Gamereactor Internacional Português / Dansk / Svenska / Norsk / Suomi / English / Deutsch / Italiano / Español / Français / Nederlands
Gamereactor
Iniciar sessão






Esqueceu-se da password?
Não estou registado mas quero registar-me

Prefiro iniciar sessão com a conta de Facebook
Gamereactor Portugal
análises
Mario + Rabbids Kingdom Battle

Mario + Rabbids Kingdom Battle

Uma espécie de Xcom, passado no mundo de Mario, e com os Rabbids da Ubisoft... e não é que resulta?

Aqui está um jogo atípico. Um jogo de Super Mario, criado pela Ubisoft, que insere os tresloucados Rabbids no Mushroom Kingdom. E o mais estranho? Não é um jogo de plataformas, mas antes de estratégia por turnos, estilo Xcom. Isto poderia ser a coisa mais brilhante de sempre, ou um desastre completo, mas felizmente terminou bem mais próximo da primeira opção do que da segunda.

Mas qual é a justificação narrativa para esta mistura de Mario e de Rabbids? Bem, como devem calcular, é absurda. Um génio está a trabalhar num dispositivo de realidade virtual ultra-avançado, que consegue combinar elementos diferentes num só mundo. Os Rabbids decidem então usar o dispositivo, e como o génio que está a criar o aparelho tem um póster de Super Mario, os Rabbids são atirados para o Mushroom Kingdom. E pronto, esta é a explicação. Porque são alguns Rabbids maléficos e outros amigáveis? Não sabemos, porque o jogo não se importa em justificá-lo, mas a verdade é que esta não é a primeira vez que o reino de Mario é ameaçado por algo pouco claro, e certamente não será a última. É tudo um pouco idiota e absurdo, mas o mais importante é que essa "parvoíce" característica dos Rabbids encaixa bem no espírito de Mario e companhia. Por falar em companhia, tanto Peach como Luigi, foram substituídos por contra-partes Rabbid, que têm um desempenho delicioso. Ou seja, não vale a pena esperar por algo muito profundo em termos narrativos, mas também não era exatamente isso que se pedia.

Mario + Rabbids Kingdom Battle utiliza um estilo visual bastante peculiar, algo que foi criado pela Ubisoft, mas que respeita o legado da Nintendo. Isto significa que os fãs de Mario vão sentir-se em casa neste mundo, mesmo que o explorem através de um estilo visual ligeiramente diferente, e de uma estrutura de jogo atípica para o seu universo. Além do estilo gráfico, as maiores diferenças surgem naturalmente das influências dos Rabbids. Enquanto exploram vários tipos de mundos, desde reinos fantasmas a níveis de gelo ou lava, vão encontrar túneis, canhões, e outros acessórios típicos de Mario, que foram adaptados a um estilo Rabbid. É um grafismo simples, mas eficaz, com bom nível de detalhe e polimento, algo que não sendo original ou inovador, mostra que a Ubisoft entende o que é necessário para criar um mundo de Super Mario.

Apesar do território familiar, vão visitá-lo através de uma perspetiva isométrica, num sistema de jogo muito diferente do que é habitual em Mario. A exploração dos mundos decorre em tempo real, com movimento típico, mas o sistema de combate é algo completamente diferente. A Ubisoft decidiu construir uma estrutura de estratégia por turnos, baseado num esquema de grelhas e bases de cobertura. Algo parecido com Xcom, embora menos complexo. As batalhas decorrem em ecrãs especiais de combate, e antes que a luta comece, terão a hipótese de posicionar três personagens na arena.

Dependendo da altura, as coberturas podem oferecer proteção média ou total, determinando a quantidade de dano que recebem (sem cobertura estarão expostos à totalidade do dano). Podem depois movimentar as personagens num esquema de grelhas, com o objetivo de conseguirem vantagem posicional em relação ao adversário. Em cada turno têm acesso a duas ações - desde ataques de curto alcance, à hipótese de se movimentarem e depois dispararem. Se conhecem Xcom, a jogabilidade de Mario + Rabbids vai parecer mais imediata e rápida, embora com menor profundidade estratégica. É um sistema simples e acessível, mas rico o suficiente para ser divertido enquanto jogo de estratégia. As personagens têm também acesso a habilidades especiais, armas melhoráveis, e outras particularidades que acrescentam valor estratégico.

Além da campanha, existe um modo cooperativo para dois jogadores que permite jogar com equipas de quatro personagens em vez de três. São desafios específicos, selecionáveis num menu próprio, desenhados para potenciarem a cooperação (e competição) entre os jogadores. Pareceu-nos uma adição interessante, que acrescenta valor e longevidade ao pacote completo.

Mario + Rabbids Kingdom Battle não é o jogo de estratégia mais profundo ou intenso que já jogámos, mas consegue ainda assim proporcionar um desafio interessante aos jogadores. É exatamente como prometido, um Xcom mais leve baseado no mundo de Mario e com a presença dos Rabbids. Acreditamos que existe espaço para a série evoluir, para que o sistema de jogabilidade receba alguma profundidade - possivelmente com algumas pitadas de RPG. Por exemplo, existem armas e habilidades, mas não existem armaduras e as árvores de progresso das personagens são básicas. Por outras palavras, um fã do género pode sentir que Mario + Rabbids Kingdom Battle é excessivamente simples, ainda que divertido.

Mas, se lhe falta alguma profundidade, charme e bom design tem aos pontapés. É um jogo divertido, com bom grafismo, um ritmo perfeitamente adequando à Nintendo Switch, e valor acrescentado com a introdução de um modo cooperativo. Acreditamos que a sequela pode ser melhor, mas para já, Mario + Rabbids Kingdom Battle chega perfeitamente, e cumpre o papel a que se propôs de forma clara.

Mario + Rabbids Kingdom BattleMario + Rabbids Kingdom Battle
Mario + Rabbids Kingdom BattleMario + Rabbids Kingdom BattleMario + Rabbids Kingdom Battle
08 Gamereactor Portugal
8 / 10
+
Combinação deliciosa de duas séries diferentes. Boa estrutura de jogabilidade. Visual apelativo. Desafios cooperativos divertidos.
-
Falta-lhe alguma profundidade narrativa.
overall score
Esta é a média do GR para este jogo. Qual é a tua nota? A média é obtida através de todas as pontuações diferentes (repetidas não contam) da rede Gamereactor