Gamereactor Internacional Português / Dansk / Svenska / Norsk / Suomi / English / Deutsch / Italiano / Español / Français / Nederlands
Gamereactor
Iniciar sessão






Esqueceu-se da password?
Não estou registado mas quero registar-me

Prefiro iniciar sessão com a conta de Facebook
Gamereactor Portugal
análises
Antihero

Antihero

Um delicioso jogo de estratégia por turnos, onde vão tentar dominar Londres Vitoriana.

  • Texto: Kieran Harris
Antihero

Antihero é um projeto peculiar, uma espécie de jogo de tabuleiro em formato digital passado em Londres Vitoriana. É também um jogo bastante competitivo, onde devem pilhar, roubar, e defraudar no caminho para a vitória. Como líderes de um clã de ladrões, a vossa função será a de tentar ganhar vantagem através de uma série de modos de jogos, eliminando gangues rivais, infiltrando edifícios, e cumprindo objetivos de moralidade duvidosa.

A ação passa-se por turnos, em mapas gerados de forma aleatória, e o caminho passa por ganhar mais pontos que o adversário. Para ganharem pontos têm de cumprir objetivos como assassinar alvos específicos, subornar indivíduos, e controlar as igrejas. A campanha para um jogador inclui uma série de tipos de partidas diferentes, com situações singulares, como infiltrar um baile de máscaras, roubar a carga de um navio, e tomar conta de uma torre de guardas. São estas e outras variações que obrigam o jogador a ter sempre atenção ao que vem a seguir, com disponibilidade para se adaptar a contextos diferentes.

Cada turno oferece um número limitado de ações que podem tomar enquanto comandante dos ladrões. Num mapa das ruas de Londres podem investigar as zonas com forte nevoeiro, roubar prédios aleatórios, e tentar ganhar escaramuças contra grupos menores de oponentes, por exemplo. Quando é a vez do oponente só terão acesso a um vislumbre das suas ações, o que vos obrigará a estarem prontos para tudo - ou serão facilmente vencidos. É uma combinação de escolhas de design inteligentes, que tornam todas as partidas em algo emocionante e imprevisível.
i
Moedas e lanternas são usados como troca para ganharem outro tipo de conteúdo, e são determinados pelos vários edifícios que controlam: igrejas, fábricas de cerveja, e orfanatos, entre outros. Têm de fazer uma gestão dos recursos ao vosso dispor, para que possam adquirir novos recrutas e melhorar o clã nos setores que acharem mais importante. A questão é que existe sempre o perigo do adversário vos roubar recursos - afinal de contas estamos a falar de um jogo de ladrões. Existe um forte elemento tático no jogo, sobretudo na forma como podem plantar armadilhas, ou tentar dominar pontos estratégicos do inimigo para reduzirem os seus recursos

Antihero

.

Existe uma extensa árvore de habilidades e melhoramentos para o clã, dividida em três categorias. Podem evoluir talentos de assassinato, ações furtivas, ou atitudes 'manhosas', mas só podem usar uma habilidade destas por turno. Eventualmente podem desbloquear a capacidade para contratar novas classes de personagens, capazes de cumprirem papéis mais específicos. Classes especializadas, se preferirem, que melhoram a eficácia no roubo e aumentam a duração dos turnos, por exemplo (existem um limite de tempo, que por vezes é stressante). Também existe uma opção de caridade, que permite receber doações durante um turno, mas que anula o uso de habilidades nesse turno.

As classes incluem assassinos, gangues, rufias, e órfãos de rua, cada um capaz de desempenhar papéis diferentes. Os gangues podem atacar qualquer inimigo no mapa e espantar órfãos, os rufias bloqueiam áreas e defendem edifícios ocupados, enquanto que os orfãos ocupam edifícios. Os assassinos, bem, assassinam (causam grandes quantidades de dano).

Um dos defeitos do jogo é a duração da campanha, que sabe a pouco, dividida em apenas onze capítulos. É, contudo, uma excelente forma de passar a conhecer as mecânicas de jogo. A estória é apresentada através de sequências estilo banda desenhada, e conta como um grupo de ladrões lutou para ganhar poder. Mesmo considerando a duração, é uma campanha bastante sólida, mas não é esse o principal atrativo de Antihero.

O multijogador pode ser jogado de duas formas: em tempo real, em que alternam os turnos com o adversário e cada um tem um limite de tempo para jogar, ou de forma mais relaxada e numa duração mais alargada de tempo. Neste modo vão receber por e-mail uma notificação de que o vosso oponente jogou, para responderem quando puderem. Obviamente que neste formado as partidas arrastam-se imenso tempo, mas é uma forma divertida de enfrentar amigos quando os horários não coincidem. Se quiserem, também podem enfrentar a IA no modo Skirmish, onde podem definir uma série de parâmetros de jogo.

Antihero tem um estilo visual que mistura o vitoriano, o gótico, e o cartoonesco, algo que nos lembrou imenso da arte de Don't Starve - embora mais colorido. É um estilo que confere muita personalidade às personagens, e que encaixa perfeitamente no tipo de experiência que o jogo pretende proporcionar. A música em si não é nada de espetacular, mas cumpre a sua função.

Se apreciam o género de estratégia por turnos, e este tipo de ambiente e tema, Antihero é compra obrigatório. É um jogo repleto de charme, com uma campanha divertida, e duas variantes multijogador que são um vício autêntico. Se estiverem interessados, Antihero está à venda no Steam por € 14.99, um preço justíssimo na nossa opinião.

AntiheroAntihero
09 Gamereactor Portugal
9 / 10
+
Ciclo de jogabilidade viciante e imersivo. Multijogador inclui modo de participação instantânea. Estilo visual lembra um jogo de tabuleiro que ganhou vida.
-
A campanha a solo é curta. Gostaríamos que o modo online fosse além do um contra um.
overall score
Esta é a média do GR para este jogo. Qual é a tua nota? A média é obtida através de todas as pontuações diferentes (repetidas não contam) da rede Gamereactor