Gamereactor Internacional Português / Dansk / Svenska / Norsk / Suomi / English / Deutsch / Italiano / Español / Français
Iniciar sessão






Esqueceu-se da password?
Não estou registado mas quero registar-me

Prefiro iniciar sessão com a conta de Facebook
FacebookFacebook
análise

MotoGP 14

Fomos para a pista descobrir se MotoGP 14 consegue ultrapassar os jogos anteriores desta série de condução.

Publicidade:

As nossas primeiras impressões de MotoGP 14 não são positivas. Não tínhamos grandes expetativas, já que não tínhamos ficado impressionados com MotoGP 09/10 e MotoGP 10/11, mas como a licença mudou de mãos, e com uma nova editora e produtora a bordo, seria de esperar algo melhor.

Mas não, MotoGP 14 não impressiona à primeira vista. Saltamos de imediato para uma Instant Race e vemos que tudo está como esperávamos: o grafismo parece algo saído da geração anterior de consolas, os efeitos sonoros dos motores parecem ter sido feitos por num sintetizador barato, as motas fogem imenso e a trajetória ideal, com uma linha de corrida que nos diz quando contornar uma curva ou aconselha a travar ou acelerar, está muitas vezes errada. Além disso, a experiência de corrida geral é um pouco frouxa.

Publicidade:

As coisas melhoram quando entramos no modo de carreira do jogo. Aqui, começamos na classe Moto3 e vamos subindo até ao MotoGP ao longo de várias épocas, na esperança de vencer o campeonato no final. Pelo caminho vamos recebendo ofertas de outras equipas, pesquisamos melhoramentos para a nossa mota, cumprimos objetivos durante as corridas (como vencer o colega de equipa) e desbloqueamos colecionáveis na forma de vídeos e fotos.

MotoGP 14
MotoGP 14

Assim que partimos para a pista, o jogo começa a acelerar. As motas da classe Moto3 são mais pequenas e de controlo mais fácil que os "monstros" de MotoGP. A perda de controlo das motas é alivada com a ajuda da redução de velocidade, e depois de sermos contratados por uma equipa melhor e recebermos alguns melhoramentos para a mota, começamos a marcar presença assídua no pódio. As coisas estão a correr bem.

Mas a experiência ainda deixa muito a desejar. Tudo o que acontece fora da pista parece ser superficial. Depois de algumas corridas, recebemos uma nova proposta de outra equipa. Esta utiliza uma mota de marca diferente e a estatística "Team Performance", ou "Desempenho da Equipa" (a única que as equipas apresentam) é claramente melhor que a da nossa equipa atual. Não hesitamos em mudar. Mais tarde, o nosso empresário oferece-se para nos encontrar uma equipa ainda melhor e recebemos uma lista à escolha. Não há grandes considerações a fazer nem pontos fortes e fracos a medir. Qualquer equipa é inequivocamente melhor ou pior que a seguinte.

O sistema para melhorarmos a mota também é altamente superficial, ao ponto de ser disparatado. Existem quatro secções da mota que podem ser melhoradas várias vezes: travões, suspensão, chassis e motor. A primeira e a última falam por si, mas não sabemos o que influenciam as outras duas - o jogo não nos dá a mínima indicação. Não existe menção da potência extra proporcionada por um melhoramento. Não há estatísticas. Não há resultados visíveis das modificações.

À luz de jogos como Forza ou Gran Turismo, é uma omissão imperdoável. Não existe um único indício de prova ou explicação - tudo o que sabemos é que melhorámos o nosso chassis duas vezes e falta mais uma. Está bem...

MotoGP 14MotoGP 14

Um melhoramento custa um ou mais dos chamados 'pacotes de dados' que recolhemos ao completar uma corrida nos treinos, nas qualificações ou nas competições. Por outras palavras, se formos um pouco pacientes podemos ganhar três pacotes de dados num único fim de semana de corridas. Contudo, isso parece ser apenas uma desculpa para nos pressionar a cumprir os segmentos de treino e qualificação de modo a inflacionar a longevidade do jogo. E, dada a quantidade de tempo que temos para fazer a volta de qualificação - mais de meia hora, o que ultrapassa até a duração da própria corrida - as voltas de treino tornam-se obsoletas.

Mas se olharmos apenas para o que se passa em pista, a história é diferente. Existem alguns circuitos fantásticos incluídos na campanha, e conforme vamos melhorando os resultados e participamos em duelos mais renhidos com os nossos adversários mais fortes, o divertimento vai aumentando. Infelizmente, não dura muito. Após algumas horas, a excitação dá lugar ao aborrecimento. MotoGP 14 é demasiado monótono e falta-lhe a variedade necessária para ser um jogo mais prolongado.

É certo que existem outros modos de jogo a fazer companhia a Instant Race e Career, incluindo a capacidade para correr em campeonatos e Grand Prix isolados, mas não há grandes motivos para o fazer - basicamente, é mais do mesmo. De forma sucinta, a física da condução é demasiado aborrecida e genérica para MotoGP 14 se tornar divertido a longo prazo. Falta-lhe proporcionar mais feedback, a direção é algo rígida e é difícil ter ideia do quanto podemos puxar pelo acelerador antes de perdermos o controlo da mota.

MotoGP 14

Combinando isto com um grafismo enfadonho (os pequenos tufos de relva nas repetições parecem ser uma piada tendo em conta que é um jogo de PS4) e o áudio aborrecido, MotoGP 14 acaba por ser um jogo que não impressiona nem diverte após as primeiras horas. Por isso, mesmo que a vossa PlayStation 4 esteja esfomeada por um jogo de condução, não existem grandes motivos para darem uma oportunidade a MotoGP 14.

MotoGP 14MotoGP 14MotoGP 14
05 Gamereactor Portugal
5 / 10
+
Belas motas. Imensas opções.
-
Sistemas de jogo superficiais no modo de carreira. Som aborrecido. Física de condução dececionante.
Publicidade: