Gamereactor Close White
Iniciar sessão






Esqueceu-se da password?
Não estou registado mas quero registar-me

Prefiro iniciar sessão com a conta de Facebook
Gamereactor Portugal
antevisões
Mutant Year Zero: Road to Eden

Mutant Year Zero: Road to Eden

Um dos nossos destaques durante a E3.

  • Texto: Sam Bishop

Facebook
TwitterReddit

O combate tático de XCOM tem servido de inspiração para muitos jogos ao longo dos anos. Até a Ubisoft e a Nintendo aproveitaram a fórmula, para criarem Mario + Rabbids: Kingdom Battle de Nintendo Swtich, e Mutant Year Zero: Road to Eden é mais um jogo a juntar à lista. Além de se inspirar em XCOM, o jogo é também baseado numa série de jogos Pen-and-Paper com o mesmo nome, da década de 80. O resultado é um jogo que, embora inspirado pelo combate por turnos de Xcom, apresenta uma versão muito única desse sistema, e foi isso mesmo que verificámos durante a E3.

Uma das maiores particularidades de Mutant Year Zero é o facto de controlarem um grupo de animais mutantes, num mundo onde a humanidade como a conhecemos já não é um factor. Este grupo é formado pelo pato Dux, o javali Bormin, e a humana (com pele de pedra) Selma. Pode parecer uma premissa engraçada, mas o jogo não é uma comédia, pelo contrário, promete ser bastante sério e sombrio. Claro que vão existir alguns momentos mais divertidos e descontraídos, mas não se deixem enganar pelo facto de controlarem um pato e um javali.

A demo que jogámos era precisamente isso, um conjunto de situações e batalhas combinadas para mostrarem o estilo visual, o ambiente, e o combate. Já a narrativa, ficou para ser mostrada noutra ocasião. Mesmo que a história não estivesse em jogo nesta demo, não faltaram comentários entre as personagens, indícios de que este trio de heróis terá muita personalidade.

No nosso primeiro momento com o jogo, atravessámos uma zona escura com uma lanterna, mas quando nos aproximámos do inimigo, tivemos de desligar a luz para não sermos detetados. A melhor forma de sobreviverem no mundo de Mutant Year Zero passa por permanecerem incógnitos, ou por surpreenderem os inimigos. Quando nos aproximámos o suficiente, bastou pressionar num botão para emboscarmos os nossos alvos, transitando de forma instantânea para uma situação de combate. A jogabilidade passou a ser por turno, em vez de tempo real, e o facto de termos surpreendido o inimigo deu-nos vantagem.

Como já referimos, a fórmula é muito semelhante à de Xcom. Vão jogar através de uma perspetiva isométrica, enquanto navegam as personagens através de um sistema por grelhas no chão. Os pontos de ação permitem percorrer determinado número de grelhas e executar uma série de ações. Xcom 2 é o expoente máximo do género, mas pode ser muito um pouco complexo para novatos. Mutant Year Zero parece ser um pouco mais acessível, com um esquema de controlos mais simples e indicações mais óbvias no ecrã. Como em Xcom, Mutant Year Zero também apresenta a percentagem de sucesso de cada ataque.

A maior diferença é que, em Mutant Year Zero, a exploração em tempo real também faz parte da jogabilidade, enquanto que Xcom funciona apenas à base do combate por turnos. A ação parece ser bastante interessante, não só graças a boas animações, mas também devido aos muitos objetos destrutíveis. Atirar uma granada para dentro de um prédio, e ver tudo a rebentar por todo o lado, é particularmente satisfatório.

Quando o combate termina, a missão não acaba, ao contrário de Xcom. Podem continuar a explorar o mapa, mas antes de continuarem, convém procurar o cenários e os inimigos por granadas, kits médicos, e munições. A evolução das personagens está presa ao sistema de mutações, que permitirá desbloquear habilidades e vantagens com o avançar do jogo, mas a demo não deixou ter uma ideia concreta sobre como funcionará.

Feitas as contas, Mutant Year Zero: Road to Eden foi um dos nossos destaques da E3, sobretudo entre os jogos que estavam disponíveis para experimentar (muitos só eram jogáveis pelos produtores). Parece-nos um excelente exemplo de um jogo que será acessível para novatos, mas com muita profundidade para quem quiser aprofundar a sua experiência. O visual, as animações, o ambiente, e combate, tudo pareceu estar a funcionar bem, e o resultado foi uma experiência de jogo que nos agradou sobremaneira.

Mutant Year Zero: Road to Eden
Mutant Year Zero: Road to EdenMutant Year Zero: Road to EdenMutant Year Zero: Road to Eden