Gamereactor Close White
Iniciar sessão






Esqueceu-se da password?
Não estou registado mas quero registar-me

Prefiro iniciar sessão com a conta de Facebook
Gamereactor Portugal
análises
Super Smash Bros. Ultimate

Super Smash Bros. Ultimate

Como o nome indica, é o derradeiro Super Smash Bros.

  • Texto: Kieran Harris
Facebook
TwitterReddit

Aqui está finalmente, o jogo que muitos fãs antecipavam - o primeiro Super Smash Bros. da Nintendo Switch. Segundo a editora japonesa, esta edição do jogo foi desenhada para se afirmar como o pináculo da série, acrescentado o maior leque de lutadores de sempre, um novo modo singleplayer, e um sistema de espíritos que introduz ainda mais profundidade ao jogo. Pois bem, objetivo cumprido - Super Smash Bros. Ultimate é o melhor jogo da série, e provavelmente, o melhor jogo do ano na Nintendo Switch.

Um dos fatores mais impressionantes do jogo é o elenco, composto por 74 personagens, incluindo a introdução das estreantes Inkling (Splatoon), Ridley (Metroid), King K. Rool (Donkey Kong), Isabelle (Animal Crossing), Incineroar (Pokemon), e Simon (Castlevania). As novas personagens acrescentam alguns estilos interessantes, como o massivo King K. Rool, e a ágil Inkling, que também tem de gerir a sua tinta em forma de lula.

Se estão a pensar jogar a solo, World of Light é o modo de jogo que procuram. Aqui vão explorar um mapa que se parece com um tabuleiro, enquanto combatem várias personagens e melhoram os vossos atributos. Nesta história, o antagonista Galeem aprisionou e invocou os espíritos de personagens de vários jogos, e apenas Kirby escapou ao plano maléfico. Assim, Kirby será a primeira personagem que vão controlar, na tentativa de libertarem os seus parceiros.

No tabuleiro vão encontrar uma série de espíritos das outras personagens, que terão de combater para ganharem personagens, itens, e esferas. Estas esferas são utilizadas num sistema de atributos, que é partilhado por todas as personagens, e que permite aumentar a força e a eficácia da proteção, por exemplo. Também vão encontrar outras distrações no mapa, como cavernas e dojos, que permitem desbloquear mais itens e treinar, respetivamente. Este tabuleiro é aberto, no sentido em que não têm de combater os inimigos por ordem. Se estiverem a ter dificuldades com um adversário, podem sempre procurar outros até evoluírem para depois voltarem mais fortes.

Ao todo existem 1297 espíritos para derrotarem em World of Light, a maioria com atributos próprios, que vão enfrentar e capturar. Existem dois tipos de espíritos que podem ter - primário e suporte. Os espíritos primários aumentam o ataque e a defesa do jogador, enquanto que os espíritos de suporte permitem equipar habilidades extra. Esta recolha de espíritos acaba por ser bastante viciante, sobretudo porque os combates nunca são iguais. Por exemplo, quando enfrentámos um espírito de Pidgey, o vento na arena estava elevado ao máximo, acrescentando novas dinâmicas ao combate.

Estes espíritos também estão disponíveis no modo online, e podem guardar diferentes combinações de primários e de suporte. Se há algo menos positivo no modo World of Light, é o facto de alguns espíritos partilhem condições muito parecidas ou até idênticas, tornado uma grande fatia em algo redundante.

Se o modo World of Light for demasiado longo para o vosso jogo, podem tentar a variante Spirit Mode, que é basicamente World of Light sem o elemento de exploração de tabuleiro. Este modo acaba por ser ligeiramente mais perigoso, dada a frequência de combates, mas podem colmatar esse aspeto com a compra de itens. Estes itens incluem, por exemplo, repetições, e até a capacidade para refrescar todo o tabuleiro, para terem uma forma mais próxima da que desejam.

O modo Clássico é exatamente o que o nome sugere, uma nova versão do modo mais típico de Super Smash Bros. Ultimate. Aqui não vão encontrar os espíritos, mas sim oito desafios, um cenário de bónus, e um último boss. Um pormenor interessante é que o modo clássico é sempre diferente de personagem para personagem, já que segue sempre um tema próximo desse lutador. Embora seja divertido, este modo acaba por perder algum gás com o passar do tempo, já que os desafios começam a tornar-se repetitivos. Tem, contudo, uma das sequências de créditos mais impressionantes que já vimos, e só por isso vale a pena - sobretudo se gostam de shooters antigos.

O jogador solitário vai encontrar muito para fazer em Super Smash Bros. Ultimate, mas claro, existe também o modo multijogador, que pode ser local ou online. Como sempre, o nível de caos pode ser elevado à estratosfera, sobretudo com oito jogadores na mesma arena. Podem criar partidas com as suas próprias regras, como transições de cenário, itens que vão aparecer, e assim por diante. Outra variante inclui um torneio para até 32 participantes, e o Squad Strike, onde os jogadores participam à vez.

Embora o grosso da experiência se mantenha muito parecido com Super Smash de Wii U, existem algumas alterações pontuais, como o facto de apenas oito personagens estarem desbloqueadas de início. As restantes são conquistadas gradualmente, conforme jogam os vários modos. Percebemos a ideia, de não esmagar o jogador com escolha, mas ter apenas oito personagens desbloqueadas de início é francamente escasso. Outro pormenor é que, agora, vão escolher a arena antes de selecionarem o lutador, o que permite escolher a personagem em conformidade com o cenário.

A nível técnico, Super Smash Bros. Ultimate comporta-se extremamente bem, tanto em modo TV, como em modo portátil. Quanto aos Joy-Cons, cumprem a sua função, mas recomendamos o Pro Controller para este jogo, ou se preferirem algo mais nostálgico, o comando ressuscitado de Gamecube. Em suma, é um excelente trabalho de optimização. Super Smash Bros. Ultimate tem grafismo de grande qualidade nos dois modos da consola, nunca parece quebrar a fluidez, e controla-se bem.

Super Smash Bros. Ultimate é mesmo a derradeira experiência Smash, com mais de 100 cenários, 74 personagens, um massivo novo modo single-player, multijogador para oito jogadores, e maior profundidade acrescentada pelo sistema de espíritos. O modo Classic podia ser melhor, mas é um pormenor no que é um dos melhores jogos do ano e da Nintendo Switch. Obrigatório.

Super Smash Bros. UltimateSuper Smash Bros. UltimateSuper Smash Bros. Ultimate
Super Smash Bros. UltimateSuper Smash Bros. UltimateSuper Smash Bros. Ultimate
10 Gamereactor Portugal
10 / 10
+
Inclui todas as personagens dos jogos anteriores, mais algumas extra. Novo sistema de espíritos acrescenta profundidade. Muitas horas de jogo.
-
Só tem oito personagens disponíveis de início. Modo Classic tem ligeiros problemas.
overall score
Esta é a média do GR para este jogo. Qual é a tua nota? A média é obtida através de todas as pontuações diferentes (repetidas não contam) da rede Gamereactor