Gamereactor Close White
Iniciar sessão






Esqueceu-se da password?
Não estou registado mas quero registar-me

Prefiro iniciar sessão com a conta de Facebook
Gamereactor Portugal
antevisões
GRIS

GRIS

Estamos apaixonados com esta pintura transformada em jogo.

Facebook
TwitterReddit
GRISGRIS

Quando GRIS foi apresentando poucas semanas antes da Gamescom, existiram muitas comparações com Journey, o que é fácil considerando o estilo de arte e até as mecânicas no jogo da Nomada Studio, embora Journey seja um jogo 3D, e GRIS apresente um estilo 2D. Até o início do jogo lembra a obra prima da Thatgamecompany, com a personagem a deslizar por areias vermelhas com uma capa. Contudo, um olhar mais atento revela que a origens de GRIS e o seu conceito são muito próprios.

GRIS introduz uma narrativa muito focada e bem definida, que segue a protagonista Gris e a sua mágoa depois dos eventos trágicos que a afetaram. A base da experiência passa por explorar o cenário, até porque não é possível morrer em GRIS, mas isso não implica que não exista desafio. Apenas surge na forma de plataformas, exploração, e puzzles. É uma experiência de jogo pacífica sobre uma experiência de vida dolorosa.

Mas, antes das mecânicas de jogo e da narrativa se apresentarem, GRIS impressiona pela sua qualidade audiovisual. Conrad Roset é um jovem pintor com um desejo, o desejo de ver uma duas suas musas ganhar vida através de uma experiência interactiva. Para isso, o pintor juntou-se a Adrián Cuevas e Roger Mendoza, antigos produtores de Ubisoft e Square Enix Montreal, respetivamente. Para a banda sonora colaboraram com a banda Berlinist, com destaque para a vocalista Gemma Gamarra. E assim nasceu a Nomada Studio e GRIS, um jogo que dispensa violência como foco interactivo.

Por motivos artísticos e narrativos (e por vezes como forma de apresentar puzzles e desafios), cada ecrã ou conjunto de ecrãs foram concebidos como se fossem uma pintura. A câmara aproxima-se e afasta-se, dependendo do contexto, apresentando um impressionante mundo 2D. Não só navega Gris de forma graciosa e gentil pelo cenário, como cada ecrã oferece um sentido oferece um sentimento de ligação e conecção.

Não é preciso esperar muito tempo para que as peculiares de GRIS comecem a aparecer, enquanto exploram cenários formados por jarras, estátuas, e paredes. Vimos plataformas que mudam de forma, pontos ligados por raios, água invertida, pedras que lembram Thwomp de Super Mario, e até borboletas que elevam Gris para zonas superiores. São algumas das inovações de GRIS, mas existem muitas mais para descobrir durante uma aventura que deve durar entre cinco a oito horas. E não esquecer o seu próprio fato, que é a sua principal forma de expressão.

GRISGRIS

Encontros com bosses, colecionáveis, e puzzles, completam a experiência de jogo. No caso dos puzzles em si, serão divididos entre desafios de lógica e desafios de habilidade. Embora a morte não faça parte da equação, GRIS será desafiante, mas o músico Marco Albano deixou-nos uma dica quando falámos com ele na Gamescom: "têm de olhar para o jogo como se estivessem a observar uma pintura".

A banda sonora em si faz muito para reforçar o lado emocional de GRIS, ao mesmo tempo que mantém o ritmo e o tom do jogo com melodias dinâmicas e alguns solos impressionantes. "Abordámos a composição da música como se estivéssemos a preparar algo para uma galeria de arte. Cada ecrã de GRIS é uma pintura, que poderiam facilmente imprimir e pendurar numa parede, por isso quisemos criar este contexto de estática, de algo que está ali, e que estará sempre ali."

Estamos muito curiosos para aprendermos mais pormenores sobre a história, os desafios que serão apresentados ao jogador, a estrutura dos níveis, a habilidades da própria GRIS, e a interação entre a jogabilidade e os cenários de fundo. O que vimos, contudo, não nos deixou indiferentes, e GRIS está a ganhar forma para ser uma experiência de destaque em 2018, sobretudo pela criatividade e a abordagem relaxada e melancólica. GRIS será lançado em dezembro para PC e Nintendo Switch.

GRIS
GRIS