Gamereactor Internacional Português / Dansk / Svenska / Norsk / Suomi / English / Deutsch / Italiano / Español / Français / Dutch
Iniciar sessão






Esqueceu-se da password?
Não estou registado mas quero registar-me

Prefiro iniciar sessão com a conta de Facebook
antevisão

The Witcher 3: Blood & Wine

Vinhas, vampiros, e vaidosos, na última expansão de Witcher 3.

Blood & Wine será a segunda e última expansão de The Witcher 3: Wild Hunt, e tudo indica que irá marcar a despedida de Geralt dos videojogos, já que a história está concluída e a CD Projekt Red pretende agarrar outros projetos, como Cyberpunk 2077. Mas antes disso, o objetivo é proporcionar uma despedida digna para um dos melhores RPG desta geração, e pelo que vimos numa visita recente à Polónia, é mesmo isso que vamos receber no fim de maio.

Será uma aventura independente da história principal de Wild Hunt, que começa quando Geralt aceita um contrato proposto por um grupo de cavaleiros estrangeiros. O par afirma que a sua terra está a ser massacrada com crimes de grande violência, e que o culpado não é humano, o que se enquadra no tipo de casos que Geralt, enquanto Witcher profissional, costuma aceitar. É assim que o herói parte para Toussaint, uma terra que vive de vindimas, nobres presunçosos, e um aparente caso de vampiros esfomeados. Mas nada é assim tão simples no mundo de Witcher, como descobrimos bem cedo na aventura quando conhecemos um vampiro eloquente chamado Regis, que será conhecido de quem leu os livros de Witcher.

Publicidade:

Blood & Wine será todo passado numa área completamente nova que não estava em The Witcher 3: Wild Hunt, Toussaint, que partilha muitas semelhanças com o sul de França. Os jogadores terão a oportunidade de apreciar um estilo muito diferente de ambientes, fauna, flora, personagens, monstros, e até cidades. O tamanho será mais ou menos o mesmo que a área terrestre das ilhas Skellige, ou seja, terão muito terreno para explorar.

Mesmo graficamente, reparámos em alguns melhoramentos (provavelmente porque vimos a versão PC a correr nas definições máximas), mas também num estilo mais colorido e vivo do que vimos no jogo base. A CD Projekt Red realçou ainda o esforço para tornar quase todos as personagens do jogo únicas, com feições diferentes das que vimos na aventura principal. Quanto à música, segue o mesmo traço de grande qualidade a que nos habitou, e o mesmo pode ser dito do desempenho dos atores.

Em termos de números puros, Blood & Wine é realmente impressionante. A expansão vai incluir 90 missões (primárias e secundárias), 40 pontos de interesse no mapa, 30 armas inéditas, 20 novos tipos de monstros, e mais de 100 peças de armadura. O limite máximo de nível para o New Game+ também foi expandido, e segundo os produtores, todo este conteúdo irá ocupar os jogadores durante cerca de 30 horas de jogo. Pelo que vimos durante as três horas que jogámos na apresentação, não é um exagero.

Publicidade:

Este início para a expansão está também recheado de conteúdo de história, que inclui muitos diálogos e sequências de vídeo. Felizmente, é tudo exposição de qualidade, embora o mesmo não possa ser dito das sequências de investigação, onde se limitam a pressionar em botões perto de itens que brilhem a vermelho, tal como acontecia no jogo base. Também reparámos que os menus parecem um pouco mais arrumados, e que o mapa funciona melhor. Outra pequena novidade prende-se com os ferreiros, que em Blood & Wine ganham a capacidade para mudar a cor das armaduras. Um pequeno toque para quem quiser personalizar a sua versão de Geralt mais um pouco.

Menos subtis são as mudanças em torno do desenvolvimento da personagem, com novos espaços para mutações, e uma peça central no centro da árvore de desenvolvimento de Geralt. E aí dentro ainda existe uma nova árvore de habilidades que podem desbloquear. Vamos ser honestos e confessar que o pouco tempo que dedicámos a explorar esta nova página de desenvolvimentos não foi suficiente para percebermos exatamente como tudo vai funcionar, porque é realmente um pouco complexo, mas o jogador terá certamente muito mais tempo para se habituar e explorar esta função do que a sessão apressada a que tivemos direito. Quanto ao combate em si, mesmo com as mudanças no sistema de evolução, não apresenta grandes novidades.

As mudanças no combate serão exteriores ao jogador, o que significa um cuidado maior no design dos confrontos com bosses, à semelhança do que já tinha acontecido em Hearts of Stone. Durante a nossa sessão de jogo enfrentámos um gigante do tamanho de uma casa e dois vampiros, ambos com padrões de movimento distintos. Nos três bosses tivemos de utilizar táticas diferentes para os derrotar, o que aponta para o objetivo mencionado pela CD Projekt Red. Também gostámos da forma dinâmica como o mundo reage às ações de Geralt, numa evolução do que já tínhamos visto no jogo base. Por exemplo, ao limparmos um campo de bandidos, conseguimos diminuir o número de bandidos que encontrámos durante a aventura, mas esse mesmo campo acabou por ser ocupado por monstros depois de matarmos os bandidos, criando novo problema.

Uma das grandes novidades de Blood & Wine é a adição de um novo local a que Geralt pode chamar de casa, uma vinha que lhe é oferecida apesar de estar em condições muito pobres. Isto significa que o herói pode embarcar na sua própria produção de vinho (intitulado Butcher of Blaviken), e para isso terá de contratar ajudantes. Em termos mais práticos, isto significa que o jogador terá finalmente uma base de operações que pode expandir e personalizar. Ao evoluírem a vinha vão aceder a outras particularidades do jogo, que não tivemos oportunidade de explorar, como uma biblioteca onde podem guardar todos os livros.

The Witcher 3: Blood & Wine parece ser exatamente aquilo que queríamos para a despedida de Geralt, uma verdadeira expansão "à antiga". Vai acrescentar um novo local massivo, uma base de operações, uma história para seguir, e muito conteúdo extra. Gostámos bastante do que a CD Projekt Red fez com Hearts of Stone, mas temos maiores expetativas para Blood & Wine, que parece também ter sido desenhada a pensar nos jogadores que iniciaram o modo New Game+. Cada vez mais ansiosos pelo dia 31 de maio.

The Witcher 3: Wild HuntThe Witcher 3: Wild Hunt
The Witcher 3: Wild HuntThe Witcher 3: Wild Hunt
The Witcher 3: Wild HuntThe Witcher 3: Wild HuntThe Witcher 3: Wild Hunt
The Witcher 3: Wild HuntThe Witcher 3: Wild HuntThe Witcher 3: Wild Hunt
The Witcher 3: Wild HuntThe Witcher 3: Wild HuntThe Witcher 3: Wild Hunt
The Witcher 3: Wild HuntThe Witcher 3: Wild HuntThe Witcher 3: Wild Hunt
Publicidade: