Gamereactor Internacional Português / Dansk / Svenska / Norsk / Suomi / English / Deutsch / Italiano / Español / Français / Nederlands
Gamereactor
Iniciar sessão






Esqueceu-se da password?
Não estou registado mas quero registar-me

Prefiro iniciar sessão com a conta de Facebook
Gamereactor Portugal
análises
Paper Mario: Color Splash

Paper Mario: Color Splash

O canalizador mais conhecido do mundo voltou a assumir a sua forma de papel.

Que surpresa - a Princesa Peach e o Toad precisam novamente da ajuda de Mario. Ambos chegam ao famosos canalizador com uma carta, uma carta que mostra um Toad que perdeu a sua cor. O trio decide partir de imediato para a Ilha Prism (o selo da carta vem dessa zona), mas tanto a Princesa, como Toad, decidem fazer uma sesta assim que chegam. Mario fica novamente sozinho para realizar os seus feitos heróicos, mas não por muito tempo - poucos momentos depois faz uma amizade nova com Huey, um balde de tinta falador.

Torna-se evidente que o que sugou toda a cor do pobre Toad está a tentar fazer o mesmo a toda a ilha de Prism, um ato maléfico bem evidente por pedaços do mapa descoloridos. Sendo o herói que é, Mario decide ele próprio parar quem está a fazer este ato, e devolver as cores aonde pertencem.

Vão estar equipados com um item especial capaz de pintar as zonas sem cor, desde que tenham tinta para isso. No canto superior direito do ecrã é visível a quantidade de tinta que resta, mas é fácil recuperar tinta. Podem bater em vários objetos para que salte a tinta em excesso, que depois podem armazenar e usar nos locais descoloridos. Conforme derrubam inimigos vão apanhando outros itens, que aumentam a capacidade de armazenamento de tinta. Parece uma tarefa mundana, mas a verdade é que nos divertimos a devolver a cor às ilhas Prism. Se forem complecionistas e não conseguirem parar até que tudo esteja pintado, Colosplash pode durar-vos horas a fio.

Como é óbvio, terão de fazer mais do que simplesmente colorir o mundo. As "Paint Stars" também foram roubadas da fonte de cores que dão fama à ilha de Prism, e Mario terá portanto a missão de encontrar as estrelas espalhadas por todo o mapa. Na maioria dos níveis existem duas estrelas para apanhar, mas só podem apanhar uma antes do nível terminar, o que significa que terão de repetir níveis para terem todas as estrelas. Gostamos deste tipo de incentivos para procurar e colecionar estrelas, mas não quando nos forçam a repetir níveis.

A tinta que vão acumulando não é apenas útil para pintar, mas também em combate. Se jogaram Paper Mario: Sticker Star, terão uma boa ideia do que vão encontrar aqui. É um sistema de combates por turnos, mas aqui terão acesso a uma série de cartas, em vez dos autocolantes de Sticker Star. Podem aceder a todo o baralho de cartas utilizando o GamePad da Wii U, o que é um sistema engraçado, já que parece que estão mesmo com um baralho na mão. Cada carta representa uma ação que Mario consegue executar em combate, como saltar para cima da cabeça de um inimigo ou lançar uma bola de fogo. Dependendo do timing em que ativam uma ação, podem repeti-la até uma máximo de cinco vezes para maior eficácia. Para usarem uma ação têm primeiro de selecionar a carta no GamePad, e depois podem pintá-la para aumentar o efeito. Por fim "atiram" a carta do GamePad para a TV utilizando os dedos, numa mecânica engraçada.

As batalhas em si são divertidas, mas podem ser sistemáticas, e o facto de ocorrem por turnos acaba por afetar um pouco o ritmo da experiência. O processo de escolher, pintar, e lançar as cartas é engraçado nas primeiras tentativas, mas passadas várias hora de jogo começa a cansar. Chegou ao ponto em que fazíamos de tudo para evitarmos combater os inimigos, mesmo que isso significasse que não iríamos receber as recompensas resultantes.

Um dos efeitos positivos das cartas é que existem algumas cartas aletórias, que podem inovar objetos bizarros - como uma ventoinha que cai no centro da batalha e sopra os inimigos para fora do mapa. O jogo está repleto deste tipo de humor disparatado, mas divertido. Desde as estórias e criaturas fantásticas que fomos conhecendo pelo caminho, aos comentários engraçados dos inimigos durante as batalhas, tudo é acompanhado de bom humor e atmosfera. Existem vários momentos memoráveis, como uma festa na praia onde tivemos de salvar o grupo de salvamento dos Toads. É difícil jogar Color Splash sem um sorriso nos lábios, e se a isso juntarmos um mundo maravilhoso que ganha vida graças a excelente design, o resultado é uma aventura grandiosa.

Também gostámos dos puzzles que o jogo nos colocou à frente, e algumas mecânicas são inteligentes. No passado era possível alternar entre uma perspetiva 2D e 3D, mas desta vez também podem mudar os níveis de formas originais, cortando o próprio nível de papel com tesouras, o que permite aceder a locais inacessíveis de outras formas. Para isso terão de jogar com o posicionamento de Mario, até que todos os pontos do nível se alinhem para criarem o que desejam. Não vão perder muito tempo nos puzzles, mas são divertidos de resolver. Não pensem em Color Splash se o que estão à procura é um desafio às vossas capacidades de jogador, mas antes se desejam algumas horas divertidas. Se é esse o caso e têm a Wii U, não encontramos motivos para não devam apostar em Paper Mario: Color Splash.

Paper Mario: Color SplashPaper Mario: Color SplashPaper Mario: Color Splash
08 Gamereactor Portugal
8 / 10
+
Humor delicioso. Jogabilidade divertida. Puzzles equilibrados. Universo encantador e colorido.
-
Sistema de combate podia ser mais interessante. Existem momentos repetitivos.
overall score
Esta é a média do GR para este jogo. Qual é a tua nota? A média é obtida através de todas as pontuações diferentes (repetidas não contam) da rede Gamereactor