Gamereactor Internacional Português / Dansk / Svenska / Norsk / Suomi / English / Deutsch / Italiano / Español / Français / Nederlands
Iniciar sessão






Esqueceu-se da password?
Não estou registado mas quero registar-me

Prefiro iniciar sessão com a conta de Facebook
Gamereactor Portugal
antevisões
Get Even

Get Even

Que tipo de segredos esconde a nossa própria mente?

É inevitável que, por vezes, algumas imagens e alguma informação escassa de um jogo nos leve a criar uma ideia errada do que realmente nos espera. Aconteceu-nos isso com Get Even, um jogo que já está a ser produzido pela The Farm 51 há imenso tempo (a primeira data de lançamento era em 2015). Dois anos depois, e Get Even será finalmente lançado durante a Primavera. Não sabíamos muito bem o que esperar do jogo, mas considerando o passado da produtora (Painkiller), suspeitávamos de um jogo de ação e terror na primeira pessoa, mas afinal não é bem isso que Get Even tem para oferecer.

Se tem elementos de terror? Tem. E passa-se na primeira pessoa? Sim. Mas Get Even não é 'apenas' um jogo de ação na primeira pessoa com um pouco de terror. Quando chegámos ao fim da nossa sessão de duas horas com o jogo, estávamos impressionados, e convencidos de que só tínhamos visto uma amostra das surpresas e dos diferentes elementos que o jogo reúne. Get Even conta a estória complexa de Cole Black, um investigador particular que acaba envolvido num estranho rapto. Esta é a premissa inicial do jogo, mas acaba por ser encostada para segundo plano em pouco tempo, dando antes lugar a uma luta de Black com o seu próprio passado, as suas memórias, e o arrepiante asilo em que se encontra preso.

Segundo os produtores Artur Fojcik e Lionel Lovisa, o plano passa por criar várias expetativas nos jogadores, fazê-los sentir muitas emoções diferentes ao longo desta jornada - não apenas medo e tensão. É uma estória com várias interpretações, dizem-nos, e com vários formatos. O que começou como uma investigação, transformou-se em jogo de terror, dando depois lugar a exploração e até alguns tiroteios. Pelo meio também tivemos de resolver alguns puzzles. Acrescentar tantos elementos num jogo pode afetar seriamente o seu ritmo e coesão, mas não foi essa a sensação que Get Even nos transmitiu. A verdade é que, quanto mais avançamos pelo jogo, mais curiosos ficámos com esta estória e este mundo.

O foco forte na narrativa não implica que seja toda linear. Existem decisões que os jogadores terão de tomar durante o jogo, e essas escolhas vão resultar em consequências diferentes mais à frente. Por exemplo, a certo ponto um dos pacientes pediu para ser solto, e o jogador pode optar por deixá-lo na sua cela a apodrecer, ou libertá-lo. Agora, o que será que vai acontecer em consequência disto? Será que nos dará uma ajuda imprevista mais tarde, ou pelo contrário, tomará ações que nos farão arrepender das decisão que tomámos? Segundo a The Farm 51, as escolhas que os jogadores tomam não vão mudar o destino do jogo, mas podem ter influência na viagem até esse destino. É uma forma de tornar o mundo mais vivo e interativo.

Publicidade:

Pelo que vimos até agora, Get Even tem os seus toques de terror, mas estará mais próximo de um drama psicológico. Existiram algumas reviravoltas inesperadas da estória, e o ritmo a que os pontos da narrativa foram sendo revelados, deixou-nos sempre em antecipação para ver o que iria acontecer a seguir.

Não vão encontrar muitos itens durante o jogo, mas Black não está completamente isolado de objetos. Terão acesso ao seu telemóvel, que pode ser usado para mapear os arredores, analisar objetos, e até servir como lanterna. Também reparámos que muitos dos puzzles do jogo envolvem a utilização do telemóvel, normalmente de formas inesperadas. Por exemplo, a certo ponto tivemos de recolher pistas com a câmara do telemóvel, e noutro tivemos de seguir cabos que apenas eram visíveis com a visão térmica do aparelho. Gostámos do que vimos até agora em termos de puzzles, e esperamos que o resto do jogo possa manter estas ideias até final. Quanto à arma, tem as suas limitações, mas faz o serviço que se pretende.

Como não sabíamos exatamente o que esperar quando nos sentámos para jogar Gen Even, não tínhamos criado grandes expetativas sobre a sua qualidade, mas o jogo conquistou-nos. Comecámos a perceber o tipo de visão e de ambição marca a The Farm 51, e gostámos de ser convidados para os acompanhar nesta estória bizarra que querem contar. Agora resta esperar até ao dia 26 de maio para continuarmos a aventura.

Get EvenGet Even
Get EvenGet EvenGet EvenGet Even
Publicidade: