imagem da câmara em que uma porta está aberta para a abrir na vida real, por exemplo. É uma mecânica um pouco bizarra, mas faz sentido considerando que estamos a falar de um mundo onde parte da premissa é precisamente tentar perceber o que é e o que não é real.

Blair Witch

Os puzzles nunca nos pareceram fora de sítio, e tudo está devidamente contextualizado no universo de Blair Witch. É uma experiência de jogo imersiva, que cria momentos de tensão, não porque existem muitos encontros ou momentos assustadores, mas porque estará grande parte do tempo a antecipar o que irá acontecer a seguir. Fãs do filme também vão certamente apreciar a oportunidade para explorarem a casa original, altamente detalhada no jogo.

Blair Witch é também um jogo de boa qualidade gráfica, apresentando cenários detalhados que são enriquecidos por um bom sistema de iluminação (ou falta dela). Também apreciámos a variedade de cenários do jogo, já que tem mais para oferecer do que somente a floresta ou a casa. E claro, a qualidade dos efeitos sonoros também ajuda e muito à criação de um ambiente eficaz.

Gostámos bastante da experiência de jogo como um todo, e foi por isso mesmo que ficámos algo desiludidos com o final, uma sequência confusa que dura bem mais do que devia. O resto do jogo é tão focado e sólido, que custa a perceber como a equipa pôde tropeçar desta forma na reta final. E sim, é perto do final que se passa a tal frustrante sequência furtiva.

Mesmo com um final desapontante, podemos recomendar Blair Witch a todos os que apreciam jogos do género, e sobretudo aos que são fãs do filme. É um jogo eficaz que cumpre aquilo a se propõe, proporcionando uma experiência de terror tensa e inesperada, tal como a que sentimos quando vimos o filme em 1999.

A assistir

Preview 10s
Next 10s
Publicidade
Blair WitchBlair Witch
Blair WitchBlair WitchBlair Witch
Blair WitchBlair Witch
08 Gamereactor Portugal
8 / 10
+
Ambiente eficaz. Mecânicas de jogo bem contextualizadas. Sustos subtis com alguns momentos de tensão. Cenários detalhados.
-
Final excessivamente longo e confuso. Monstros aborrecidos.
overall score
Esta é a média do GR para este jogo. Qual é a tua nota? A média é obtida através de todas as pontuações diferentes (repetidas não contam) da rede Gamereactor

Textos relacionados

Blair WitchScore

Blair Witch

ANÁLISE. Escrito por Sam Bishop

Um dos melhores projetos baseados em Blair Witch desde o filme original.

Em Direto com Blair Witch

Em Direto com Blair Witch

NOTÍCIA. Escrito por Sam Bishop

Vamos regressar à floresta assombrada de Blair Witch, numa transmissão que promete ser arrepiante.

A carregar o conteúdo seguinte