Cookie

O Gamereactor utiliza cookies para assegurar que lhe proporciona a melhor experiência possível no nosso site. Se continuar, vamos presumir que está satisfeito com a nossa política relativa a cookies.

Português
Gamereactor Portugal
antevisões
Far Cry: New Dawn

Far Cry: New Dawn

Regressámos ao mundo de Far Cry 5, mas muito mudou nos últimos 17 anos.

Far Cry: New Dawn não é Far Cry 6, mas antes uma continuação para Far Cry 5, embora não seja também uma expansão. É uma espécie de Far Cry 5.5, considerando que se passa na mesma região, evoluiu a partir do final do jogo anterior, e até inclui algumas personagens familiares, como o próprio Joseph Seed, o vilão d jogo anterior. Mas desta vez, não é Seed que está a causar o caos. Far Cry: New Dawn não tem um vilão, mas dois, as irmãs gémeas Mickey e Lou.

Spoilers para Far Cry 5
Far Cry: New Dawn presume que, no final de Far Cry 5, as bombas nucleares foram lançadas, o que devastou Hope County. A ação retoma 17 anos depois, numa versão de Hope County muito diferente da que conheceram no jogo anterior. A natureza, por exemplo, foi devastada com as bombas nucleares, mas nos 17 anos que se seguiram cresceu e tornou-se mais forte, de tal forma que se sobrepôs a estruturas e edifícios. A sociedade em si também colapsou, e o que evoluiu ao longo dos últimos 17 anos é algo muito diferente.
Fim de spoilers

Também relevante é o facto do jogador assumir o controlo de outra personagem, e não do protagonista do jogo anterior. Desta vez vão começar o jogo incluídos numa fação, e neste caso são o braço direito de Thomas Rush, o capitão do que se pode apelidar de resistência. O objetivo do vosso grupo passa por libertar e ajudar quem está em dificuldades, e enfrentar os que estão a abusar da situação para tirarem proveito próprio. O problema é que, enquanto estava a caminho de Hope County, o grupo acabou por ser emboscado e separado. Sozinho, cabe ao jogador tentar encontrar sobreviventes, ajudá-los, e eventualmente derrubar os mal-feitores tiranos. Nesse sentido, Far Cry: New Dawn obedece aos parâmetros típicos da saga.

Dito isto, também existe muito de Far Cry: New Dawn que o distingue dos outros jogos da série, incluindo um foco ainda maior em mecânicas RPG. Em essência, não é só a personagem que evoluiu, mas também o equipamento, e se o vosso equipamento não tiver o nível suficiente para algumas áreas, serão trucidados. A melhor forma de evoluir é derrubar os Outpost, tal como nos jogos anteriores, mas desta vez o resultado é diferente. Passando algum tempo, os Outpost voltam a passar para o controlo dos inimigos, mas quando isso acontece, sobem de nível. Isso significa que o Outpost será mais difícil, mas também terá recompensas melhores.

Uma das maiores novidades de Far Cry: New Dawn são as expedições, missões que vão levar o jogador para outras áreas dos Estados Unidos da América. São áreas bem mais pequenas que Hope County, onde devem cumprir um objetivo específico e depois escapar. Tal como os Outposts, estas expedições também sobem de nível, se as quiserem repetir. Estas expedições são divertidas, mais focadas que o jogo base, e para terminar em beleza, suportam o modo cooperativo - tal como a campanha principal.

A expedição que completámos durante a nossa sessão de jogo passou-se a bordo de um porta-aviões, recheado de soldados inimigos. Eliminámos alguns oponentes de forma furtiva, pegámos no objetivo, e quando todos ficaram alertados para a nossa presença, fugimos para a praia mais próxima e escapámos. Nada de expetacular ou revolucionário, mas pareceu ser um intervalo razoável no mundo aberto. Ao todo existem sete expedições para cumprirem quando o jogo for lançado, mas mais podem ser acrescentadas no futuro.

Uma das maiores críticas a Far Cry 5 prendia-se com a agressividade dos inimigos. Parecia que o jogador não podia andar 10 metros sem alertar um oponente, o que se tornou francamente aborrecido. Nesta sessão que jogámos, não pareceu ser o caso com Far Cry: New Dawn. O jogo parece ter mais espaço para respirar, com intervalos maiores entre inimigos - animais ou humanos.

Estes momentos de maior paz serão perfeitos para explorarem o mundo que a Ubisoft construiu em cima de Far Cry 5. É um mundo extremamente colorido, com particular foco no cor-de-rosa, e com um estilo visual excêntrico e rebelde - um verdadeiro contraste para o lado conservador de Far Cry 5. Também vão encontrar algumas diferenças nos animais, resultado das radiações e mutações, mas não esperem algo muito radical.

À semelhança do jogo anterior, também não vão encontrar torres para treparem em Far Cry: New Dawn. Desta vez, para desbloquearem localizações no mapa, devem encontrar os Scouts, tipos que conhecem bem a área. Se os ajudarem, estes Scouts irão partilhar informações ao nível da localização de tesouros, pontos de interesse, e boas zonas de caça. Uma atividade extra que parece engraçada é Dead Photograph. Basicamente têm de encontrar fotos antigas de Hope County, e depois encontrar o local da foto e alinhar a foto com a vossa perspetiva. Em Far Cry: New Dawn vão ainda ter acesso uma base de operações, que podem evoluir com os recursos que encontram - à semelhança do acampamento de Far Cry: Primal.

Em muitos aspectos, Far Cry: New Dawn segue as diretrizes típicas da série, mas é evidente que este conceito também permitiu à Ubisoft experimentar algumas coisas novas, sobretudo a nível de estilo visual. Mais que isso, New Dawn parece ter o potencial para ser uma experiência mais variada do que Far Cry 5, com mais atividades e uma diversidade maior do grafismo. Adições como as expedições, os elementos RPG, e a base melhorável, são apenas exemplos das várias tarefas que esperam o jogador. Pode não ser Far Cry 6, mas o que vimos de New Dawn deixou-nos confiantes. Hope County já não é o que era, mas continua a ter muito para oferecer ao jogador.

Far Cry: New Dawn
Far Cry: New DawnFar Cry: New Dawn
Far Cry: New DawnFar Cry: New Dawn
Far Cry: New DawnFar Cry: New DawnFar Cry: New Dawn