Gamereactor Internacional Português / Dansk / Svenska / Norsk / Suomi / English / Deutsch / Italiano / Español / Français / Nederlands
Gamereactor
Iniciar sessão






Esqueceu-se da password?
Não estou registado mas quero registar-me

Prefiro iniciar sessão com a conta de Facebook
Gamereactor Portugal
análises
Gran Turismo Sport

Gran Turismo Sport

Uma nova direção corajosa para Gran Turismo, ainda que nem tudo esteja bem.


Quando revelou Gran Turismo Sport, o criador da saga, Kazunori Yamauchi, deixou bem claro que estavam a afastar-se do modelo tradicional de GT, que o novo jogo já não seria sobre colecionar carros banais. GT Sport é um jogo regulado pela FiA, que requer uma ligação constante à internet. É uma abordagem direcionada para o jogador mais experiente, para o amante de condução, ainda que, de forma contraditória, o jogo faça questão de tratar o jogador como uma criança.

Como amantes de condução, o vídeo introdutório é quase ofensivo, tratando-nos como alguém que está a jogar um simulador de corridas pela primeira vez. A desilusão permanece quando, no menu principal, percebemos que GT Sport continua a incluir uma apresentação datada dos menus, acompanhada pela música jazz do costume, e também momentos que pretendem retratar "eventos intemporais da história mundial". O que tem isto a ver com condução?

A intenção em si é evidente. A Polyphony queria criar um clube de carros onde todos os jogadores pudessem 'estacionar', um local atento ao mundo e ao que se passa fora do jogo. Da mesma forma, é também um jogo que faz um esforço por tornar a experiência agradável para quem está agora a começar. Compreendemos tudo isso, mas não gostámos da execução.

Neste Gran Turismo não vão encontrar o tradicional modo de carreira para um jogador. Acreditamos que alguns jogadores vão sentir falta deste modo, que sempre foi o estandarte de GT, mas enquanto jogadores frequentes de vários jogos de condução, ficámos aliviados por desta vez não ser necessário atravessar um modo carreira igual a tantos outros. Existem, contudo, testes de condução que podem realizar, ideais para se habituarem às particularidades da jogabilidade. Pela nossa parte, foram duas horas para provarmos à Polyphony que sabemos como e quando travar, e como fazer uma curva.

Felizmente a nossa experiência com Gran Turismo Sport não se ficou por aí, e depois de passarmos mais de 25 horas a conduzir, podemos com algum alívio afirmar que este é o melhor jogo da série que vimos em muito tempo. Depois de aprendermos as lições mais básicas no modo que referimos em cima, a Polyphony Digital colocou-nos ao volante de um carro de LeMans, agora sim, com o objetivo de aprendermos algo mais profundo sobre condução. Aqui as prioridades do estúdio estiveram no ponto certo. A forma como separa pequenos segmentos da pista para, através de ajudas visuais, nos instruir acerca de como abordar uma curva com o ângulo e a velocidade certa, é algo interessante. Não são uma série de testes aborrecidos para quem nunca pegou num comando, nem são desafios estupidamente difíceis apenas para os melhores. São uma forma divertida de educar o jogador sobre as particularidades do jogo e do seu estilo de condução.

Tudo isto - os testes, as lições, as corridas personalizáveis - são preparativos para o verdadeiro foco do jogo, o modo online. Ou para sermos mais específico, para um modo online que é regulamentado pela FiA. A pré-temporada deste campeonato arranca a 4 de novembro, enquanto que a prova propriamente dita está marcada para abril de 2018. Como essa competição pode ser um pouco intimidante, existem outras opções de jogo mais tradicionais, desde ligas a torneios.

A Polyphony Digital leva a etiqueta de condução a sério, e para Gran Turismo Sport inspiraram-se (ou pelo menos parece) em iRacing. No fim da corrida serão pontuados de acordo com vários fatores, e na corrida seguinte o jogo vai tentar colocar-vos junto de jogadores com o mesmo tipo de pontuação e de comportamento. Se forem pilotos sem grande consideração pelos outros, prontos a chocarem com adversários, vão jogar contra oponentes que jogam da mesma forma. O jogo até indica o tipo de jogador que são. Parece-nos um método muito interessante de manter a experiência de jogo contida, permitindo a quem tenta levar a corrida mais a sério, competir com outros jogadores semelhantes.

Para Gran Turismo Sport a Polyphony Digital reescreveu grande parte do seu sistema de física, e isso é evidente. Mesmo jogado com um comando, é fácil perceber a qualidade da física dos pneus e dos carros, ainda que não chegue exatamente à perícia de iRacing e Assetto Corsa. Gran Turismo Sport consegue recriar com excelente desempenho a fricção dos pneus, o seu calor, e o centro de gravidade dos veículos. Também jogámos GT Sport com um volante e pedais, e adorámos a qualidade do feedback que o jogo transmite para os periféricos. Jogámos com o Thrustmaster T-GT, que embora não seja surpreendente por si só, brilha no contexto de GT Sport. Se estão a pensar dedicar-se a fundo ao jogo, é uma das melhores opções.

Existe um grande nível de detalhe na forma como a física trabalha em GT Sport, algo muito diferente do que vimos por exemplo em Forza Motorsport 7, consideravelmente mais arcade. Em Forza somos praticamente forçados a pensar que os pneus não conseguem fazer duas coisas ao mesmo tempo, mas isso não é totalmente verdade para um piloto experiente, e GT sabe disso. É realmente impressionante o trabalho da Polyphony Digital neste departamento.

Outro elemento muito trabalhado deste GT é o som. Alguns carros foram claramente mais cuidados que outros, mas numa perspetiva geral, existem melhoramentos claros neste departamento. Aparentemente a Polyphony Digital deslocou-se a uma equipa de competição para gravar os sons dos motores, através de todas as mudanças, e isso é algo impressionante. A nível de som, Gran Turismo começa finalmente a parecer um verdadeiro simulador de condução, ainda que as mudanças de um Audi TTS pareçam idênticas às de um Chevrolet Corvette C7 GR3, o que é perfeitamente absurdo, mas é difícil ficar indiferente ao trabalho global deste elemento. Menos impressionantes são os efeitos para a colisão entre veículos, que mais parecem duas latas de refrigerante a chocarem uma na outra. E já referimos em cima o quanto odiamos a banda sonora.

Quanto ao departamento gráfico, só podemos deixar rasgados elogios. Gran Turismo Sport - sobretudo em HDR -, aproxima-se mais do foto-realismo do que Assetto Corsa, Forza Motorsport 7, e até Project CARS 2. O detalhe dos veículos e das pistas é impressionante, tudo iluminado de forma realista. Por exemplo, nenhum destes jogos chega perto da recriação de Nürburgring Nordschleif que vão ver em Gran Turismo Sport. Também apreciámos a câmara na perspetiva do piloto, superior às dos GT anteriores. Talvez seja um pouco 'calma' demais para alguns jogadores, mas parece-nos óbvio que a Polyphony Digital optou por não atrapalhar o jogador com vibração adicional. Existe também o modo fotografia, que inclui fotos de cidades portuguesas, mas é mais uma distração do que algo realmente substancial. Uma palavra ainda para os loadings, que são bastante rápidos.

Temos vários elogios, e também algumas queixas, para Gran Turismo Sport, mas o maior defeito que podemos apontar ao jogo é o número de pistas. Além de serem escassas, faltam aqui pistas que nos parecem obrigatórias para qualquer simulador moderno que se preze, como Spa, Monza Mugello, Silverstone, Hockenheim, Road Atlanta, e Laguna Seca. Esperemos que a Polyphony Digital complemente o seu jogo com o lançamento de pistas gratuitas, porque como está, parece muito escasso para alimentar um jogo online a longo prazo.

Não temos dúvidas de que a Polyphony Digital criou um dos melhores simuladores de corridas dos últimos anos, pelo menos em termos de jogabilidade. Mais importante que isso, a produtora teve a coragem de abordar a sua visão para o futuro do género, mesmo que isso tenha implicado desfazer-se do seu modo mais tradicional e afastar vários fãs. Se lhe juntarem o Thrustmaster's T-GT, vão ter uma experiência de condução fantástica. Ainda assim, se o que procuram é uma experiência mais completa, Project CARS 2 é a melhor escolha, até porque a jogabilidade é igualmente boa e inclui o triplo das pistas e dos veículos.

Gran Turismo SportGran Turismo Sport
Gran Turismo SportGran Turismo SportGran Turismo Sport
07 Gamereactor Portugal
7 / 10
+
A física dos pneus é gloriosa. Bom grafismo. Foco real nos desportos motorizados. Perspetiva fantástica do piloto. Localização total para português.
-
Alguns carros fracos. Nem todos os efeitos sonoros são da mais alta qualidade. Apresentação e configuração datada dos menus. Tem poucas pistas.
overall score
Esta é a média do GR para este jogo. Qual é a tua nota? A média é obtida através de todas as pontuações diferentes (repetidas não contam) da rede Gamereactor