Gamereactor / Dansk / Svenska / Norsk / Suomi / English / Deutsch / Italiano / Español / Français / Nederlands / 中國 / Indonesia / Polski
Gamereactor Close White
Iniciar sessão






Esqueceu-se da password?
Não estou registado mas quero registar-me

Prefiro iniciar sessão com a conta de Facebook
Gamereactor Portugal
análises
Firewall Zero Hour

Firewall Zero Hour

Uma boa surpresa dentro do espaço de realidade virtual.

  • Texto: Sam Bishop
Facebook
TwitterReddit

2018 está a ser um bom ano para a realidade virtual, e em específico, para o PSVR. Depois do excelente Moss, e do assustador The Persistence, chega mais um exclusivo de qualidade, Firewall Zero Hour. Equipados com o controlador Aim (parece uma espingarda onde se encaixa o Move), decidimos este novo jogo da First Contact Entertainment.

O Aim Controller foi lançado em simultâneo com o Farpoint, outro bom jogo de ação na primeira pessoa para o PSVR, e a verdade é que o acessório ajuda à imersão do jogador. Uma vez equipado com o Move, o Aim Controller permite aceder a todos os botões do comando PlayStation, com a diferença de que apontam com o movimento da própria arma. Embora não seja obrigatório para jogar Firewall, o Aim Controller funciona bastante bem com o novo jogo.

A jogabilidade e a configuração dos botões são muito acessíveis, e mesmo que nunca tenham jogado com o Aim Controller, não devem precisar de muito tempo para se habituarem a como funciona. Acessórios, como minas e granadas, são empregues com dois botões (e incluem um arco de trajetória que ajuda a planear a sua posição), enquanto que os disparos, como seria de esperar, funciona através do gatilho do Aim Controller. O quadrado recarrega e abre portas, e tudo é fácil e intuitivo de controlar.

Firewall Zero Hour é um jogo desenhado para confrontos online, de quatro contra quatro, com uma premissa simples - uma equipa defende um ponto a que a outra equipa pretende aceder. Existem confrontos de tiroteios entre os jogadores, mas o foco está no trabalho de equipa, sobretudo porque cada jogador só tem uma vida - o jogo termina quando alcançam o objetivo, ou a equipa adversária perde todas as vidas.

Existe uma variedade razoável de mapas, cada um com a sua identidade e layout bem vincados. Office, por exemplo, representa os escritórios de uma empresa de redes sociais, com logos coloridos e mobília moderna. District passa-se no Médio Oriente, e apresenta um cenário completamente diferente, mais sombrio e com pouca iluminação. Conhecer os mapas é essencial para o sucesso, mas como têm elementos marcantes, é fácil obter pontos de referência.

Um dos nossos maiores problemas com o jogo tem sido a dificuldade para conseguir jogos, o que nos obrigou a esperar algum tempo no lobby. As partidas em si tendem a ser rápida, mas nem isso parece valer de muito para a disponibilidade de combates. Existem várias opções que podem personalizar enquanto esperam, como as armas que carregarem, mas eventualmente vão deixar de ter tarefas para fazer.

Firewall Zero Hour

A jogabilidade, enquanto jogo de ação na primeira pessoa, é muito sólida, e a acessibilidade ajuda-o a ser uma experiência gratificante em pouco tempo. Não esperem é algo com a profundidade ou a capacidade tática de Rainbow Six: Siege, embora existam alguns momentos de tensão e emoção.

O arsenal em si é o típico de um jogo de ação, com um misto de pistolas, espingardas, metralhadoras, e caçadeiras. A sensação de disparar estas armas é bastante satisfatória, e isso deve-se à imersão criada pela realidade virtual e o Aim Controller. Se usarem um comando tradicional, Firewall Zero Hour funciona perfeitamente, mas perde alguma imersão e satisfação.

A interface é também bastante evidente e funcional, disponível no pulso da vossa personagem. Os vossos companheiros estão sempre assinalados na configuração do mapa, permitindo criar situações de cooperação e táticas caso estejam a comunicar via headset. Claro que podem correr pelo mapa sem qualquer comunicação, mas dificilmente vão chegar longe com essa abordagem.

A ligação foi quase sempre estável, sem quebras nos jogos ou de fluidez. Curiosamente, as únicas quebras que experienciámos aconteceram durante o conteúdo single-player, que se resume a tutoriais e a algumas partidas contra a inteligência artificial. De resto, Firewall Zero Hour cumpre a nível técnico sem problemas de maior.

Firewall Zero Hour é muito simples em termos do que oferece, que se resume a um modo online, a um tutorial, e a algumas partidas a solo. O facto de ser parco em conteúdo está relacionado com o preço reduzido de € 39.99, embora custe € 79.99 caso decidam comprar o jogo com o Aim Controller. É a imersão criada pelo controlador e a realidade virtual que o distinguem de outros jogos do género, que são escassos no espaço da realidade virtual. Se é isso que procuram, Firewall Zero Hour é uma compra segura.

Firewall Zero HourFirewall Zero Hour
08 Gamereactor Portugal
8 / 10
+
Premissa simples e acessível. Mapas variados. Jogabilidade imersiva. Partidas intensas de 4 contra 4.
-
Foi abaixo algumas vezes. Terão de andar muito sem fazer nada.
overall score
Esta é a média do GR para este jogo. Qual é a tua nota? A média é obtida através de todas as pontuações diferentes (repetidas não contam) da rede Gamereactor