Gamereactor Internacional Português / Dansk / Svenska / Norsk / Suomi / English / Deutsch / Italiano / Español / Français
Iniciar sessão






Esqueceu-se da password?
Não estou registado mas quero registar-me

Prefiro iniciar sessão com a conta de Facebook
FacebookFacebook
análise

Forza Horizon 2

Mesmo que desacelere depois de um início sempre a abrir, Forza Horizon 2 ainda é uma viagem que merece ser desfrutada.

Publicidade:

Se Forza Horizon 2 tivesse conseguido manter o ritmo frenético que apresentou durante as horas iniciais de jogo, teria facilmente disparado para a categoria de 10/10. Infelizmente, não consegue manter essa entrada fulgurante por muito tempo, já que os eventos começam a tornar-se repetitivos e genéricos, mas Forza Horizon 2 ainda é um jogo de condução com muitos méritos. Dentro do género 'arcade', está entre os melhores de sempre, alimentado por visuais arrojados e uma banda sonora icónica. É uma representação de tudo o que é divertido por estar atrás de um volante. Além disso é um jogo com curvas lindas, nas estradas e fora delas.

O jogo tem várias classes de carros e respetivos campeonatos, com eventos espalhados através de interpretações muito liberais de França e Itália. Para quem já acompanha videojogos há muitos anos, será difícil não sorrir enquanto conduzem pela costa ensolarada com um Ferrari vermelho, implicando sentimentos de nostalgia para qualquer fã de Outrun. Em sentido inverso, peguem nos carros de rali e experimentem a terra batida - será difícil não recordar o brilhante Sega Rally. Preferem campeonatos de Gran Turismo? Também os há. E que tal corridas pelo campo com alguns dos Muscle Cars americanos? Até podem conduzir pelas ruelas de vilas pequenas com alguns clássicos. Há de tudo um pouco em Forza Horizon 2.

Publicidade:

Existem muitas opções e conceitos diferentes, mas não pensem que é um monstro tipo Frankenstein, colado com pedaços de outros jogos. Não, a visão aqui ainda é inequivocamente a da Playground. É um mundo aberto que vos permite levar o carro que querem para onde querem. O jogo tem uma liberdade pouco habitual para jogos de condução, sem barreiras nas estradas, e isso potencializa um ponto crucial para a maioria das corridas do jogo: atalhos.

Apesar da natureza 'arcade', Horizon não é totalmente desprovido de alguns hábitos de simulação - afinal de contas partilha o seu ADN com Forza Motorsport 5. Ainda assim, a possibilidade para sair de estrada ou acelerar através de esplanadas de café é uma abordagem muito diferente do design rígido de Motorsport. Os pontos de controlo pelos quais têm de passar são marcados por fumo colorido, e são o único ponto que vos obriga a voltar à pista e seguir um percurso. Nas corridas de estrada estes pontos são curtos, para uma condução mais apurada, mas fora de estrada terão liberdade acrescida, com pontos de controlo do tamanho de garagens.

Forza Horizon 2

São duas disciplinas de condução muito distintas, mas ainda existe muito que fazer entre os dois extremos. Forza Horizon 2 é um verdadeiro camaleão, que tenta cobrir o maior número possível de preferências pelo desporto automóvel. A Playground também permite optar entre um estilo de condução mais realista ou arcade, com um mar de opções que permitem afinar a experiência ao gosto do utilizador. No entanto, pela nossa experiência, só quem tiver um volante em condições deverá desligar todos os auxílios - o comando não é preciso o suficiente.

Outro conselho. Depois de se ambientarem ao jogo, aumentem a dificuldade dos Drivatar. A dificuldade por defeito é demasiado fácil e cedo deixará de ser um desafio interessante. Para quem não está familiarizado com os Drivatar, são uma característica que Horizon pediu emprestada a Motorsport 5, e que popula o jogo com condutores baseados na condução de outros jogadores, utilizando a tecnologia de Cloud da Xbox One.

O conceito é brilhante, mas não estamos totalmente convencidos da real fidelidade destas contrapartes digitais de jogadores reais, já que ultrapassámos sem problemas dois Drivatar de amigos nossos que na realidade são melhores virtuais que nós, enquanto que outros, jogadores principiantes, têm Drivatares muito competentes. Ainda assim, cria pelo menos uma ilusão decente de competitividade.

Se virem um carro com um nome familiar, terão provavelmente maior predisposição para assinalar um desafio (é tão fácil como carregar no X) do que frente a jogadores desconhecidos. Ao conduzirem pelo mundo serão brindados com constantes tempos de comparação de amigos ou de outros jogadores. Cada evento de corrida termina também com uma rápida comparação com os tempos dos amigos, e disponibiliza a opção de voltarem a saltar rápido para o evento de forma a tentarem melhorar a classificação.

Forza Horizon 2

Embora os Drivatar sejam uma característica interessante de Horizon, nada se compara com a condução entre dois jogadores. O jogo distingue os modos a solo e online através de um rápido menu, que leva o vosso veículo para um mundo partilhado. Iniciar uma sessão com amigos não é difícil, mas o sistema não está tão bem implementado como estava em Forza Horizon de Xbox 360. A qualidade do modo online é inegável, mas teria beneficiado de mais alguns fatores, como a introdução de votações para um grupo de jogadores - como está, o líder decide sozinho corridas, percursos e classes de carros.

Gostaríamos sobretudo de uma opção para repetir alguns eventos: terminar alguns jogos de Infection ou King é algo que, pela sua natureza, motiva de imediato a sua repetição. Perseguir os oponentes com carros que parecem mortos-vivos ou tentar abalroar o jogador que tem a coroa, para a roubar, são alguns dos momentos mais divertidos do jogo.

O mundo de Horizon 2 está recheado de diversões. Os radares colocam a vossa velocidade numa tabela online, comparando-a com outros jogadores, enquanto velhos celeiros escondem carros clássicos. E claro, há sempre a opção para pintar os veículos, com grande pormenor. Também existem desafios muito peculiares, que vos motivarão a tentar bater tempos de comboios ou aviões.

Com tanta escolha, aconselhamos a que tentem variar ao máximo, já que é provável que se comecem a cansar de alguns objetivos depois de perceberem a fórmula. E embora seja um bom número de opções, parece-nos que existia ainda mais variedade e camadas de progressão no original de Xbox 360. A campanha a solo segue uma estrutura relativamente simples de campeonato, com apenas alguns eventos mais originais pelo caminho.

Forza Horizon 2

Passámos uma tarde a desbastar desafios do campeonato, uma série de corridas baseadas em pontos para vários tipos de classes, até ao final de Horizon. A certo ponto, começamos a perder o interesse. Uma maior variedade de objetivos teria apimentado o campeonato, o que nos levou a ponderar se o tempo de produção do modo a solo não terá sido sacrificado em detrimento do online.

Mas mesmo a contraparte online não consegue incorporar por completo o espírito de festival: teríamos adorado ver uma lista de eventos mais criativos, ou a capacidade para agrupar desafios com a comunidade. O campeonato tem outro problema, no sentido em que está preso a classes de veículos. Começamos pelos carros que mais nos interessavam, o que nos levou a uma quebra de ritmo progressiva, enquanto éramos forçados a conduzir classes ou carros que não nos entusiasmavam.

Podem saltar entre campeonatos à vontade, embora isso implique um regresso a uma das vossas garagens espalhadas pelo mapa, para que possam mudar de veículo. Em suma, o modo a solo tem alguns altos e baixos, mas a estrela de Forza Horizon 2 é o modo multijogador. Embora seja difícil não pensar nas possibilidades de uma ligação mais dinâmica entre os modos a solo e online, temos de apoiar a decisão da Playground de os manter afastados, já que torna as duas experiências mais coerentes.

Forza Horizon 2Forza Horizon 2

Graficamente, Forza Horizon 2 é arrepiante. Sim, se olharam para alguns detalhes mais específicos, como a relva ou as folhas, podem pensar que não é assim tão impressionante como isso, mas se olharem para a visão alargada do jogo, vão ficar impressionados com a qualidade quase foto-realista de Forza Horizon 2. É como estar a conduzir através de vários postais turísticos. Quanto à banda sonora, segue bem o espírito de festival do jogo.

Embora Forza Horizon 2 não tenha assim tanta diversidade de eventos como gostaríamos, existe conteúdo e variedade suficiente para vos agarrar durante semanas a fio. Mais importante ainda, criámos algumas memórias deliciosas de corridas fantásticas. Adorámos cada momento das nossas viagens pela costa, os saltos pelas colinas e as derrapagens nas planícies. Se isto é algo que também gostariam de ter, então Forza Horizon 2 é uma compra fácil de recomendar.

08 Gamereactor Portugal
8 / 10
+
Diversão arcade sublime. Conduzir pelo mundo com alguns amigos é fantástico, Impressionante design das estradas.
-
Falta variedade ao modo a solo. Os Drivatars não refletem totalmente as suas contrapartes reais. Multijogador precisa de alguns afinamentos.
Publicidade: