Gamereactor Close White
Iniciar sessão






Esqueceu-se da password?
Não estou registado mas quero registar-me

Prefiro iniciar sessão com a conta de Facebook
Gamereactor Portugal
análises
Ashen

Ashen

Uma nova abordagem ao género popularizado por Dark Souls.

Facebook
TwitterReddit

O nosso herói sem face ou personalidade teve de passar por muitos problemas em Ashen. Não se trata de um jogo fácil, e durante a nossa aventura fomos perfurados, espancados, esmagados, devorados, e derretidos em banhos de ácido. É um mundo sem piedade, mas pelo menos, não estarão sozinho, já que outros indivíduos sobreviveram à escuridão.

É impossível falar de Ashen sem referir a sua inspiração mais óbvia, Dark Souls, mas enquanto outros falharam em capturar a essência desse jogo, Ashen faz um trabalho mais competente. Por outras palavras, Ashen é um jogo impiedoso, e enquanto os fãs de Dark Souls vão sentir-se de imediato em casa, outros menos habituados a estas andanças podem estranhar a dificuldade e a natureza impiedosa do jogo.

Ashen é alimentado por uma história que conta uma luta clássica do bem contra o mal. O deus que dava luz ao mundo, está morto, e como resultado, o mundo de Ashen tornou-se sombrio e desolador. Não é realmente a história que se destaca, mas antes a sua atmosfera e as personagens que vão conhecer. É aqui que temos de referir o estilo visual de Ashen, que não nos convenceu totalmente. O facto das personagens não terem faces prejudica a criação de uma relação com elas, sobretudo considerando que os inimigos beneficiam de um design bem vincado e próprio. As próprias vozes, embora boas ao nível da atuação dos atores, não conseguem fazer muito para entregar real emoção ao jogo.

Tudo isto acaba por ser secundário, num jogo que vive sobretudo do seu sistema de combate. Vão enfrentar uma série de inimigos em Ashen, com várias habilidades e comportamentos, o que obriga a uma adaptação constante por parte do jogador. Para isso podem contar com um vasto arsenal de armas, que mais do que permitir experimentar vários estilos de jogo, oferece profundidade tática. Cada arma funciona melhor ou pior dependendo da situação, o que significa que é melhor adaptar a arma às situações que encontrar, do que forçar sempre o mesmo tipo de arma.

Não é apenas a estrutura geral de Ashen que nos lembra de Dark Souls, já que os controlos são também muito parecidos - o R1 permite um ataque rápido, enquanto que o R2 prepara um ataque poderoso. Também se podem proteger com um escudo, e se bloquearem um ataque inimigo no tempo certo, terão a hipótese de contra-atacar. Terão ainda acesso a um Crimson Gourd, que é essencialmente o Estus Flask de Ashen. Se não sabem o que isto significa, o Crimson Gourd é um item que regenera a saúde do jogador. Se morrerem, vão deixar todos os Scoria (almas) que apanharam no, e se as quiserem de volta, terão de chegar até elas sem morrerem.

Como já tínhamos referido, vão encontrar uma série de personagens durante a vossa aventura, personagens que vão sugerir missões ao jogador, algumas obrigatórias, outras opcionais. Em algumas destas missões terão direito a um companheiro, que vos ajudará a sobreviver aos desafios mais complicados. Além das missões, existem bons incentivos à exploração, com vários segredos para descobrirem.

Quando estão acompanhados, podem ter um parceiro controlado pela inteligência artificial ou outro jogador, e partilhar da aventura com um amigo é particularmente divertido. Dito isto, se preferirem dispensar a companhia de outro jogador, vão gostar de saber que a inteligência artificial é competente. O facto de terem companhia também desbloqueia novos caminhos, já que têm mais ações ao vosso dispor, como saltar para os ombros do parceiro para chegarem mais alto. A nossa maior queixa em relação à jogabilidade cooperativa é o facto de não existir comunicação por voz, pelo que vos aconselhamos a jogar com um amigo, ou com a IA, e não com um estranho.

Ao longo das 20 horas que dura a campanha, vão também enfrentar alguns bosses interessantes. Terão de repetir estas batalhas várias vezes, mas à medida que vão perdendo, vão também aprendendo padrões e comportamentos. Quando finalmente conseguirem derrotar estes bosses, vão receber a tal sensação de gratificação que acontece com Dark Souls, porque sabem que, foi através do vosso melhoramento, que superaram o obstáculo.

Essa sensação de gratificação aplica-se também ao progresso visível no jogo. Conforme cumprem objetivos e missões, vão enchendo o equipamento com novas oportunidades e personagens, desbloqueando missões e serviços. Este elemento de progressão em torno da comunidade é um dos elementos que mais distingue Ashen de Dark Souls, e funciona bastante bem com o conceito do jogo.

Dito isto, Ashen tem pouco de realmente original, e o facto de copiar tanto de Dark Souls não pode ser ignorado. O próprio estilo de arte, assemelha-se imenso ao que vimos noutro jogo, Absolver, e tudo isto acaba por prejudicar a identidade do próprio Ashen. Gostaríamos de ter visto mais algumas ideias originais, mas embora isso não exista, Ashen é pelo menos bastante competente Se são adeptos de Dark Souls, Ashen é definitivamente um jogo a considerar, e talvez seja também um ponto de entrada mais suave para quem nunca jogou um Souls, mas gostava de experimentar o género.

Ashen
AshenAshen
07 Gamereactor Portugal
7 / 10
+
Combate feroz. Muita exploração. Inimigos variados. Vários tipos de armas para experimentarem.
-
Design não é muito apelativo. Falta comunicação por voz. Pouco original.
overall score
Esta é a média do GR para este jogo. Qual é a tua nota? A média é obtida através de todas as pontuações diferentes (repetidas não contam) da rede Gamereactor