Gamereactor Internacional Português / Dansk / Svenska / Norsk / Suomi / English / Deutsch / Italiano / Español / Français / Nederlands
Gamereactor
Iniciar sessão






Esqueceu-se da password?
Não estou registado mas quero registar-me

Prefiro iniciar sessão com a conta de Facebook
Gamereactor Portugal
análises
Has-Been Heroes

Has-Been Heroes

Não é fácil manter os heróis vivos neste Roguelike dos criadores de Trine.

  • Texto: Bengt Lemne

A Frozenbyte é mais conhecida a pela trilogia Trine, uma série que mistura puzzles e plataformas com visuais impressionantes. O seu novo jogo, Has-Been Heroes, partilha algumas semelhanças com Trine, no sentido em que inclui alguns temas de fantasia, e permite controlar três heróis, mas as parecenças acabam aí. Has-Been Heroes é um "roguelike", que gira em torno de uma mecânica à base de filas.

Antigamente existia um bando de heróis que alegremente salvavam o reino de todos os perigos. Agora apenas dois desses heróis permanecem no ativo, e a sua função resume-se a acompanhar duas princesas para a escola, mas não por muito tempo. Eventualmente conhecem um novo herói, um ladrão, e juntos partem numa aventura para salvarem os seus antigos companheiros, um de cada vez.

Has-Been Heroes é um jogo que se concentra acima de tudo nas mecânicas da jogabilidade, e verdade seja dita, são mecânicas interessantes e bem desenhadas. A premissa da mecânica em fila faz muito pelo jogo, e colocar o herói certo na fila certa é essencial para o sucesso. Como podem ter percebido, quando o jogo começa estão limitados a três heróis, mas sempre que acabam uma passagem pelo jogo ganham um herói novo. Só existem três classes - guerreiro, ladrão, e mago, mas cada herói tem capacidades diferentes dentro dessas classes.

O guerreiro pode fazer um ataque de cada vez, o mago pode fazer dois, e o ladrão três, embora a sua resistência seja também diferente. À medida que vão atravessando o mapa vão encontrando ou desbloqueando habilidades e itens novos, enquanto percorrem linhas num formato semelhante à forma como escolhem um percurso em FTL: Faster Than Light. Podem recuar nesse percurso, mas para o fazerem têm de consumir uma vela, algo que devem ter em conta conforme tentam chegar ao maior número de salas possível antes do encontro com o Boss (e vão precisar de procurar feitiços e itens se quiserem vencer). É um bom sistema, que funciona bem na maior parte do tempo, embora o elemento aleatório que determina a posição das salas possa causar alguma frustração.

Has-Been Heroes perde-se um pouco na sua estrutura roguelike, sobretudo porque o sistema de desbloquear novo conteúdo nem sempre funciona bem. As primeiras vezes que passam a campanha serão menos aleatórias que as vezes seguintes, até começarem a ter algum sucesso com o jogo. E mesmo depois de entenderem como tudo funciona, podem ter azar na disposição do mundo - podem ter todas as salas com tesouros antes das salas com chaves, por exemplo. A questão é que nunca sabem se o elemento aleatório agiu contra ou a vosso favor até estarem bem dentro da campanha, e honestamente será necessário um jogador bem persistente para terminar as sete voltas à campanha que são necessárias para "completar" Has-Been Heroes.

Por exemplo, podem ter a sorte de encontrarem uma boa combinação de feitiços, como água e eletricidade, mas o oposto também é verdade. Embora seja possível optimizar os heróis até certo ponto, as habilidades que vão ter durante a campanha depende sobretudo da sorte e do elemento aleatório. Existe alguma estratégia na forma como podem distribuir as habilidades pela personagem certa, mas isso nem sempre funciona porque têm de jogar com o que o jogo vos dá, e isso pode criar algumas campanhas desequilibradas.

Durante a jogabilidade é possível trocar as filas dos heróis, mas só depois de atacarem (o jogo pausa convenientemente), e isso acrescenta uma opção tática. Podem atacar a fila onde os vossos inimigos estão mais próximos dos heróis, empurrando-os, ou podem atacar uma fila onde os inimigos ainda estejam distantes, e depois mudar para a fila onde estão os mais próximos. Isto é conveniente porque, ao recuar do ataque para a sua posição, o herói vai causar dano a todos os inimigos que atravessa, e até pode atordoá-los. Isto é muito importante, porque um inimigo que chega até ao vosso herói ainda atordoado, não pode atacar. Em vez disso será enviado de volta para o fundo da sua fila, perdendo a sua vez. Pode parecer um pouco confuso no papel, e requer alguma habituação, mas o sistema peculiar de Has-Been Heroes conquistou-nos.

Existem muitas características que distinguem Has-Been Heroes, mas o ponto mais singular do jogo são os bosses. À medida que terminam campanhas vão desbloquear novos mundos e bosses, e alguns deles podem causar verdadeiros ataques de raiva. Por isso mesmo, quando vencem um é uma grande satisfação, quase como se fosse um Dark Souls. A primeira vez que apanharem um boss em cada fila, vão ter vontade de atirar o comando a alguém, mas eventualmente vão aprender a usar os feitiços e os itens de forma a superarem estes obstáculos, e isso é uma sensação fantástica.

Como o jogo não é eficaz a explicar as mecânicas, a experiência torna-se ainda mais frustrante, e algumas das funções chave acabam por ficar de fora do tutorial. A forma como a informação é apresentada ao jogador é tão confusa e atabalhoada, que quase parece que queriam esconder informações. Até poderia ser interessante explorar as mecânicas de jogo sem muita informação, mas como o jogo é tão duro, teríamos preferido uma apresentação mais clara de como tudo funciona.

Has-Been Heroes é um bom jogo, mas não deixa de parecer uma oportunidade perdida por parte da Frozenbyte. Gostamos de um bom desafio, mas Has-Been Heroes parece ter um prazer sádico na forma como castiga o jogador, sobretudo ao início. Existem aqui algumas ideias excelentes, e as mecânicas funcionam bem, mas elementos como o design, a estrutura geral, e os picos de dificuldade, acabam por limitar o seu potencial. É uma boa proposta para fãs do género, e para quem gosta realmente de levar tareias da inteligência artificial, e vale a pena lembrar que também está na Switch.

Has-Been HeroesHas-Been Heroes
Has-Been HeroesHas-Been HeroesHas-Been Heroes
07 Gamereactor Portugal
7 / 10
+
Mecânicas viciantes e sistema brilhante de filas. Jogabilidade profunda. Desafio apurado leva a momentos de satisfação em caso de vitória. Tem alguma variedade.
-
O jogo só se torna realmente interessante depois de o terminarem algumas vezes. Picos de dificuldade imprevisíveis. Elemento aleatório por vezes funciona contra o jogo.
overall score
Esta é a média do GR para este jogo. Qual é a tua nota? A média é obtida através de todas as pontuações diferentes (repetidas não contam) da rede Gamereactor