Gamereactor follow Gamereactor / Dansk / Svenska / Norsk / Suomi / English / Deutsch / Italiano / Español / Français / Nederlands / 中國 / Indonesia
Gamereactor Close White
Iniciar sessão






Esqueceu-se da password?
Não estou registado mas quero registar-me

Prefiro iniciar sessão com a conta de Facebook
análises
Strikers Edge

Strikers Edge

O renascimento do multijogador local continua neste jogo português.

Facebook
TwitterRedditGoogle-Plus

Nota: Sendo um dos principais jogos produzidos em Portugal no passado recente, sentimos-nos mais confortáveis a passar a análise para um colega estrangeiro fã do género, de forma a que a análise de Strikers Edge pudesse ser a mais objetiva possível.

A experiência de jogabilidade local, a de juntar amigos numa sala de estar ou num quarto, para uma boa sessão cooperativa ou competitiva, dificilmente se tornará obsoleta. Pelo contrário, nos últimos anos assistimos a uma espécie de renascimento do género, com títulos como TowerFall Ascension, Gang Beasts, e Overcooked. Todos estes títulos são garantia de uma tarde divertida com amigos, e Strikers Edge é mais um jogo que tenta pertencer a esse grupo de experiências de grande qualidade.

À primeira vista, Strikers Edge parece de certa forma tentar replicar o que TowerFall Ascension e Gang Beasts conseguiram fazer com sucesso. É simples, com mecânicas acessíveis, e depois de algumas partidas já terão percebido o básico das mecânicas e do conceito. É uma espécie de dodgeball, ou como o estúdio lhe chama, 'dodgebrawl'. É uma proposta que parece ser imediatamente divertida, e durante algum tempo, consegue sê-lo.

Os jogadores são posicionados numa arena, dividida ao meio na vertical, com o objetivo de derrotarem os adversários arremessado-lhes armas ou feitiços. Esta é a premissa básica, mas depois existem outros elementos a considerar, como as habilidades das personagens e obstáculos no mapa. Até podem evitar ataques inimigos com desvios rápidos, ou bloqueá-los diretamente com uma resposta rápida, se tiverem coragem para isso.

É simples e divertido, mas não tem muito mais que saber. O posicionamento de barris explosivos, por exemplo, são elementos que acrescentam alguma imprevisibilidade, mas como um todo, esta estrutura simples acaba por perder um pouco o seu apelo a médio e longo prazo. Existem oito personagens, cada uma com o seu estilo visual e habilidades, mas no fim tudo se resume a atirar algo ao adversário, e evitar as investidas contrárias. Esta simplicidade não é apenas relativa à jogabilidade, mas também à forma como o jogo apresenta essa fórmula ao jogador.

Strikers Edge está no seu melhor quando estão a defrontar amigos, localmente ou online, mas também podem enfrentar jogadores desconhecidos. Isto pode ser feito num modo de um contra um ou de dois para dois, mas não somos fãs desta segunda opção, já que tende a ser mais caótica que estratégica, mais imprevisível que refinada. Cada personagem tem ainda a sua própria campanha de estória, onde vão enfrentar a inteligência artificial, mas são narrativas muito simples, disfarçadas como pequeno contexto para enfrentarem as personagens restantes.

Os dois pontos mais impressionantes de Strikers Edge é a sua arte e o design do som. Graficamente parecem existir influências de jogos como TowerFall, no sentido em que usa arte pixelizada de forma familiar, mas bem conseguida. As personagens tem estilos muito distintos, mas dentro de uma coerência uniforme, enquanto que as arenas em si apresentam grande variedade e inspiração. A banda sonora e o som cumprem o seu propósito, emprestando intensidade aos combates e informando os jogadores de bloqueios bem sucedidos e tipos de ataques diferentes.

Strikers Edge é um jogo com um conceito simples, mas inteligente, um conceito que funciona bem na maior parte do tempo. O som e o estilo visual até são bastante bons para dizer a verdade, mas falta-lhe algo mais. Quando comparado com os gigantes do género, é evidente que Strikers Edge não tem a mesma capacidade de agarrar os jogadores, em grande parte porque lhe falta profundidade e nuance, não só à jogabilidade, mas à estrutura do jogo. É um bom esforço da Fun Punch, mas dentro do género existem propostas superiores.

Strikers Edge
Strikers EdgeStrikers Edge
06 Gamereactor Portugal
6 / 10
+
Bom visual e som. A premissa básica funciona bem.
-
Não existe profundidade ou nuance suficiente na jogabilidade para nos manter agarrados.
overall score
Esta é a média do GR para este jogo. Qual é a tua nota? A média é obtida através de todas as pontuações diferentes (repetidas não contam) da rede Gamereactor