Gamereactor Internacional Português / Dansk / Svenska / Norsk / Suomi / English / Deutsch / Italiano / Español / Français / Nederlands
Gamereactor
Iniciar sessão






Esqueceu-se da password?
Não estou registado mas quero registar-me

Prefiro iniciar sessão com a conta de Facebook
Gamereactor Portugal
antevisões
The Crew 2

The Crew 2

À segunda volta, The Crew pretende compensar o tempo perdido.

  • Texto: Sam Bishop

A Ivory Tower lançou The Crew em 2014, debaixo da tutela da Ubisoft, mas o MMO de corridas não teve o sucesso esperado. No próximo ano o estúdio vai voltar a tentar expandir o conceito que criou, com uma visão ainda mais ambiciosa que a original. Além dos carros e motas do primeiro jogo (incluindo expansão), a Ivory Tower vai agora introduzir aviões e barcos em The Crew 2. Se acompanharam a conferência da Ubisoft, já viram o trailer (e se não viram, podem ver nesta página), mas o Gamereactor foi depois convidado a experimentar o jogo.

Primeiro, os carros, que continuam a proporcionar uma condução estilo arcade. Podem realizar saltos absurdos, ativar turbos impossíveis, e derrapar como os melhores prós. A jogabilidade pareceu-nos mais sólida, e este estilo arcade parece ser um bom encaixe para a visão da Ivory Tower, mas não será para todos os jogadores. Quando experimentámos as pistas em terra batida, a condução tornou-se um pouco mais desafiante, e pareceu-nos ligeiramente menos arcade. Honestamente, gostámos mais desta porção.

Os barcos e os aviões não nos parecem tão divertidos de controlar, sobretudo a longo prazo, porque não existem obstáculos para ultrapassar. As secções de voo que experimentámos, por exemplo, não incluíam uma real sensação de perigo ou tensão, e as corridas de barco limitaram-se a alguns saltos na água. Pode ter sido uma abordagem propositada da Ivory Tower, a de reduzir o perigo para que os jogadores se habituassem aos controlos, mas a versão final terá de ser muito mais desafiante para ser tornar interessante.

Publicidade:

Em The Crew 2 podem participar em eventos e competições para cada tipo de veículos, mas também podem explorar o mundo no modo livre. Uma mecânica interessante é a possibilidade de transformar o veículo. Podem mudar de barco para avião, de avião para carro, e de carro para mota, por exemplo, a qualquer momento do jogo. Isto permite criar um dinamismo interesante, mas tem de ser usado no tempo correto. Se o usarem mal, como transformar num avião dentro dum túnel, ou num barco no meio da estrada, vão naturalmente correr mal. A jogabilidade geral é acessível, e esta alternância em tempo real acrescenta um dinamismo interessante à jogabilidade.

O mais impressionante na nossa sessão de jogo foi o mundo de The Crew 2, que inclui versões miniatura de várias regiões dos Estados Unidos da América. Durante a nossa demo conduzimos pelas pistas de terra batida em Maine, e voámos sobre os céus de Nova Iorque, mas vimos Chicago e Los Angeles no mapa, por exemplo. Ou seja, em termos de áreas não existe grande diferença para o primeiro jogo, mas existe uma clara melhoria técnica. Notámos uma qualidade superior no detalhe, e toda a experiência pareceu mais polida, o que é um grande melhoramento em relação ao The Crew original.

The Crew 2The Crew 2

Durante a demo também só experimentámos uma mão cheia de missões, mas todas foram bastante básicas - ultrapassar pontos de controlo até à meta final. Uma função engraçada é que os jogadores não têm de seguir percursos pré-definidos, podem criar o seu próprio percurso até aos pontos de controlo. Numa corrida, por exemplo, tentámos um atalho pelo meio do mato, enquanto que outros seguiram as estradas. É um elemento de risco versus recompensa que nos parece bastante apelativo, ainda que as missões em si não sejam muito imaginativas - pelo menos nesta fase.

Uma nova função muito estranha são os efeitos e curvas que a Ubisoft implementa no mundo de jogo, estilo o filme A Origem. É um efeito bastante estranho, que pelo que vimos, não acrescenta muito à jogabilidade. Como truque visual é engraçado, mas não temos bem a certeza se vamos continuar a achar piada depois de 10 horas de jogo.

O que vimos de The Crew 2 não nos pareceu um salto tremendo em qualidade desde o primeiro salto, mas é um salto. A condução melhorou, o grafismo tem outra qualidade, e a experiência de jogo parece mais polida. Depois existem os aviões e os barcos, que embora por si só não sejam uma adição muito entusiasmante, podem ser interessantes com a mecânica de mudar de veículo em tempo real. The Crew 2 ainda tem muito a provar, mas esta demo deixou-nos interessados.

The Crew 2The Crew 2
The Crew 2The Crew 2
Publicidade: