Gamereactor Close White
Iniciar sessão






Esqueceu-se da password?
Não estou registado mas quero registar-me

Prefiro iniciar sessão com a conta de Facebook
Gamereactor Portugal
análises
Call of Duty: Ghosts

Call of Duty: Ghosts

Ao nível do que nos habituou nos últimos anos: uma campanha explosiva com um multijogador frenético e viciante.


Facebook
TwitterReddit

Doze pessoas, sentadas em frente das respetivas PlayStation 4, aos gritos, a rir e a soltarem o palavrão ocasional. Odeiam-se, amam-se, e depois odeiam-se de novo. Tudo depende de como corre a nova ronda. É o que é e é isto que o multijogador de Call of Duty faz aos jogadores.

Call of Duty: Ghosts tem um grande ritmo e é implacável, não importa em que modo. E rapidamente se fazem as pazes com o facto de que vão morrer várias vezes. Sobrevivam o tempo necessário e vão conseguir ligar as mortes adversárias necessárias para desbloquearem as habilidades que vos vão permitir dominar os mapas. Podem usar o Maniac para cortar os inimigos como se fossem o Jack o Estripador, ou podem lançar o Drone ou o Helicóptero. E depois há o Riley, o famoso pastor-alemão. Se estiver no vosso encalce, vão temê-lo, se estiver a proteger-vos, vão ficar mais descansados.

Por falar em medo, existe muita ansiedade em relação às versões para as consolas de nova geração. Esta análise é específica da versão de PlayStation 4, já que existe um embargo que nos proíbe de falar da versão de Xbox One até dia 12 de novembro (mas a Activision já confirmou que o jogo corre numa resolução de 720p na Xbox One).

Call of Duty: Ghosts

A versão de PlayStation 4 tem um aspeto fantástico, tanto na campanha a solo, como no multijogador, sempre com uns constantes 60 frames por segundo e uma resolução de 1080p. É uma verdadeira experiência de nova geração. A imagem é perfeita até ao mais pequeno pormenor e Call of Duty nunca pareceu tão vivo. As versões de geração atual para PS3 e Xbox 360 não conseguem atingir este nível de qualidade visual, mas são ainda assim notáveis. Se as compararem lado-a-lado, é fácil perceber qual é a melhor versão, mas a geração atual não tem nada com que se envergonhar.

Call of Duty: Ghosts pode, à primeira vista, ser assumido como uma rápida sucessão de mortes no multijogador e caos total, mas isso é um erro. Consegue o equilíbrio perfeito de habilidade e mortes. Ninguém vai conseguir ficar vivo o tempo todo. É apenas uma questão de como vão equilibrar as estatísticas de mortes vossas e adversárias. O ressurgimento no mapa demora um segundo depois de cada morte, mas não perdem nada se ficarem a ver a Killcam e possivelmente aprenderem com alguns erros.

Existem nove modos de jogo; Infected, Grind, Search and Rescue, Hunted, Cranked e Lightning - além dos clássicos Domination, Team Deathmatch e Deathmatch. Ao longo dos anos o multijogador de CoD evoluiu e cresceu. Em Ghosts atinge novo ponto de maturidade.

O design presente nos 14 mapas incluídos de origem é interessante; variado e diferente do que foi feito no passado. Prison Break oferece excelente combate de curto alcance na selva. Octane é mais amplo com uma bomba de gasolina que serve de ponto de encontro para quem tem dedo leve no gatilho. Whiteout é uma pequena viagem até ao Alasca, numa paisagem coberta de neve. E em Stonehaven, tão depressa andam aos tiros numa fábrica de tanques, como nas colinas. Neste mapa enorme podem explorar uma verticalidade pouco habitual na série.

Ordens de comando são uma nova adição à fórmula. O primeiro jogador eliminado deixa cair uma pasta que contém as ordens. São pequenos objetivos extra, como matar dois inimigos pelas costas, ou enquanto saltam. A recompensa para completarem essas tarefas variam entre entregas aleatórias de armas e, por vezes, na execução de grandes eventos que mudam o mapa por completo. Uma bomba de gasolina que explode ou um satélite que cai dos céus, são acontecimentos que vão moldar a experiência em tempo real. De qualquer forma, são eventos que acontecem com alguma raridade. Existem outras ações que podem despoletar sem recorrerem à ordem de comando. Podem, por exemplo, abrir um atalho ao derrubarem uma árvore. Mas nunca nada tão dinâmico ou radical como Battlefield 4.

Os Perks, ou vantagens, estão para as personagens de Call of Duty, como os esteroides estão para atletas. Tal como acontece com armas e acessórios, podem comprar todos os Perks logo de início, mas ao contrário das armas não os podem usar logo. Ao cumprirem objetivos vão ganhar pontos de experiência que permitem melhorar a personagem. Também vão ganhar pontos que permitem comprar qualquer coisa, incluindo os mais de 40 Perks.

Call of Duty: Ghosts

Os Perks estão divididos numa grelha que contém sete categorias - velocidade, manejo, furtivo, atenção, resistência, equipamento e elite. Cada personagem tem, dependendo do seu equipamento, um determinado número de pontos de Perk disponível, e cada Perk custa um número determinado de pontos. Adicionar um Perk que reduz o dano de quedas custa um ponto, enquanto que outro que nos torne invisíveis ao radar inimigo custa três pontos. É um massivo jogo de pedra-papel-tesoura com mais de 40 variáveis. Vão demorar semanas até encontrarem o melhor conjunto para o vosso estilo de jogo.

E depois há a campanha. O modo a solo de Call of Duty é encarado por alguns jogadores como uma mera formalidade, mas desta vez vale mais do que um olhar curioso, apesar de não ser o grande destaque do jogo. A história concentra-se em Hesh e Logan Walker, que querem salvar o Estados Unidos da América juntamente com o seu pai Elias. Por vezes o patriotismo exibido é enjoativo, mas acaba por oferecer bom entretenimento.

A maioria das missões é linear, embora existam várias maneiras de atravessarem algumas secções. Podem flanquear os inimigos ou tentarem aproximar-se por baixo de água, por exemplo. Mas existe um nível brilhante na Amazónia que quebra a fórmula linear.

Na dificuldade mais elevada cada nível é um desafio, uma experiência amarga, especialmente quando são forçados a fugir da linha de fogo e mal conseguem ver de ondem vêm os tiros. Um problema que é partilhado com o impressionante nível aquático. Call of Duty: Ghosts é claramente inspirado em James Bond, pois parece um daqueles filmes clássicos onde o vilão pretende disparar bombas nucleares a partir da superfície da água. É divertido. É difícil bater o nível onde flutuam perto de uma estação espacial, que é uma experiência bastante refrescante no contexto de Call of Duty. As 18 missões que fazem a campanha preenchem seis horas de entretenimento puro. Se fosse um filme, iam querer pipocas.

Mas não é só isto que está incluído em Ghosts. Além do multijogador e da campanha, Ghosts oferece dois modos adicionais e uma aplicação compatível. O modo Extinction substitui os Zombies por alienígenas. É modo super-divertido e descontraído que podem partilhar com um máximo de até quatro jogadores.

Call of Duty: Ghosts

O modo Squads é uma variação do multijogador e o produtor Mark Rubin afirmou que pode servir como uma introdução aos principiantes que temam o modo principal. Podem jogar com amigos contra inimigos controlados pela inteligência artificial. Estes Bots existem em vários estilos. O seu comportamento acaba por ser semelhante aos dos jogadores normais e por vezes podem agir de forma muito agressiva.

Como começa a ser padrão, existe uma aplicação que podem descarregar nas plataformas móveis. Isto permite aceder a um modo chamado Clan Wars, através de Tablet. Também pode utilizar a aplicação para mudar rapidamente os conjuntos de armas e Perks.

Parece-nos errado comparar Call of Duty e Battlefield. Enquanto ambos se dedicam ao multijogador, o FPS da Activision oferece uma experiência mais intensa, ao contrário da abordagem ligeiramente mais realista de Battlefield. Não devem decidir qual vão comprar pelo "qual é melhor", mas por qual se ajusta melhor ao vosso gosto e ao vosso estilo de jogo.

Em relação a Call of Duty: Ghosts, é difícil encontrar um jogo com tanto para oferecer aos jogadores. Da campanha ao multijogador, de Extinction a Squads, Ghosts é um pacote completo.

Call of Duty: Ghosts
Call of Duty: Ghosts
Call of Duty: Ghosts
Call of Duty: Ghosts
Call of Duty: Ghosts
Call of Duty: Ghosts
Call of Duty: Ghosts
Call of Duty: Ghosts
Call of Duty: Ghosts
Call of Duty: Ghosts
Call of Duty: Ghosts
Call of Duty: Ghosts
Call of Duty: Ghosts
Call of Duty: Ghosts
Call of Duty: Ghosts
Call of Duty: Ghosts
Call of Duty: Ghosts
Call of Duty: Ghosts
Call of Duty: Ghosts
Call of Duty: Ghosts
Call of Duty: Ghosts
Call of Duty: Ghosts
Call of Duty: Ghosts
Call of Duty: Ghosts
Call of Duty: Ghosts
Call of Duty: Ghosts
Call of Duty: Ghosts
Call of Duty: Ghosts
Call of Duty: Ghosts
Call of Duty: Ghosts
Call of Duty: Ghosts
Call of Duty: Ghosts
Call of Duty: Ghosts
Call of Duty: Ghosts
Call of Duty: Ghosts
Call of Duty: Ghosts
Call of Duty: Ghosts
Call of Duty: Ghosts
Call of Duty: Ghosts
Call of Duty: Ghosts
Call of Duty: Ghosts
Call of Duty: Ghosts
Call of Duty: Ghosts
Call of Duty: Ghosts
Call of Duty: Ghosts
Call of Duty: Ghosts
Call of Duty: Ghosts
Call of Duty: Ghosts
Call of Duty: Ghosts
Call of Duty: Ghosts
Call of Duty: Ghosts
Call of Duty: Ghosts
Call of Duty: Ghosts
Call of Duty: Ghosts
Call of Duty: Ghosts
Call of Duty: Ghosts
Call of Duty: Ghosts
Call of Duty: Ghosts
Call of Duty: Ghosts
Call of Duty: Ghosts
Call of Duty: Ghosts
09 Gamereactor Portugal
9 / 10
+
Multijogador massivo e variado. Modo Extinction. Campanha recheada de ação explosiva.
-
A campanha é bastante linear e o patriotismo americano é excessivo. Evento dinâmicos no multijogador são desapontantes.
overall score
Esta é a média do GR para este jogo. Qual é a tua nota? A média é obtida através de todas as pontuações diferentes (repetidas não contam) da rede Gamereactor