Gamereactor Internacional Português / Dansk / Svenska / Norsk / Suomi / English / Deutsch / Italiano / Español / Français / Nederlands /
Gamereactor
Iniciar sessão






Esqueceu-se da password?
Não estou registado mas quero registar-me

Prefiro iniciar sessão com a conta de Facebook
Gamereactor Portugal
análises
Lego Marvel Super Heroes 2

Lego Marvel Super Heroes 2

Está a sequela à altura do melhor jogo de sempre da Lego?

  • Texto: Graham Bellars

Para muitos jogadores, Lego Marvel Super Heroes é o melhor jogo da Lego que a TT Games já criou, logo existia grande expetativa para esta sequela. E de facto, é um jogo ambicioso que cobre mais de 70 anos de banda desenhada. Ao contrário de Marvel Avengers, Super Heroes 2 não segue nenhum dos filmes do universo cinematográfico da Marvel, apresentando antes a sua própria estória original. Vão partilhar esta aventura com dezenas de personagens Marvel, incluindo alguns nomes menos conhecidos, mas faltam aqui alguns nomes importantes. Deadpool, X-Men, e Quarteto Fantástico não tão presentes, por exemplo.

Lego Marvel Super Heroes 2 não é uma sequela direta do primeiro jogo, pelo menos em termos narrativos. Em vez disso utiliza um enredo em torno de viagens no tempo e através de dimensões alternativas, o que naturalmente permitiu grande liberdade criativa à TT Games.

O grande vilão da estória é Kang the Conqueror, que conseguiu recolher várias localizações através do tempo e de dimensões para reuni-las num único local chamado Chronopolis. Os Vingadores estão presentes, mas desta vez fazem-se acompanhar pelos Guardiões da Galáxia, os Inhumans, e outras personagens do universo Marvel que não são tão conhecidas.

Chronopolis é impressionante, um mundo aberto composto por 18 áreas, várias facilmente reconhecidas por fãs da Marvel, como Manhattan dos Vingadores, Asgard de Thor, e Zandar dos Guardiões da Galáxia. Até Wakanda, de Pantera Negra, está presente no jogo. Também existem outras presenças inesperadas, como uma versão medieval de Londres, uma Nova Iorque controlada pela Hidra, e até o Velho Oeste e o Egito. Cada área tem os seus próprios vilões e heróis da Marvel que dão continuidade à estória geral.

Em grande parte, a fórmula de Lego Marvel Super Heroes 2 é idêntica ao que foram os outros jogos Lego - partir itens para recolher peças, eliminar inimigos fáceis, e resolver alguns puzzles. Existe uma nova mecânica para avançar e recuar o tempo, em alguns puzzles, mas nada de realmente revolucionário. Nesse aspeto, Lego Ninjago The Movie Video Game foi mais interessante, já que introduziu novidades na jogabilidade tornando-a mais dinâmica. As habilidades das personagens acrescentam alguma variedade, mas depois de termos jogado Ninjago, Lego Marvel Super Heroes 2 parece um passo atrás em termos de combate.

Com mais de 200 personagens e variações para colecionar, pode ser um pouco difícil decorar o que cada herói e vilão consegue fazer, mas agora podem aceder a um cartão de informação que detalha as habilidades de cada personagem, além de pormenores como a sua primeira aparição na banda desenhada. Também apreciámos o esforço da TT Games em acrescentar personalidade às personagens em termos de animações. Quanto está parado, o Homem-Aranha começa a mexer nos seus lançadores de teias ou na sua câmara, o Dr. Estranho começa a ler o livro de Ashanti, e Racoon brinca com dispositivos eletrónicos. Algumas destas personagens começam a ser bastante identificáveis através do universo cinemático da Marvel, logo é pouco estranho quando ouvimos outras vozes no jogo, o que nos retirou da experiência, mas não há nada a fazer em relação a este problema. Gostámos, contudo, das muitas referências no guião. Obviamente que existem inúmeras menções de eventos e personagens da Marvel, mas também da cultura pop em geral.

Também gostámos que alguns segmentos da estória possam ser abordados pela ordem que o jogador desejar. Isto não tem qualquer impacto narrativo, mas é bom ter essa opção no jogo. No geral, gostámos da estória, e até certo ponto pode ser facilmente seguida por crianças e adultos.

Durante a aventura vão enfrentar vários inimigos do universo Marvel, como Doctor Octopus, Mysterio, M.O.D.O.K., e Kingpin. Para os derrotarem terão de resolver secções de combate intercaladas com puzzles, algo que embora divertido, perde impacto devido às inconsequências da morte nos jogos Lego. Usar táticas, ou simplesmente martelar os botões, vai dar ao mesmo resultado.

O sistema de menus é engraçado, inspirado por banda desenhada. Inclui painéis, como se tivesse sido retirado de um livro, e até a fonte do texto é inspirada na BD. Quanto a Stan Lee, a lenda da Marvel, regressa na forma de uma personagem que têm de salvar em vários locais, mas a maioria requer que regressem mais tarde com habilidades novas. Aliás, como acontece na maioria dos jogos Lego, é impossível completar os níveis à primeira. Existem vários colecionáveis e áreas a que só podem aceder depois de desbloquearem certas personagens, o que aumenta a longevidade, mas pode ser frustrante para quem não quer repetir níveis.

Como noutros jogos da Marvel, podem aceder a batotas, desta vez visitando a mansão dos Vingadores. Aqui podem conversar com Gwenpool, que além de vender tijolos cor-de-rosa, tem uma televisão onde podem ativar as batotas que já desbloquearam. Na mansão podem ainda encontrar a sala Battle Arena, organizada pelo Grandmaster (interpretado por Jeff Goldblum em Thor: Ragnarok). Nela vão encontrar dois modos multijogador, Colour Clash e Capture the Infinity Stones. É um modo com potencial, mas o facto de decorrer em salas tão pouco inspiradas implica que o interesse desaparece rapidamente.

A TT Games e a Marvel conseguiram criar uma estória de heróis e vilões que é bastante rica em possibilidades, mas a jogabilidade não aproveita o que Lego Ninjago fez de positivo. Nesse jogo sentimos um esforço para criar algo diferente, uma tentativa de evoluir a fórmula, mas não foi isso que sentimos aqui. A TT Games preferiu jogar pelo seguro, servindo-se dos mesmos moldes que usou en tantos outros jogos. Se é divertido? Sim, é, e tem muito conteúdo para deliciar os fãs da Marvel, mas a experiência de jogo é excessivamente similar ao que já jogámos várias vezes para recomendarmos Lego Marvel Superheroes 2 como uma compra essencial.

Lego Marvel Super Heroes 2Lego Marvel Super Heroes 2
Lego Marvel Super Heroes 2Lego Marvel Super Heroes 2Lego Marvel Super Heroes 2
07 Gamereactor Portugal
7 / 10
+
Número massivo de personagens (e muitas inéditas). Várias atividades espalhadas pelo enorme mundo de jogo. Informação detalhada sobre as personagens da Marvel.
-
Torna-se algo repetitivo. Não inova a fórmula. Faltam Deadpool, X-Men, e o Quarteto Fantástico. Multijogador sem inspiração.
overall score
Esta é a média do GR para este jogo. Qual é a tua nota? A média é obtida através de todas as pontuações diferentes (repetidas não contam) da rede Gamereactor