Cookie

O Gamereactor utiliza cookies para assegurar que lhe proporciona a melhor experiência possível no nosso site. Se continuar, vamos presumir que está satisfeito com a nossa política relativa a cookies.

Português
Gamereactor Portugal
análises
Astro Bot Rescue Mission

Astro Bot Rescue Mission

Depois do aperitivo no Playroom, aqui está o delicioso prato principal.

  • Texto: Kalle Max Hoffman

Ao longo do ano, por um motivo ou outro, deixámos escapar algumas análises que devíamos ter publicado. Agora que estamos a chegar ao fim do ano, aqui estamos para corrigir essa falha, a começar com a análise de Astro Bot Rescue Mission.

Em 2018 tivemos alguns lançamentos de qualidade para o PlayStation VR, como Moss, Déraciné, e Firewall Zero Hour, mas este Astro Bot Rescue Mission talvez seja o melhor do lote. Astrobot primeiro apareceu no Playroom VR como um dos pequenos mini-jogos aí presentes. Agora, como jogo completo, oferece uma fantástica experiência de plataformas em realidade virtual.

O contexto do jogo é bastante simples. 160 dos pequenos Astro Bots estavam a viajar pelo espaço, quando um mal-cheiroso e mal-encarado alienígena decidiu atacar. O objetivo deste monstro passava por roubar o enorme dispositivo de realidade virtual na nave dos Astro Bots, e ao tentar isso, despedaçou a nave. Resultado? Os seus 160 habitantes ficaram divididos por cinco planetas diferentes.

Agora cabe a um Astro Bot especial (porque é controlado pelo jogador) recuperar os seus companheiros, através de uma aventura que mistura um pouco de ação com plataformas. À semelhança de Moss, vão controlar o Astro Bot diretamente com o analógico do DualShock 4, mas o mundo de jogo é apresentado como uma espécie de palco de teatro ao jogador. Com o movimento da vossa cabeça podem ver o cenário através de vários ângulos, uma ação essencial para descobrirem não só a localização dos outros Astro Bots, mas também de moedas escondidas.

Encontrar os pequenos robôs e as moedas é apenas parte da equação, depois é preciso chegar até elas. Felizmente, o nosso avatar tem alguns truques na manga, sendo capaz de saltar e usar um jato para ganhar altitude. Também existem alguns ataques, mas para sermos honestos, nenhum é tão gratificante quanto planar por cima dos inimigos com o nosso jato, queimando-os. É um pouco sádico para um jogo deste tipo? Talvez, mas é divertido.

No cenário vão também encontrar vários obstáculos, com picos mortais, plataformas móveis, blocos que se partem em segundos, e chão feito de lava, entre outros perigos típicos nos jogos de plataformas. Para os ultrapassarem terão de usar as vossas capacidades com bom timing e perícia, resultando numa excelente experiência clássica de plataformas em 3D. Não é nada de original ou inédito, mas a forma como tudo está integrado com a realidade virtual, acaba por oferecer algum charme muito peculiar ao jogo. O facto de termos o "palco" à nossa frente, e de ser necessário inclinar a cabeça para vermos por cima, e assim por diante, é algo que ainda é bastante 'novo' nos videojogos. Mais uma vez, Astro Bot não é o primeiro a fazê-lo, mas tudo o que copia, faz bem.

A realidade virtual não é apenas usada para a perspetiva, e em momentos terão de usar o movimento da cabeça para evitarem arremessáveis. Em Astro Bot vão precisar de um pescoço tão rápido quanto as vossas mãos. Algumas secções também utilizam o sensor de movimentos do DualShock 4, que acabam por ser divertidas. O jogo está cheio de boas ideias, que utilizam todas as tecnologias ao seus dispor para reforçar a experiência. Até existem algumas surpresas à vossa espera, que não iremos revelar.

O design dos níveis é também de louvar, repleto de variedade e objetivos para todos os tipos de jogadores. Por exemplo, se acharem que Astro Bot é demasiado fácil, podem tentar encontrar camaleões escondidos no cenário. Se os conseguirem encontrar, vão desbloquear desafios que vão realmente testar as vossas capacidades. Cada um dos 20 níveis tem um desses desafios, mais cinco confrontos extra com os cinco bosses do jogo.

Como um pequeno bónus, também podem visitar a nave do Astro Bot, onde vão estar todos os Astro Bots que salvarem. Aqui também podem apreciar as medalhas que ganharam nos desafios, e podem trocar as moedas que encontraram por cápsulas com "playesets". Estes conjuntos são pedaços dos níveis que podem revisitar na nave, aqui sem qualquer tipo de perigo. Tudo isto deve ocupar-vos durante mais de 10 horas, se quiserem realmente completar Astro Bot: Rescue Mission a 100%, vão precisar provavelmente do dobro.

Não temos muitas queixas a fazer em relação ao jogo. O grafismo é limpo, claro, e engraçado, e não sofre do habitual problema de definição que assombra vários jogos do PSVR. Isto tudo sem nunca nos ter causado qualquer tipo de desconforto ou má disposição. Se temos de apontar algo de negativo, é mesmo a banda sonora, que se torna repetitiva. O que existe está bem feito, mas considerando a variedade do resto do jogo, gostámos que isso também estivesse representado na banda sonora.

Ou seja, se têm o PlayStation VR, Astro Bot Rescue Mission é um jogo obrigatório para acrescentar à coleção.

Astro Bot Rescue MissionAstro Bot Rescue Mission
Astro Bot Rescue MissionAstro Bot Rescue MissionAstro Bot Rescue Mission
09 Gamereactor Portugal
9 / 10
+
Design de qualidade, Boas ideias, executadas com sucesso. Integração positiva com o PSVR. Grafismo claro.
-
Podia ter maior variedade na banda sonora.
overall score
Esta é a média do GR para este jogo. Qual é a tua nota? A média é obtida através de todas as pontuações diferentes (repetidas não contam) da rede Gamereactor